Como Se Tornar um Ateu

O ateísmo, em seu sentido mais amplo, representa a ausência de crença na existência de deuses. O termo abrange tanto aqueles que afirmam que não existem deuses, quanto aqueles que não defendem a existência deles. Simplificando, toda pessoa que não acredita que deuses existem é, por definição, um ateu. Definições mais estreitas tomam como ateus aqueles que afirmam a não-existência dos deuses, rotulando os outros como agnósticos ou não teístas. Os ateus não partilham qualquer ideologia em particular, nem rituais ou comportamentos institucionalizados. Normalmente, pessoas que possuem algum tipo de crença não costumam se rotular como ateus, embora isso até aconteça em alguns casos. Apesar do que se acredita, principalmente em países fortemente religiosos, ser ateu não implica deliberadamente “desobedecer a Deus”. O ateísmo é não é uma crença, e sim uma descrença. Os ateus costumam ser acusados de odiar Deus, o que é impossível, visto que não é possível odiar aquilo que não se acredita que existe. O ateísmo também não está diretamente ligado ao evolucionismo, tão pouco à teoria do big bang. No entanto, muitos ateus (principalmente aqueles que desejam aprofundar seus conhecimentos sobre ateísmo e religião) se voltam para a ciência, o que gera um interesse por tais teorias. Em países como os Estados Unidos da América e continentes como a Ásia, a religião está prosperando. Embora possa parecer uma generalização, os países com maiores índices de pobreza e crimes, e menores taxas de educação e desenvolvimento humano tendem a ser mais religiosos, em contraste com países mais ateus, tais como a Noruega e a Suécia. Isso também pode ser observado entre os diferentes estados dos EUA.

Passos

  1. Examine suas crenças atuais. Não importa no que você acreditava antes; se, hoje, você não tem nenhuma crença em Deus, sua transformação já está completa. Não há nenhum processo ou iniciação para se tornar um ateu. Você já é um ateu apenas por não acreditar que há um deus/deuses.
  2. Compreenda a diferença entre crença e verdade: Considere os seguintes exemplos:
    • Um estranho bate em sua porta e diz que seu filho morreu em um acidente de carro, do lado de fora da escola.
      • Você sente uma pontada de emoção, mas sabe que nunca viu essa pessoa antes. Você acredita nela? Ela sabe quem é seu filho? Será que não é nenhum tipo de piada de mau gosto? Você realmente acredita que seu filho foi morto? Provavelmente, você será tomado por algumas dúvidas.
    • Dois policiais param uma viatura em sua garagem e batem na porta. Eles dizem que seu filho foi morto. Eles precisam que você vá até o necrotério e identifique o corpo.
      • Como se trata de dois oficiais, você provavelmente acreditará neles. Você se emocionará, certa de que seu filho está morto, e receberá a notícia como uma realidade imediata.
    • Você deve observar que a diferença entre estes dois exemplos é a autoridade do Mensageiro, não a mensagem em si. Esses exemplos também são escolhidos pelo seu conteúdo emocional, porque ele também é parte do que torna uma situação real para nós.
    • O ponto é que, independente de acreditarmos em algo graças a emoção ou a autoridade, não podemos ter certeza, até vermos com os próprios olhos. Você pode ouvir algo de uma grande autoridade, acreditar no que ouviu e ser enganada.
  3. Compreenda a diferença entre a crença científica e a crença religiosa. A diferença entre a crença em uma teoria científica em oposição à crença em um dogma religioso se concentra na diferença entre a instituição científica e as diversas instituições religiosas. O conceito subjacente das instituições religiosas consiste no caráter desconhecido da realidade. A natureza da realidade foi escrita em um livro ou um pergaminho. Este texto foi originalmente criado, ditado ou inspirado por um Deus. As instituições religiosas estão principalmente preocupadas em divulgar informações sobre esta realidade, por acreditarem que têm o compromisso de fazer isso. Os “fatos” religiosos não se sujeitam a comprovação. Eles se apoiam em evidências abertas à interpretação. Estes “fatos” não são resultado de um consenso entre todas as religiões. O conceito subjacente da instituição científica consiste na natureza desconhecido da realidade. A ciência está preocupada principalmente com a descoberta da natureza da realidade, e evita fazer suposições. Teorias científicas devem, por definição, ser provadas (ou refutadas). Elas devem ser publicadas e revistas por outros cientistas, e serem ou não aceitas por um consenso. As teorias aceitas são apoiadas por provas que não estão abertas à interpretação, ou são consistentemente interpretadas por cientistas qualificados. Caso se encontre uma evidência que refute determinada teoria, ela acaba caindo em descrédito. Acredita-se em uma autoridade científica, pois sua autoridade se deriva do processo de revisão e porque têm interesse de descobrir a verdade. Acredita-se em uma autoridade religiosa, por que ela é endossada pelo seu superior, e assim por diante. A religião não tem interesse algum em descobrir a verdade, pois acredita que os fatos já são conhecidos.
  4. Lembre-se de que você não é a única pessoa que encontrou falhas em sua religião. Isso tem sido observado ao longo da história. Se você perceber algum problema, encare-o com honestidade, com a certeza de que não será punido por tentar buscar suas verdadeiras crenças. Qualquer crença válida resistirá a essa provação. Muitas religiões hoje encontram-se extintas. Você teria grande dificuldade em encontrar pessoas adorando Thor ou Quetzalcoatl. Pense no porquê de você não acreditar em Zeus, Thor ou Rah. Sua religião seria a mesma se você tivesse sido criado em outro lugar do mundo?
  5. Pense em sua ética e moral, e procure compreender de onde ela vem. Você não precisa de um Deus para ditar sua moral. Os ateus não são antiéticos. Como muitos teístas, os ateus praticam a caridade e vivem vidas que são semelhantes a de pessoas que têm uma religião. A diferença é que eles têm outra motivação para fazer isso. Com o sem religião, as pessoas boas continuam fazendo o bem e as más continuam fazendo o mal; mas, para que as boas pessoas façam o mal, é precido da religião. -Steven Wienberg
  6. Compreenda a diferença entre o ateísmo e o agnosticismo.
    • Um ateu não acredita que existe um Deus ou deuses. A maioria dos ateus observam que não há nenhuma prova concreta da existência de uma divindade. Dada a ausência de provas verificáveis, eles não consideram Deus na hora de fazer suas escolhas. Agnósticos não acreditam que é possível saber sobre a existência de um Deus ou deuses.
    • Você não precisa ter nada contra as religiões. A maioria dos ateus, no entanto, desaprova a religião organizada, bem como a doutrina da fé como uma virtude. Há outros que ainda frequentam serviços religiosos por suas próprias razões, como uma concordância com os princípios morais, a necessidade de fazer parte de uma comunidade, ou mesmo uma predileção pelo estilo musical.
    • Você não precisa descartar a possibilidade de existirem fenômenos não comprovados, ou não comprováveis. Você pode reconhecer sua existência, sem insistir que eles são verdadeiros, ou tentar convencer outras pessoas disso.
    • Você não precisa aderir a qualquer conjunto de crenças. O ateísmo não é uma religião. Os ateus vivem sob uma grande variedade de crenças e perspectivas; eles só se assemelham entre si por sua descrença em Deus.
  7. Entenda que você não tem que desistir de sua cultura. Cultura, tradição e lealdade são importantes para muitas pessoas, inclusive alguns ateus. Não há necessidade de se dissociar completamente de uma cultura ou religião. Praticamente todas as culturas do hemisfério norte comemoram um feriado no solstício de inverno. Uma possível explicação para isso é a falta de trabalho agrário a ser realizado, e a abundância de alimentos armazenados para a escassez dos meses seguintes. Tal celebração ainda pode ser importante para um ateu, devido aos seus valores intrínsecos, como a partilha, a vida em comunidade etc. Ateus, que anteriormente eram cristãos, ainda podem trocar presentes com seus amigos teístas e reunir sua família e amigos durante o natal, sem necessidade de qualquer conotação religiosa. O mesmo pode ser dito de pessoas de outras religiões, ou das que nunca frequentaram uma.
  8. Aprenda a enxergar o mundo e tirar suas conclusões através da lógica, em vez de usar a fé. A ciência é universalmente aceita como a melhor forma de compreender o mundo.
  9. Discuta o mundo neste contexto com ateus e religiosos. Isso o ajudará a compreender o ateísmo neste contexto.
  10. Estude várias formas de teísmo. É importante compreender completamente sua antiga fé e seus princípios, bem como os de outras religiões. Quanto mais versado você for em outras religiões, mais você entenderá a maneira de agir das pessoas, e melhores serão as bases que sustentam sua visão de mundo. Além disso, este conhecimento o ajudará a afastar aqueles que tentarão lhe converter para determinada religião.
  11. Comunique sua perspectiva àqueles que estão curiosos. Não seja tímido, mas também não seja condescendente. Procure evitar conflitos e ajudar as pessoas a compreenderem seu ponto de vista. No entanto, se parece claro que você terá problemas, opte por ocultar sua perspectiva. Em alguns países ou regiões, o preço do ateísmo pode ser muito alto.

Dicas

  • Lembre-se, não há problema em ser um ateu!
  • Trate a todos com respeito, pois esta é a coisa sensata a se fazer. Ser desagradável com pessoas religiosas apenas valida as suposições negativas que elas podem ter sobre outros valores ou crenças.
  • Não se preocupe em partilhar valores religiosos, ou se opor a eles. Enquanto você se sentir como um ateu, isto é o que você é.
  • Se você tem um bom domínio do inglês, assista vídeos no Youtube de usuários como Thunderf00t, FFreeThinker and TheThinkingAtheist. Há vários outros vídeos que promovem, explicam e defendem o ateísmo. Estes podem ser de alguma ajuda.
  • Você pode querer ler livros de Richard Dawkins, Daniel Dennett, Sam Harris, Christopher Hitchens e Carl Sagan, ou assistir apresentações de comediantes como George Carlin e Tim Minchin. Todos eles são associados ao ateísmo.
  • Se sua escola tem o ensino religioso como matéria, pergunte ao diretor se você pode não cursá-la. Ofereça-se para fazer aulas extras, ler, desenhar, ou fazer qualquer outra coisa durante a aula de ensino religioso. É possível que outros alunos queiram fazer a mesma coisa.

Avisos

  • Alguns de seus amigos podem parar de andar com você. Lembre-se, qualquer pessoa que o abandona por motivos religiosos não era seu amigo de verdade. Se fossem, isso não mudaria as coisas.
  • Estude as suas crenças. Não se torne um ateu só porque você resolveu ser um. É completamente razoável refletir sobre a possível existência de um Deus. Resumindo, não se torne um ateu apenas porque você não se deixou ser convencido pela religião.
  • Alguns religiosos podem tentar convertê-lo implacavelmente. Eles podem falhar completamente em entender sua nova posição. Seja compreensivo.
  • Prepare-se para ser maltratado por alguns religiosos. Muitos teístas acham sua falta de crença ofensiva e horripilante. Muitos ateus já foram socialmente desprezados ou ameaçados com violência. É importante falar sobre suas ideias, mas não se esqueça de fazer isso em um contexto apropriado.
  • Você pode ser odiado/invejado por outros alunos que precisam cursar a aula de ensino religioso.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.