Como se Defender

Defender a si mesmo pode ser desafiador, se você deixa que os outros ajam como bem entenderem ou, ainda, se você gosta de agradar as pessoas. Quando você se reprime para adequar-se às medidas impostas pelos outros, é muito fácil se ver desgastado e oprimido. Para garantir que outras pessoas lhe respeitem e impedir que elas tentem lhe conduzir ou manipular, é importante aprender a defender o seu modo de pensar. Desaprender-se dos velhos hábitos de reprimir a si mesmo e de defender quem você é não é algo que acontece da noite para o dia, mas essa jornada de desenvolvimento pessoal começa sempre com o primeiro passo.

Acreditando em você mesmo

  1. Tenha autoconfiança. O primeiro passo para defender-se é desenvolver a sua autoconfiança. Se você não tem fé ou confiança em si mesmo, como espera que outros façam isso por você?
    • É fácil para os outros observar quando alguém está com pouca sorte e autoconfiança — o que faz dessa pessoa um alvo fácil. Se você é alguém confiante, todos estarão menos propensos a lhe incomodar ou, ainda, a lhe identificar como uma pessoa frágil.
    • A autoconfiança é algo que deve partir de seu interior. Por isso, faça o que for preciso para que você pense em si mesmo com mais otimismo. Aprenda uma nova habilidade, perca peso, repita afirmações positivas todos os dias — nada mudará de um dia para outro, mas, com tempo, a sua autoconfiança se desenvolverá mais e mais.
  2. Defina objetivos pessoais. Ter objetivos é algo que lhe dá propósito e controle sobre o próprio destino, podendo ainda lhe ajudar a descobrir o seu verdadeiro desejo interior. Essa é uma parte crucial da atitude de defender a si mesmo que evitará que a sua vida seja colocada em segundo plano.
    • Motive-se definindo um objetivo ambicioso (mas acessível) para ser alcançado nas próximas semanas, meses ou anos de sua vida. Esse objetivo pode ser representado pelo que você desejar — conseguir uma promoção no trabalho, uma nota máxima no próximo projeto acadêmico ou, ainda, correr uma meia-maratona —, desde que se trate de algo que lhe agregará um maior valor pessoal.
    • Quando você finalmente atingir os objetivos definidos, lembre-se de fazer uma pausa e de olhar para trás, alegrando-se ao ver o quanto você caminhou. Faça um compromisso consigo mesmo, determinando não se permitir jamais retornar à insatisfação na qual você se encontrava no passado.
  3. Tenha a atitude adequada. Atitude é tudo — ela influencia a percepção que outros têm de você e até mesmo a sua própria. A sua atitude transforma o tom de sua voz e a qualidade de seus pensamentos, além de se refletir claramente em suas expressões faciais e na linguagem corporal.
    • Lembre-se de que atitudes são contagiosas. Se você estiver muito alegre, feliz e satisfeito com a sua situação atual, passará a encorajar aqueles ao seu redor, incentivando-as a se sentirem bem com relação a si mesmos e com respeito ao mundo que os rodeia. Se você se sente deprimido, pessimista e tristonho com respeito a tudo, você contagiará outras pessoas, fazendo com que demonstrem essa mesma negatividade.
    • Naturalmente, nós preferimos estar com as pessoas que nos fazem sentir-nos bem com relação a quem somos, e estamos mais propensos a escutá-las e a reagir positivamente àqueles que têm uma boa atitude perante a vida.
    • De modo similar, nós ignoramos mais facilmente uma pessoa que tenta sempre bancar a vítima ou a oprimida. Tome a decisão de ter e demonstrar uma atitude positiva, e você já terá andado metade do caminho.
  4. Pare de se ver como uma vítima. Quando você se vitimiza, acaba caminhando na direção contrária à atitude de defender a si mesmo. Isso ocorre porque você se distancia de qualquer responsabilidade na situação presente, ao colocar a culpa de seus problemas sobre outra pessoa.
    • Para muitos, a incapacidade de defender-se e de acreditar em si mesmo está enraizada em um profundo medo de ser rejeitado ou ridicularizado, por conta de experiências negativas parecidas que tenham acontecido no passado. Ao decidir-se por conduzir essas experiências para o lado pessoal e trazê-las para dentro de sua própria “concha”, você não conseguirá mais defender a si mesmo e passará a bancar a vítima da situação.
    • Se você vivenciou algo negativo no passado, o melhor a se fazer é tentar conversar acerca dessas experiências com alguém de sua confiança. Isso lhe ajudará a descobrir a causa que está por trás dessa mentalidade vitimizadora e lhe permitirá trabalhar para transformá-la, em vez de ocultar-se e de usá-la como máscara.
  5. Sinta-se bem com relação à sua aparência. Embora você não precise parecer uma celebridade, a sua aparência é importante — estar em forma, forte e saudável lhe dará mais confiança, ajudando-lhe a defender quem você é.
    • Pense em uma atividade que lhe dê prazer — seja ela treinamento de resistência, corrida, dança ou escalada — e pratique-a com afinco. Não somente você terá uma melhor aparência e condição física como também se divertirá e se tornará uma pessoa mais interessante e plena.
    • Considere também praticar artes marciais ou aulas de defesa pessoal. A disciplina interna que é ensinada nessas modalidades lhe ajudará a aumentar a sua autoconfiança, e os movimentos de defesa pessoal que você aprenderá a intensificarão ainda mais, permitindo a você defender-se, caso uma luta física seja inevitável.

Aprendendo a ser assertivo

  1. Seja assertivo. A assertividade é um ponto-chave na defesa pessoal. Ela não é um mero cliché, e sim um meio legítimo de aumentar as chances de você conseguir o que quer e de ser ouvido prontamente.
    • Ser assertivo lhe permite expressar desejos, necessidades e preferências de modo a lhe mostrar como alguém preparado para se defender por conta própria, sempre com respeito às outras pessoas. A assertividade consiste em ter abertura e honestidade com respeito aos seus próprios pensamentos e sentimentos, na busca por sempre trabalhar rumo a uma solução que seja satisfatória a ambas as partes.
    • Ao afirmar sentimentos e opiniões, recomenda-se usar afirmações com “eu” no lugar de “você”. Esse é um modo menos acusatório capaz de evitar que a outra pessoa se coloque em uma posição defensiva. Por exemplo, em vez de dizer “você nunca pede a minha opinião”, faça uma afirmação do tipo “eu me sinto ignorado quando você toma decisões sem me consultar”.
    • A assertividade é, de fato, uma habilidade aprendida. Por isso, não se sinta mal se ela não surgir naturalmente. Você pode ler os artigos Como Ser Assertivo e Como se Comunicar de Maneira Assertiva para obter mais informações.
  2. Aprenda a dizer não. Aprender a dizer não é uma das mais difíceis e mais importantes formas de afirmação pessoal. Se você tende a ser uma pessoa que diz “sim” para não entristecer a ninguém, você corre o risco de se tornar um capacho, ignorado por todos e do qual outros tirarão vantagem.
    • Por exemplo, se o seu chefe continua pedindo para que você trabalhe até tarde, e o seu colega de trabalho sempre faz horas extras sem qualquer problema, pode ser difícil dizer não. No entanto, se essa carga horária adicional estiver pressionando a sua vida pessoal e os seus relacionamentos, é importante ser mais assertivo. Não coloque as necessidades dos outros acima de suas próprias — aprenda a dizer não quando for necessário.
    • Aprender a dizer não lhe ajudará a se defender entre amigos ou entre pessoas intimidadoras. Pense naquele amigo que sempre lhe pede dinheiro emprestado, mas jamais paga o que deve; defender a sua posição lhe permitirá pedir a devolução desse dinheiro e a dizer não da próxima vez, sem causar nenhum dano à amizade entre ambos.
    • Muitas pessoas se sentem hesitantes, no começo, mas o tempo as ensinará a aceitar essa determinação recém-descoberta, podendo até mesmo fazer com que a respeitem.
  3. Use a linguagem corporal ao seu favor. A sua postura ao manter-se em pé, caminhar ou assentar-se passa uma poderosa impressão mental para as pessoas ao redor. A linguagem corporal positiva pode ser usada para se conquistar respeito, concordância e confiança — já a negativa (acorcundar-se ou agir de modo hesitante) incentivará os outros a sentir desprezo e a distanciar-se.
    • Usar a linguagem corporal aberta mostra às pessoas que você é alguém confiante e seguro de si, com quem não devem se meter. A boa linguagem corporal consiste em inclinar-se para a frente, fazer contato visual, manter-se em pé com ambas as mãos nos quadris e os pés separados, utilizar gestos lentos e deliberados, direcionar o coração para as pessoas, ao conhecê-las, e descruzar os braços e as pernas.
    • A linguagem corporal fechada, por outro lado, envia sinais negativos e abaixa a sua guarda, deixando-lhe propenso a possíveis ataques. Desse modo, evite cruzar os braços, fechar os punhos, usar gestos rápidos e evasivos, agitar-se, evitar o contato visual e girar o corpo para os lados durante o contato.
  4. Pratique defender a si mesmo. Para muitas pessoas tímidas, afirmar-se não é algo que acontece naturalmente — mas não se preocupe. Tudo o que você precisa fazer é praticar — e, em breve, você se tornará mais confiante e assertivo, fazendo com que todos ouçam a sua voz.
    • Às vezes, você pode não conseguir defender a si mesmo, pelo mero fato de não conseguir articular o que quer dizer, no momento adequado. Invista tempo em escrever boas respostas a situações difíceis e pratique-as com amigos, usando um cronômetro.
    • Peça ao seu amigo que finja ser uma pessoa difícil ou intimidadora, enchendo-lhe de cobranças, cortes e palavras negativas. Ative o cronômetro regressivo a partir de 2 minutos e comece a responder! Continue a praticar até se acostumar a esse tipo de situação.
    • Você pode também praticar a sós, no dia a dia. Por exemplo, em vez de aceitar que o barista se engane quanto ao seu pedido e traga o café errado, aprenda a dizer “me desculpe, mas eu fiz um pedido com leite desnatado — você poderia, por favor, me preparar outro?” Em breve, você terá confiança suficiente para lidar com problemas ainda maiores e mais importantes!
  5. Fique longe das pessoas negativas. Outro aspecto de defender a si mesmo é confiar em seus instintos com relação a outras pessoas, e aprender a agir com base neles. Por exemplo:
    • Se outra pessoa lhe faz mal por causa de sua negatividade, não aceite essa situação; comece a distanciar-se de modo educado, mas firme. Você não precisa dar qualquer explicação por estar passando menos tempo na companhia de pessoas difíceis.
    • Evite a companhia de bullies e de pessoas negativas ou sarcásticas. Você não ganha nada com essa companhia e não estará fazendo qualquer favor a elas, ao suportar os absurdos que dizem e fazem e recompensando-as por esse mau comportamento.
    • Lembre-se — manter-se distante de pessoas que lhe causam problemas e desconforto não é o mesmo que fugir. Fazê-lo é um importante aprendizado na defesa pessoal, pois mostra aos outros que você não permitirá que a sua vida seja impactada pelo que é errado e injusto.

Resolvendo conflitos

  1. Defenda a si mesmo com calma e racionalidade. Ao ser atacado, provocado ou acuado, defenda-se verbalmente e lide com a situação, se alguém tentar lhe dominar, diminuir ou até ferir fisicamente.
    • Não fique parado e em silêncio — fale o que você pensa! Mesmo que o resultado final não mude, você terá provado para si e para outros que não tolerará qualquer desrespeito.
    • Frequentemente, um esclarecimento polido — mas firme — do comentário ou comportamento desrespeitoso será o suficiente para mostrar a necessidade de uma mudança, em especial quando houver uma plateia presente. Por exemplo: “Com licença, mas eu era o próximo, e certamente estou com tanta pressa quanto a pessoa que cortou a fila.
    • Evite sussurrar, balbuciar ou falar muito rapidamente. O tom de sua voz e a velocidade do discurso são essenciais para esclarecer o que você deseja e demonstrar quão confiante você se sente.
    • Naturalmente, a sua forma de defesa dependerá da situação. Ao lidar com alguém imprevisível, coloque sempre a própria segurança em primeiro lugar.
  2. Não seja agressivo. Você não deve jamais apelar para a agressão física ao defender-se. A agressividade e a violência não são atitudes produtivas, e dificultarão bastante a criação de novas amizades.
    • Agir com agressividade — verbal ou não — é como encenar toda a sua dor interna ao vivo e a cores. Essa atitude não é uma forma construtiva de conseguir o que você quer e distanciará as pessoas de você.
    • Você terá muito maior facilidade em ter resultados positivo se abordar os problemas com tanta calma e objetividade quanto for possível. Você ainda pode se manter firme e assertivo sem a necessidade de levantar a voz ou se irritar.
  3. Evite a passivo-agressividade. Tome sempre muito cuidado para não tomar atitudes passivo-agressivas direcionadas a pessoas e situações.
    • Reações passivo-agressivas são aquelas nas quais você realiza algo contra a sua vontade, enchendo-se de ressentimento e raiva e odiando as pessoas “culpadas” por você se sentir assim. Isso lhe deixará com uma sensação deprimida e desamparada.
    • Essa atitude afeta os seus relacionamentos de modo bastante negativo, podendo representar um imenso fardo sobre a sua saúde física e emocional. Além disso, ter uma abordagem passivo-agressiva perante a vida jamais permitirá que você defenda a si mesmo verdadeiramente.
  4. Tente transformar o negativo em positivo. Outra forma de defender a si mesmo é tomar o negativo que foi lançado sobre você e transformá-lo em algo bom. Enquanto você transforma os ataques recebidos, de dentro para fora, tentando encontrar algo bom, será possível descobrir que sentimentos de ciúme ou insegurança são geralmente a raiz do ataque inicial. Por exemplo:
    • Se alguém afirma que você é uma pessoa mandona, em vez de permiitr que essa asserção lhe reprima ainda mais, tome-a como evidência de que você é, na verdade, um líder nato capaz de gerir pessoas e projetos adequadamente, além de ser um proativo agente de transformação.
    • Se alguém afirma que você é tímido, tome isso como um elogio, entendendo que você não é uma pessoa instintiva, que salta apressadamente no último vagão, mas que primeiramente reflete sobre as consequências de seus próprios atos e, apenas então, decide o que fazer.
    • Se alguém diz que você é muito sensível ou emotivo, tome essa afirmação como um sinal de que você possui um grande coração e que não tem medo de mostrá-lo ao mundo.
    • Ou, talvez, alguém tenha sugerido que você não é suficientemente focado em uma carreira — para você, isso é prova de que você vive uma vida livre de estresse que lhe trará muitos anos de longevidade e paz.
  5. Não desista. Não importa o quanto você tenha se esforçado para aumentar a sua autoconfiança — há dias nos quais você não se sentirá tão bem.
    • Em vez de ver essa situação como uma derrota, enquanto você aprende a defender-se, veja-a como o que realmente é — um ou dois dias nos quais as coisas não saíram como esperado, antes de você se sentir bem novamente e retornar para o caminho certo. Alguns truques que podem ser de grande ajuda nesse processo de retorno incluem:
      • Finja até se tornar verdade. Mesmo que você não se sinta confiante, aja como se esse fosse o caso.
      • Seja consistente em sua abordagem. Agora, as pessoas esperam que você seja alguém capaz de defender a si mesmo.
      • É provável que algumas pessoas venham a considerar essa atitude assertiva como algo desafiador. Pode levar tempo para reformular todos os padrões que você desenvolveu com pessoas que se aproveitavam de você. Em alguns casos, você se afastará e as distanciará de sua vida — aja de acordo com o momento.

Dicas

  • Evite gritar ou falar alto com as pessoas; essa atitude dá a pessoas intimidadoras uma razão para rir ou piorar a situação, além de ser uma clara demonstração de que você perdeu o controle. Até mesmo uma pessoa assustada desprezará essa atitude.
  • Não permita que o seu passado enfraqueça a sua autoconfiança — você precisará dele para defender a si mesmo.
  • Lembre-se de pensar antes sobre o que você irá dizer ou fazer.
  • Seja corajoso e não ouça o que os outros dizem.
  • Não se exceda. Afirmar-se, aparentando ser alguém forte, é uma coisa, mas se ridicularizar enquanto você o faz é outra bem diferente.
  • Não pense que você é menor do que outras pessoas — pense em si mesmo como um igual. Diga o que você considera bom e receptivo aos outros e, se você falar com clareza e objetividade, as suas palavras serão aceitas.
  • Use uma voz confiante, forte e equilibrada, e converse com autoridade e confiança. Isso lhe ajudará a expor os próprios pensamentos e ideias.
  • Ame a si mesmo tanto quanto possível. Não se envergonhe por sentir medo — saiba que, passo a passo, você está se tornando alguém mais valente.
  • Sorria. Se você não está assustado ou intimidado, você sorri, e isso mostra às pessoas algo a seu respeito — que você não está com medo.
  • Confie em amigos e pessoas próximas, quando você sentir que não pode caminhar sozinho — defender a si mesmo não precisa ser uma jornada solitária.
  • Se você estiver em dúvida, enquanto defende a si mesmo, guarde esse sentimento para mais tarde. Enquanto você estiver praticando o truque da defesa pessoal na frente de outras pessoas, a dúvida lhe fará cair. Depois da defesa, haverá bastante tempo para reflexão.
  • A vontade para mudar a percepção que outros têm de você e o modo como você interage com eles é essencial. Se você se sente cansado de ser um capacho submisso, intimidado e empurrado, isso significa que está pronto para começar.
  • Tente recuperar os danos causados pelas dificuldades da vida. A realidade é que todos experimentamos um pouco das vicissitudes do mundo, mas é o modo como reagimos a elas o que muda toda a situação. Tomar atitude pode ser algo tão simples como, por exemplo, parar de considerar o que é negativo como algo pessoal, mas, para a maioria das pessoas, é preciso trabalhar sobre os padrões de pensamento negativo e aprender como reformá-los.
  • Reconheça que alguns termos, como “alguém que não se afirma ”, “capacho ”, “passivo-agressivo ”, “empata ”, “controlador ” e outros são meros códigos que se referem a pessoas dependentes. Se eles se aplicam a você, busque formas de se libertar, como, por exemplo, uma pesquisa aprofundada com relação ao tema ou, ainda, outros recursos que aliviem esse problema abrangente.
  • Perdoe às pessoas que estão próximas, pelo mal que lhe fizeram. É mais fácil querer contar os seus problemas para alguém e pedir por conselhos se não houver nada entre ambas as partes.

Avisos

  • Evite dizer coisas como “eu preciso me defender ”. Isso mostra às outras pessoas que você está em treinamento e que não é alguém plenamente confiante. Não dê a elas essa vantagem — em vez disso, deixe-as assumir que você já é uma pessoa confiante o suficiente para afirmar a própria posição.
  • Não tente se adequar a pessoas que querem lhe mudar. Encontre amigos que lhe aceitem por quem você é, e assegure-se de que sejam bons amigos.
  • Não se preocupe com pessoas que se sentem confrontadas por sua personalidade assertiva; você pode sempre sugerir coisas que podem ajudá-las, mas não precisa explicar a si mesmo, pedir desculpas ou manter-se preso a elas. Essa é sua vida; continue defendendo a si mesmo!
  • Ocasionalmente, outras pessoas que precisam aprender a defender a si mesmas serão adversários problemáticos. Você sentirá instintivamente suas dores e fraquezas, já que elas refletem suas próprias experiências — mas essa não é uma razão para abaixar a guarda e permitir que elas lhe firam ou desrespeitem. Ajude-lhes a ver além de seus próprios comportamentos de insegurança do passado, se possível, mas não se una à espiral de miséria na qual elas se encontram.
  • O presente artigo é um guia, e não um manual. Esse manual deve residir em seu próprio coração, construído sobre as suas próprias experiências e preferências pessoais. Tome dele o que você precisar, descartando tudo que não se aplica a você.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.