Como Cuidar de uma Traqueostomia

A traqueostomia consiste na abertura (através de uma incisão cirúrgica) frontal do pescoço até atingir a traqueia. Um tubo plástico é então inserido pela incisão para manter as vias aéreas abertas e possibilitar a respiração normal. O procedimento costuma ser feito em casos de emergência devido ao bloqueio da garganta por conta de reações alérgicas ou tumores. Traqueostomias podem ser temporárias ou permanentes. Cuidar de uma traqueostomia permanente exige muito conhecimento e atenção, especialmente dos pacientes e de seus cuidadores, depois que vão do hospital para casa. É importante que você receba o treinamento detalhado de um profissional de saúde antes de tentar cuidar de uma traqueostomia.

Aspirando o tubo

  1. Ajunte os materiais. Aspirar o tubo de traqueostomia é importante porque ajuda a manter a via livre de secreções (muco), possibilitando ao paciente respirar melhor e diminuindo os riscos de infecção pulmonar. A falta da aspiração adequada é uma grande causa de infecções em pessoas que recebem esse tubo. Os materiais necessários incluem:
    • Máquina de sucção.
    • Cateteres (tubos) para a sucção (tamanhos 14 e 16 são usados para adultos).
    • Luvas de látex estéreis.
    • Solução salina normal.
    • Solução salina para lavagem já preparada ou uma seringa de 5 mililitros.
    • Tigela limpa e cheia de água da torneira.
  2. Lave as mãos profundamente. Cuidadores (no hospital ou em casa) devem lavar as mãos antes e depois da atenção à traqueostomia. Basicamente, isso evita que o paciente seja contagiado por uma infecção bacteriana através do orifício no pescoço. Lave as mãos com água morna e sabão por pelo menos 20 segundos e não se esqueça de esfregar bem os espaços entre os dedos e debaixo das unhas.
    • Seque as mãos com papel-toalha ou um pano.
    • Feche a torneira com o papel-toalha ou pano a fim de ter uma barreira que impeça as mãos de se contaminarem novamente.
    • Como alternativa, você pode cobrir as mãos com uma solução sanitária à base de álcool e deixá-las secar ao ar.
  3. Prepare e teste o cateter. O pacote da máquina de sucção deve ser aberto com cuidado e você deve estar atento para não tocar a ponta do cateter. No entanto, a abertura de controle presente em sua extremidade pode ser tocada, não sendo necessário preocupar-se caso isso ocorra. Geralmente, o cateter está anexado ao tubo traqueal conectado à máquina de sucção.
    • Ligue a máquina de sucção e teste-a conectando a ponta do cateter e observando se a aspiração funciona. Coloque o polegar sobre a abertura do cateter e solte-o, para testar seu funcionamento.
    • Um tubo traqueal pode ter uma ou duas aberturas e estar obstruído, desobstruído, fenestrado (possibilitando a fala) ou defenestrado.
  4. Prepare o paciente e administre a solução salina. É importante que os ombros e a cabeça estejam levemente elevados. Ele deve estar confortável durante todo o procedimento. Peça à pessoa que respire profundamente três a quatro vezes para se acalmar. Uma vez que o paciente esteja situado, administre 3 a 5 mililitros de solução salina dentro do tubo traqueal. Isso ajudará a estimular a expulsão de muco e acrescentará umidade às membranas mucosas. A solução salina deve ser usada regularmente durante a aspiração, para evitar a formação de placas mucosas espessas na traqueia, que podem bloquear a passagem de ar.
    • A quantidade de vezes em que a solução salina deve ser administrada varia de pessoa para pessoa, dependendo da espessura ou quantidade de muco produzido pela traqueia.
    • Os cuidadores devem observar a cor, o odor e a densidade das secreções mucosas, caso haja alguma infecção — o muco adquire uma tonalidade verde acinzentada e passa a cheirar mal.
  5. Insira o cateter e aplique a sucção. Gentilmente, guie o cateter para dentro do tubo traqueal até que o paciente comece a tossir ou até que ele não possa ir além. Essa distância deve estar entre 10 e 13 centímetros para dentro do tubo de traqueostomia, na maioria dos casos. A curva natural do cateter deve seguir a curva do tubo traqueal. Pense nele como um aspirador destinado a limpar o tubo da traqueia. O cateter deve ser levemente puxado antes da aspiração, a fim de dar mais conforto para o paciente.
    • Aplique a sucção cobrindo a abertura de controle e retirando o cateter de forma lenta e com movimentos circulares. A aspiração não deve ser aplicada por mais de 10 segundos, tempo no qual o cateter deve estar rodando e sendo puxado de forma consistente. Lembre-se de que a sucção vai sempre para fora.
    • Tubos de traqueostomia vêm em diversos tamanhos e materiais, como plástico semi-flexível, plástico rígido e metal. Alguns tubos são descartáveis e outros, reutilizáveis.
  6. Deixe que o paciente respire. Peça a ele que respire lenta e profundamente três a quatro vezes entre as sessões de aspiração, já que a máquina, durante seu funcionamento, possibilita apenas que uma quantidade mínima de ar chegue até os pulmões. O paciente deve receber oxigênio depois de cada sucção ou, dependendo de sua condição física, ter tempo para respirar.
    • Com o cateter removido, lave-o com água da torneira para eliminar acúmulos de secreções espessas e, a seguir, enxágue-o com peróxido de hidrogênio.
    • Repita o processo conforme a necessidade, se o paciente estiver produzindo mais secreção do que é possível sugar do tubo traqueal.
    • O processo de sucção deve ser repetido até que as vias aéreas estejam livres de muco e secreções.
    • Depois da aspiração, os níveis de oxigênio voltam à taxa existente antes do procedimento.

Limpando o tubo traqueal

  1. Ajunte os materiais. É importante manter os tubos traqueais limpos e livres de muco ou resíduos externos e, por isso, aconselha-se limpá-los pelo menos duas vezes ao dia — idealmente, uma vez pela manhã e outra, no fim da tarde. Ainda assim, quanto mais frequentes as limpezas, melhor. Você precisará de:
    • Solução salina estéril.
    • Peróxido de hidrogênio meio-diluído (½ porção de água misturada com ½ porção de peróxido de hidrogênio).
    • Tigelas pequenas limpas.
    • Pincéis pequenos e com cerdas finas.
  2. Lave as mãos. É essencial lavar as mãos e remover todos os germes e resíduos nelas presentes. Isso ajudará a evitar infecções resultantes da falta de higiene.
    • O procedimento adequado para se lavar as mãos está descrito acima. O mais importante a se lembrar é usar um sabonete suave, ensaboar bem, enxaguar e secar com uma toalha limpa e seca.
  3. Mergulhe o tubo traqueal. Em uma tigela, coloque a solução meio-diluída de peróxido de hidrogênio e, em outra, a solução salina estéril. Remova o tubo traqueal interno com cuidado, mantendo o protetor de pescoço imóvel, algo que você deve aprender com médicos ou enfermeiros no hospital.
    • Coloque o tubo traqueal na tigela com a solução de peróxido de hidrogênio e deixe-o completamente imergido até que partículas e resíduos tenham sido amolecidos, dissolvidos e removidos.
    • Alguns tubos traqueais são descartáveis e não precisam de limpeza, caso você tenha refis para substituir os itens usados.
  4. Limpe o tubo traqueal. Cuidadosamente, com um pincel de cerdas finas, limpe o interior e o exterior do tubo traqueal até que esteja inteiramente livre de muco e outros resíduos. Tome o cuidado de não fazê-lo com peso e evite usar pincéis duros ou ásperos para a limpeza, o que pode danificar o tubo. Depois de terminar, coloque-o em água salina por pelo menos cinco a 10 minutos, imergindo-o até que fique completamente estéril.
    • Se você não tem mais água salina, mergulhar o tubo em vinagre branco diluído com um pouco de água também pode funcionar.
    • Se você estiver usando tubos traqueais plásticos descartáveis, pule esse passo e jogue fora o tubo usado.
  5. Coloque o tubo de volta na abertura da traqueostomia. Depois de ter em mãos um tubo traqueal novo, limpo e esterilizado, insira-o cuidadosamente de volta na abertura, mantendo o suporte de pescoço imóvel. Gire o tubo interno até firmá-lo na posição adequada. Você pode puxar o tubo gentilmente para frente, garantindo-se de que o tubo interno esteja firme no lugar.
    • Isso finaliza com sucesso o procedimento de limpeza. Fazê-lo pelo menos duas vezes por dia pode evitar infecções, obstruções e outras complicações.

Limpando a abertura

  1. Avalie o orifício. A abertura, ou orifício, é o espaço onde os tubos serão inseridos para que o paciente consiga respirar. Ela deve ser avaliada depois de cada aspiração em busca de danos à pele e sinais infecciosos. Se houver a presença de quaisquer sintomas de infecção (ou qualquer observação questionável), consulte um médico imediatamente.
    • Sintomas de uma infecção podem incluir: vermelhidão e inchaço, dor e secreção de um pus com odor desagradável.
    • Se o orifício estiver infeccionado e inflamado, será mais difícil inserir os tubos traqueais.
    • Um orifício pálido ou azulado pode indicar problemas com o fluxo sanguíneo para o tecido, em cujo caso você deve contatar um médico imediatamente.
  2. Limpe o orifício com um antisséptico. Sempre que você remove um tubo traqueal, limpe e desinfecte o orifício. Use uma solução antisséptica, como iodopovidona ou algo similar. Ele deve ser limpo com movimentos circulares (com uma gaze estéril), começando a partir da posição de 12 horas e descendo até a posição de três horas. A seguir, use uma nova gaze encharcada de antisséptico e gire até a posição das nove horas.
    • Para limpar a metade inferior do orifício, passe uma nova gaze a partir da posição das três horas até a das seis horas. A seguir, limpe novamente desde a posição das nove horas e mova até a das seis horas.
  3. Troque os curativos regularmente. Os curativos ao redor da traqueostomia devem ser trocados pelo menos duas vezes ao dia. Isso ajuda a evitar infecções no local do orifício e dentro do sistema respiratório (pulmões). A troca também ajuda a promover a integridade da pele. O novo curativo ajudará a isolar a pele e absorverá as secreções que podem vazar pelo orifício.
    • O curativo, quando úmido, deve ser trocado imediatamente. Isso resulta na proliferação de bactérias e pode trazer complicações à saúde.
    • Não se esqueça de trocar as faixas que mantêm o tubo traqueal no lugar, caso fiquem sujas ou molhadas. É importante que ele permaneça imóvel durante a troca.

Dominando o cuidado diário

  1. Cubra o tubo ao sair. A razão pela qual médicos e profissionais da saúde insistem tanto em cobrir o tubo traqueal é para impedir que partículas estranhas e outros resíduos entrem no orifício descoberto e penetrem nas vias aéreas. Essas partículas estranhas podem incluir pó, areia e outros poluentes gerais na atmosfera. Isso pode provocar irritação e até mesmo infecções, que devem ser evitadas a todo custo.
    • A entrada de resíduos pelo tubo causa a produção excessiva de muco nas vias aéreas, podendo obstruí-las e provocar dificuldades de respiração, além de infecções.
    • Se você passa muito tempo fora, lembre-se de limpar o tubo traqueal com maior frequência, especialmente em dias com muito vento ou elevação de poeira.
  2. Evite nadar. Nadar pode ser muito perigoso para qualquer paciente de traqueostomia. Durante o nado, o orifício não está completamente à prova de água, bem como a tampa do tubo. Como resultado, a é provável que haja uma entrada direta de água no tubo ou orifício da traqueostomia, podendo resultar em um problema chamado de "pneumonia por aspiração" — a presença de água nos pulmões capaz de provocar engasgos.
    • A pneumonia por aspiração, mesmo com pequenas quantidades de água, pode levar à morte por engasgamento.
    • A entrada de pequenas quantidades de água nos pulmões também pode aumentar o risco de infecções bacterianas.
    • Cubra o tubo e seja cauteloso mesmo ao tomar banho de chuveiro ou banheira.
  3. Mantenha úmido o ar inspirado. Quando as pessoas inspiram pelo nariz (e seios nasais), o ar tende a reter mais umidade, o que é melhor para os pulmões. No entanto, pessoas com um tubo de traqueostomia não mais dispõem dessa capacidade, de modo que o ar inspirado tem a mesma umidade que o ambiente externo. Em climas áridos, isso pode causar problemas, sendo importante manter o ar inspirado o mais úmido possível.
    • Coloque um pano úmido sobre o tubo traqueal e mantenha-o sempre molhado.
    • Use um umidificador para ajudar a manter o ar úmido durante tempos áridos na casa.

Dicas

  • Cuide para que o tubo traqueal esteja livre de placas de muco e tenha um substituto sempre à mão.
  • Sempre limpe o muco com um pano ou lenço depois da tosse.
  • Consulte um médico imediatamente se houver qualquer sangramento do orifício ou se você apresentar falta de ar, tosses incontroláveis, dores peitorais ou febre.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.