Como Evitar se Afogar

O Brasil é, segundo a Organização Mundial da Saúde, um dos países com mais casos de afogamento no mundo, e boa parte dos acidentes envolve crianças. Nesse sentido, você deve saber o que fazer caso caia em um corpo d'água e não saiba nadar. Este artigo pode ajudá-lo a aprender a boiar enquanto espera ajuda.

Tomando cuidado perto de corpos d'água

  1. Não caia na água! Todo corpo d'água pode ser perigoso e, por isso, é importante prestar atenção ao ambiente. Se acabar sofrendo um acidente, lembre-se das seguintes dicas:
    • Mantenha a calma, mesmo que se assuste após a queda. Se entrar em pânico, só vai piorar a situação e dificultar seu retorno à superfície.
    • Peça que as pessoas que estiverem próximas lancem boias, cordas ou outro tipo de auxílio em sua direção.
    • Patinhe (isto é, mexa os pés e as mãos para manter a cabeça fora d'água — se não souber como fazê-lo, leia a seção abaixo) até chegar à borda da piscina. Lá, peça ajuda para sair. Se tiver caído num rio ou algo parecido, patinhe até chegar à parte rasa ou peça que alguém lance uma boia em sua direção e o ajude a retomar o controle da situação.
  2. Nade com amigos. Essa é uma das melhores maneiras de evitar acidentes e se aplica a qualquer ambiente: piscina em casa, em clubes ou até corpos d'água naturais. Se nadar acompanhado, vai ser muito mais fácil ajudar quem precisar (ou receber ajuda).
  3. Preste atenção ao ambiente à sua volta. Fique de olho em todos os que estão por perto. Se alguém desaparecer, pode estar precisando de ajuda; prepare-se para estender sua assistência assim que possível.
  4. Supervisione crianças que estiverem próximo d'água. Fique de olho, pois pessoas mais jovens são as que mais se envolvem em acidentes.
  5. Não superestime as habilidades que você e/ou as pessoas com quem está nadando têm. Pergunte se os menos experientes têm boias ou outros acessórios e descubra se alguém tem problemas neurológicos, como epilepsia — algo muito perigoso para banhistas, que aumenta bastante o risco de afogamento.
  6. Evite consumir álcool. Veja se todos estão sóbrios, pois substâncias alcoólicas aumentam bastante o risco de afogamento. Se quiser beber perto de um corpo d'água, tome os cuidados necessários para sua segurança: vista um colete salva-vidas e use outros acessórios, como boias.
  7. Investigue os fatores de risco relacionados ao ambiente em que está nadando. Nunca mergulhe em corpos d'água desconhecidos. A refração dos raios de luz que invadem o local pode distorcer a aparência ou a localização de pedras ou de áreas mais rasas, o que pode ser perigoso. Sempre descubra o possível sobre o lugar e lembre-se de que cachoeiras, correntes fortes e até temperaturas muito baixas podem ser perigosas (mesmo para nadadores experientes).

Aprendendo a patinhar (boiar)

  1. Mantenha pés e mãos na água. Assim, você vai deslocar mais água e boiar com mais facilidade. Não os erga demais e nem fique agitado.
  2. Forme um "C" com as mãos e mexa-as pela água para se impulsionar em direção à superfície. Dessa forma, seus movimentos vão ficar mais fortes. Além disso, leve os membros para baixo para impulsionar os ombros e a cabeça para cima.
  3. Faça um movimento de tesoura com as pernas, mantendo o ritmo normal. Isso vai impulsionar a água abaixo do seu corpo, mantendo-o na superfície. Quanto mais próximas suas pernas ficarem, maior vai ser o deslocamento do líquido — mas não deixe que elas colidam uma com a outra. Imagine-se andando na superfície, por exemplo. Por fim, dê chutes para não fadigar os braços.
    • O ideal é usar as mãos e os braços juntos, mas isso exige mais coordenação e prática. Passe de uns para os outros até se acostumar e dê chutes e impulsos alternados com os braços para boiar por mais tempo.
  4. Inspire com calma. Se encher os pulmões de ar, você vai ficar mais leve e boiar com mais facilidade. Sentir que vai se afogar é uma experiência horrível, e pode fazer sua respiração acelerar ou até forçar você a prender o ar. Evite isso e tente não entrar em pânico. Desde que saiba o que não fazer, você vai conseguir sair da água.
  5. Continue assim até a ajuda chegar. Mostre às pessoas que está com problemas, mas mantenha a calma até alguém se aproximar.

Mantendo a piscina de casa segura

  1. Instale um cercado em volta da piscina. Essa barreira pode afastar crianças, que ficam mais expostas quando têm piscina em casa.
  2. Tire todos os brinquedos da área da piscina. Afaste todo e qualquer objeto perigoso, que deixe a criança tentada a entrar na água sem supervisão.
  3. Aprenda a nadar. No Brasil, qualquer academia ou clube oferece aulas de natação a preços razoáveis. Isso pode ser essencial para proteger as pessoas antes de viagens à praia ou quando quiserem construir piscinas em casa.
  4. Dê acessórios de natação a nadadores sem experiência ou força. É muito melhor prevenir acidentes que remediar. Se tiver filhos pequenos ou receber visitas frequentes de crianças em casa, por exemplo, você pode distribuir os equipamentos de segurança adequados para todos que queiram entrar na piscina.
  5. Cubra todos os ralos da piscina. Caso contrário, eles podem até sugar e afogar nadadores despreparados.

Cuidando da segurança em corpos d'água naturais

  1. Conheça bem o ambiente à sua volta. Embora divertido, nadar em corpos d'água naturais é arriscado. Entenda bem os riscos da área onde se encontra.
  2. Sempre que possível, nade somente na presença de salva-vidas. Eles são profissionais e sabem detectar situações de perigo e dar assistência a vítimas de afogamento.
  3. Fique atento às ondas e correntes de retorno. Se for nadar no mar, deve estar ainda mais preparado. Correntes de retorno acontecem quando o banco de areia do oceano cede e a água fica forte e violenta. Se acontecer perto de você, nade paralelamente à costa até se afastar desse fenômeno. Depois, aproxime-se na praia em trajetória diagonal.
  4. Entre em rios, lagos e cachoeiras com os pés. Assim, vai evitar lesões na cabeça devido a pedras ou outros riscos aquáticos. Além disso, verifique a temperatura antes de entrar. Há corpos d'água que ficam frios até em dias quentes, chegando a causar hipotermia.
  5. Nunca nade contra correntes fortes. Quando se movimenta, a água tem uma força enorme, capaz de subjugar até os nadadores mais fortes e experientes. Se um rio estiver com atividades intensas, tenha muito cuidado antes de entrar, pois pode ser arriscado.
    • Se acabar em meio a uma corrente forte, flutue de costas, com os pés na direção do fluxo e a cabeça para cima. Assim, suas pernas vão absorver o impacto de possíveis obstáculos. Quando a corrente ficar mais amena, nade em trajetória diagonal até chegar à beira da terra.

Avisos

  • Se entrar em pânico, você só vai piorar a situação e se afogar com mais facilidade. As pessoas têm reações estranhas à água.
  • Evite chutar ou golpear a água com violência, pois vai acabar se afogando mais rápido.
  • Se a vítima do afogamento tiver engolido água, leve-a imediatamente ao hospital mais próximo.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.