Como Lidar Com Pessoas Homofóbicas

Não importa se faz parte da comunidade LGBT ou se é apenas um simpatizante, é bem provável que você tenha cruzado com homofóbicos por aí. A homofobia se manifesta em um espectro: algumas pessoas apenas sentem desconforto com relação à ideia da homossexualidade, enquanto outras são movidas pela intolerância e praticam atos de abuso verbal e físico. Amigos e familiares — pessoas que ama — também podem ser homofóbicos, pois a homofobia não se restringe aos estranhos. Independentemente da situação, utilize algumas das estratégias abaixo para se defender e preservar sua dignidade.

Mantendo a calma e seguindo em frente

  1. Mantenha a cabeça erguida. Não dê forças à intolerância e nem deixe que palavras nocivas o prejudiquem. Mantenha-se equilibrado e livre da raiva, do medo e do ódio. Nem sempre é possível mudar o que os outros pensam de você, mas é possível controlar o modo com o qual reage.
    • Deixe que a retórica homofóbica derrote a si própria. Se a pessoa perceber que você mantém a calma mesmo ao ser atacado, todos perceberão quem está errado na conversa.
  2. Aceite-se. É preciso reconhecer que é assim e que não é possível se livrar da homossexualidade. Se você é um ser humano que ama e sente atração sexual por pessoas do mesmo gênero ou é uma pessoa que se identifica com outro gênero que não aquele que lhe foi designado no nascimento, saiba que não há nada de errado com isso. Amor é amor e você é digno dele! Ame-se e repita para si mesmo que está tudo bem em ser você mesmo, mesmo quando não acreditar nisso.
    • Quando sentir-se sobrecarregado e para baixo, pare e relaxe um pouco. Vá a um banheiro, olhe-se no espelho e repita: "Eu tenho valor. Meu nome é ______ e eu sou ____ (orientação sexual, gênero ou o que estiver em questão)____". A reafirmação ajuda, mesmo quando vem de si próprio.
  3. Evite os confrontos. Não discuta com o homofóbico; ignore-o até conseguir se retirar da situação. Se você é membro da comunidade LGBT e se deparar com um homofóbico, o ideal é fingir que não ouviu nada. Siga com sua vida e não alimente a negatividade da pessoa. Se a pessoa estiver assediando ou machucando alguma pessoa, entretanto, não hesite e aja!
    • Você tem o direito de defender aquilo no que acredita, mas a maioria dos homofóbicos tem um pensamento irracional sobre o assunto. Alimentar o confronto não fará bem algum.
    • Se não for possível evitar o confronto, mantenha a calma. Conforme as tensões aumentam, a pessoa pode agir com raiva e dizer coisas que não fazem sentido. Evite insultos básicos; reforce seu ponto de vista com fatos e opiniões razoáveis.
    • Tome muito cuidado se mora com pessoas homofóbicas. As brigas podem fazer com que seja expulso de casa ou colocado em uma situação perigosa. Caso sinta desconforto em sua própria casa, procure um local mais aceitável para morar.
  4. Respeite os homofóbicos, mesmo quando eles não o respeitarem de volta. Seja superior! Não importa se é membro ou não da comunidade LGBT, respeite todos os seres humanos. Trate todos com cortesia, independentemente das visões e posições da pessoa. O ato de respeitar não significa que você aceita a opinião dela, mas que reconhece o direito de ela ter uma opinião. Algumas pessoas tentarão fazer com que você não tenha direito de opinar e sentir as coisas. Ao não fazer o mesmo com elas, você será superior.
    • Pratique a empatia. Lembre-se de que a homofobia normalmente é passada de geração em geração e está enraizada na criação das pessoas. Trata-se de uma reação automática de pessoas que não conhecem bem os próprios sentimentos. É difícil escapar desse tipo de intolerância incrustada.
    • Se sabe que uma pessoa é homofóbica, mas ela não faz nada para prejudicá-lo ou incomodá-lo, trate-a como faria com qualquer um. Se alguém quer acreditar que você vai para o inferno ou que vive um estilo de vida imoral, ela está no direito dela — desde que não interfira com seu direito de viver sua vida como bem entender.
  5. Aceite que nem todos o aceitarão. A intolerância sistêmica leva um tempo para desaparecer e não há muito o que fazer para acelerar isso. Esforce-se para deixar a situação para lá. Se uma pessoa não lhe dá o respeito que você merece, talvez tenha chegado a hora de deixá-la e seguir com sua vida.

Lidando com amigos, familiares e colegas homofóbicos

  1. Tenha uma conversa franca. Caso seus entes queridos estejam expressando pensamentos homofóbicos, confronte-os em uma conversa franca sobre tolerância. Explique que a homofobia o deixa desconfortável, sendo você ou não parte da comunidade LGBT. Ajude-os a entender por que as ações deles podem ser intolerantes, mal informadas ou injustas.
    • Deixe a conversa para uma hora em que as pessoas serão receptivas ao que tem a dizer. Não discuta a questão quando estiverem distraídas ou concentradas em outra coisa. Escolha bem a hora para dar a maior força possível para suas palavras.
    • Saiba que essa tática não funcionará com todo mundo. Educar os outros pode apenas levá-lo a mais frustração. Pergunte-se: vale a pena tentar?
  2. Tenha paciência. Deixe que as pessoas compreendam seu ponto de vista. Muitas pessoas têm dificuldade para aceitar a própria sexualidade, por que seria diferente com amigos e familiares? Mantenha a cabeça aberta e não os julgue no processo. Se estamos falando de pessoas próximas, é bem provável que o amor supere quaisquer desconfortos. Dê tempo ao tempo e nunca pare de demonstrar seu amor. Você não é obrigado a ouvir os insultos deles, mas deixe claro que estará esperando quando mudarem de ideia.
  3. Tome cuidado para não colocar as pessoas na defensiva. Não diga "Você é homofóbico!" mesmo quando o comportamento da pessoa for óbvio, pois as acusações pedem por uma defesa. Experimente dizer algo como "O que você disse me pareceu homofóbico, pois X dá a entender que Y. Foi isso mesmo que quis dizer?". Quando fazemos as pessoas pensarem no que acabaram de dizer, elas podem repensar e ver a situação por outro ponto de vista. Às vezes, elas simplesmente não sabem relacionar-se com homossexuais por falta de experiência.
  4. Pense bem na possibilidade de deixar pessoas nocivas para trás. Nunca é fácil cortar a presença de amigos e familiares de sua vida, mas chega um ponto onde é preciso se perguntar se a influência negativa da pessoa é maior do que a influência positiva. Se uma pessoa que você ama não o aceita (ou não aceita alguém que você ama), talvez seja melhor dedicar suas energias com alguém que o aceite.
    • Não é preciso tornar isso uma tempestade. Basta criar uma distância entre você e a pessoa intolerante. Com o tempo, seus caminhos se separarão naturalmente.

Lidando com homofóbicos desconhecidos

  1. Mantenha a confiança e acredite em si mesmo. Por mais difícil que seja, mantenha a cabeça erguida e siga em frente. As palavras dos homofóbicos não refletem quem você é, apenas a intolerância de quem as disse. Não é preciso alcançar os padrões dos outros nem tentar ser quem não é. Para superar as desavenças, é preciso acreditar ser capaz, mesmo quando isso parecer impossível.
  2. Não tenha medo. A homofobia é bastante parecida com o bullying: quando um homofóbico age com agressividade, não demonstre mágoa. A pessoa procura uma reação: ao reagir, ela continuará, pois conseguiu o que quer. Por mais que fique magoado ao ouvir ou ver coisas desagradáveis, mantenha-se forte e não deixe que vejam que o estão afetando negativamente. Com o tempo, a pessoa desistirá.
  3. Ria da situação. Quando alguém gritar algo homofóbico para você, não se abale. Sorria e mande um beijo para a pessoa; não aja como ela espera. Se sua reação deixar a outra pessoa desconfortável, será ainda mais fácil rir da situação. O riso não mudará a questão, mas fará com que seja mais fácil seguir com sua vida.
  4. Encontre uma comunidade que o aceite e apoie. Cerque-se de amigos sem preconceitos; defender aquilo que é certo é uma tarefa difícil e cansativa, portanto, procure amigos que o apoiem e para os quais não precisa justificar-se. No fim do dia, todos precisamos de um local seguro para abaixar a guarda.
  5. Saia do armário para mudar a perspectiva das pessoas. Se não precisa ver a pessoa homofóbica em questão com frequência, revele-se para ela. Dependendo da pessoa, ela tentará reverter a situação e "desdizer" os comentários homofóbicos ou até mesmo mudar de ideia. Lembre-se de que isso pode colocá-lo em perigo ou em uma situação desconfortável, portanto, pense bem.
  6. Aprenda a se defender. Procure um curso de defesa pessoal ou estude artes marciais para se preparar para lidar com pessoas intolerantes e violentas, principalmente se mora em um local com alto índice de violência contra homossexuais. Nunca se sabe quando os conhecimentos de luta serão úteis.
  7. Denuncie ameaças homofóbicas e violência às autoridades. Se uma pessoa está violando os seus direitos — ou de qualquer outra pessoa —, talvez seja preciso procurar ajuda especializada. Se o problema está ocorrendo na escola, converse com um professor ou adulto que respeite. Não tenha medo de envolver as autoridades policiais se julgar necessário, pois o assédio é crime de ódio.
    • Por exemplo: se um garçom se recusa a atender você e seu parceiro, converse com o gerente e o dono do estabelecimento. A maioria dos locais quer a felicidade dos clientes e existem leis contra a discriminação. Conheça seus direitos!

Avisos

  • Se o abuso na escola tornar-se violento, converse com seus familiares e professores. Se a situação se tornar séria , chame a polícia!
  • É complicado sair do armário, pois nunca se sabe o que as pessoas pensarão, mas é mais difícil ficar reprimido, pois isso dói ainda mais.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.