Como Diminuir a Pressão Ocular sem Usar Colírios

A hipertensão ocular é um dos mais recorrentes problemas que afetam os olhos. Ela ocorre quando há níveis elevados de pressão (intraocular) dos fluidos internos dos globos oculares. Se a hipertensão for ignorada, pode haver o aparecimento de glaucoma ou até mesmo o surgimento de danos permanentes à visão, sendo, por isso, crucial agir rapidamente contra a progressão da doença. A pressão intraocular elevada, ou hipertensão ocular, não apresenta sintomas, podendo ser diagnosticada durante uma visita ao oftalmologista. De modo geral, colírios representam uma das primeiras formas de tratamento usadas para seu tratamento, mas infelizmente não funcionam com todas as pessoas.

Mudando a dieta e o estilo de vida

  1. Diminua os níveis de insulina em seu corpo. Com frequência, pessoas que padecem de problemas como obesidade, diabetes e pressão sanguínea elevada se tornam resistentes à insulina, o que, em contrapartida, faz aumentar a produção de insulina pelo corpo. Os níveis elevados desse hormônio estão associados à elevada pressão intraocular.
    • Para solucionar esse problema, aconselha-se aos pacientes que evitem certos alimentos capazes de causar um aumento súbito nos níveis de insulina. Dentre eles, incluem-se: açúcar, grãos (integrais e orgânicos), pães, macarrão, arroz, cereais e batatas.
  2. Exercite-se com frequência. Fazer atividades físicas como exercícios aeróbicos, cooper, caminhadas rápidas, ciclismo e treinos de resistência de forma regular ajuda a manter baixos os níveis de insulina do corpo, protegendo os olhos da hipertensão ocular.
    • A insulina é um hormônio que ajuda a transportar o açúcar (ou glicose) presente no sangue para dentro das células, como fonte energética. Se usamos essa energia em exercícios físicos, os níveis de glicose são reduzidos juntamente aos de insulina. Se os níveis de insulina estiverem baixos, não será produzida nenhuma hiperestimulação do nervo ocular simpático e, assim, não haverá acúmulo de pressão nos olhos.
    • Tente realizar atividades físicas durante pelo menos 30 minutos por dia, três a cinco vezes por semana.
  3. Complemente a dieta com a ingestão de ácidos graxos ômega-3. O ácido docosa-hexaenóico (DHA) é um tipo de ácido graxo que mantém o funcionamento saudável da retina e evita o acúmulo da pressão interna dos olhos.
    • O DHA e outros ácidos graxos ômega-3 estão presentes em peixes de água fria ricos em lipídios, como salmão, atum, sardinhas, mariscos e arenques. Para aumentar os seus níveis de DHA, tente ingerir duas a três porções desses tipos de peixe, semanalmente.
    • Alternativamente, você pode aumentar a ingestão de DHA consumindo cápsulas de óleo de peixe ou suplementos de DHA à base de algas. Para melhores resultados, ingira, diariamente, 3.000 a 4.000 mg de cápsulas de óleo de peixe medicinal por dia ou 200 mg de suplementos de DHA à base de algas.
  4. Consuma mais alimentos contendo luteína e zeaxantina. A luteína e a zeaxantina são carotenoides, que trabalham como antioxidantes capazes de proteger o corpo de radicais livres. Os radicais livres, por sua vez, enfraquecem o sistema imunológico, o que pode levar ao surgimento de infecções e danos nos nervos óticos.
    • A luteína e a zeaxantina também ajudam a diminuir a pressão ocular diminuindo os danos oxidativos que acontecem ao redor do nervo ótico. Esse é um ponto importante, já que todo dano nesse nervo pode aumentar a pressão interna do olho.
    • Dentre os alimentos que contêm excelentes fontes desses carotenoides, incluem-se repolho crespo, espinafre, couve, couve-de-bruxelas, brócolis e gemas de ovo cru. Tente incluir pelo menos um desses alimentos em cada uma das refeições principais do dia.
  5. Evite a gordura trans. Como mencionado previamente, ácidos graxos ômega-3 ajudam a reduzir a pressão intraocular. No entanto, alimentos ricos em gorduras trans impedem o funcionamento adequado dos ácidos graxos ômega-3, o que pode resultar em um aumento da pressão interna dos olhos.
    • Como resultado, é uma boa ideia limitar a ingestão de alimentos ricos em gorduras trans. Eles englobam, dentre outros: alimentos processados ou assados, frituras, sorvete, pipoca de micro-ondas e carne moída.
  6. Coma mais antioxidantes. Frutos de cor escura, como mirtilos, amoras e arandos ajudam a melhorar a saúde geral dos olhos, reforçando os vasos capilares que levam nutrientes para os nervos e músculos oculares. Isso ocorre devido ao fato de que contêm antioxidantes capazes de fortalecer os vasos sanguíneos. Como resultado, eles reduzem as chances de hemorragia e danos aos vasos.
    • Tente comer pelo menos uma porção de frutos escuros por dia.
    • O ácido lipóico (ALA) é um antioxidante usado para prevenir e tratar diversas doenças dos olhos, inclusive glaucoma e a pressão intraocular elevada. A dosagem recomendada geralmente se encontra na ingestão de 75 mg, duas vezes ao dia.
    • O arando é comumente usado para aumentar a acuidade visual e combater doenças oculares degenerativas, inclusive a hipertensão ocular. Um estudo realizado sobre um determinado produto que continha arando e picnogenol (um extrato da casca do pinheiro) determinou que essa substância é clinicamente capaz de diminuir a pressão ocular.
    • O extrato de sementes de uva é um antioxidante que tem sido usado na redução do estresse ocular devido a brilhos intensos. Ele é comumente usado no combate contra sinais de envelhecimento e para melhorar a visão noturna.
  7. Faça uso da maconha (Cannabis), onde for legal. A maconha pode ser ingerida em forma comestível ou sublingual ou como comprimidos, pílulas e essências para vaporizadores. Um dos ingredientes do canabidiol não apresenta efeitos psicotrópicos e revelou-se ser capaz de reduzir a pressão intraocular. Já se fez o uso, com sucesso, de 20 a 40 mg de canabidiol para o tratamento da pressão intraocular elevada.

Fazendo uma cirurgia

  1. Entenda por que razão a cirurgia pode ser necessária. Se a pressão elevada persistir, ela pode causar danos ao nervo ótico, resultando em uma doença ocular denominada glaucoma. Com tempo, o glaucoma pode resultar na perda da visão. Essa doença é normalmente tratada com uma combinação entre colírios e medicamentos orais. No entanto, se essas medidas não funcionarem, a cirurgia é necessária para diminuir a pressão intraocular.
    • A cirurgia de glaucoma ajuda a melhorar o fluxo de fluidos dentro dos olhos, diminuindo a pressão interna como resultado. Às vezes, uma única cirurgia não é suficiente para aliviar a pressão intraocular de modo suficiente para o tratamento do glaucoma. Nesses casos, pode ser necessário realizar um novo procedimento cirúrgico.
    • Há diversos tipos de cirurgia usados para tratar glaucoma, dependendo da severidade da doença.
  2. Pergunte ao seu médico a respeito de implantes de drenagem. Os implantes de drenagem costumam ser usados para tratar a pressão ocular elevada em crianças e pessoas com glaucoma em nível avançado. Durante o procedimento, um pequeno tudo é inserido no olho para facilitar a drenagem de fluidos. Depois da drenagem, a pressão intraocular é reduzida.
  3. Considere fazer uma cirurgia a laser. A trabeculoplastia é um tipo de cirurgia que utiliza um raio laser de alta energia para abrir canais de drenagem bloqueados nos olhos, permitindo que o excesso de fluidos seja drenado. Depois da cirurgia, a pressão intraocular será examinada periodicamente para garantir que o procedimento tenha sido um êxito.
    • Outro tipo de cirurgia a laser é a iridotomia. Esse tipo de laser é usado em pessoas com ângulos de drenagem estreitos demais. Durante o procedimento, um pequeno furo é criado na parte superior da íris para a drenagem de fluidos.
    • Se a iridotomia a laser ainda não for eficaz, uma iridotomia periférica pode ser feita. Esse procedimento envolve a remoção de uma pequena parte da íris para melhorar a drenagem de fluidos. No entanto, esse tipo de cirurgia é relativamente raro.
  4. Esteja ciente de que uma cirurgia de filtragem pode ser necessária. A trabeculectomia é um tipo de procedimento cirúrgico usado como última opção no tratamento da pressão intraocular elevada, quando colírios e cirurgias a laser continuarem ineficazes.
    • Nesse procedimento, o cirurgião cria uma abertura na esclerótica (parte branca do olho) e remove um pequeno pedaço de tecido da base da córnea. Isso permite que os fluidos saiam livremente do olho, o que reduz sua pressão interna.
    • O procedimento é feito em um olho e, se necessário, repetido no outro, várias semanas depois. Tratamentos adicionais podem ser requeridos, depois desse procedimento, caso a abertura fique novamente bloqueada ou fechada.

Praticando exercícios de relaxamento

  1. Pratique piscar a cada três ou quatro segundos. Muitas pessoas têm a tendência de evitar piscar ao trabalhar em um computador, assistir à televisão ou jogar videogames. Isso aplica um considerável desgaste sobre os olhos.
    • Você pode relaxar e revigorar os olhos ao fazer um esforço consciente para piscar a cada três ou quatro segundos, durante dois minutos. Use um cronômetro, se necessário.
    • Isso aliviará um pouco da pressão interna dos olhos, deixando-os preparados para processar novas informações.
  2. Cubra o olho com a palma da mão. Isso ajuda a relaxar tanto o olho como a mente, aliviando o estresse e permitindo que você pisque livremente.
    • Coloque a mão direita sobre o olho direito, repousando os dedos sobre a testa e a palma sobre a têmpora. Não é preciso aplicar nenhuma pressão.
    • Mantenha a mão no mesmo local durante 30 segundos a um minuto, piscando livremente ao longo desse período. Desobstrua o olho direito e, a seguir, use a mão esquerda para cobrir o olho esquerdo, passando a repetir o procedimento.
  3. Desenhe uma forma de “oito” imaginária com os olhos. Esse exercício ajuda a fortalecer os músculos oculares e a aumentar a flexibilidade, deixando-os menos propensos a lesões e elevações de pressão.
    • Imagine um grande número oito na parede à sua frente, deitado. Use os olhos para desenhá-lo, sem movimentar a cabeça. Continue a executar esse exercício por um ou dois minutos.
    • Se você tem dificuldades para imaginar um oito deitado, tente desenhá-lo em um grande pedaço de papel e colocá-lo na parede. Desse modo, você pode acompanhar o desenho físico, mentalmente, com os olhos.
  4. Pratique focar ambos os olhos em objetos próximos e distantes. Esse exercício ajuda a fortalecer os músculos oculares e a melhorar a visão de um modo geral.
    • Encontre um local relaxante onde você possa sentar-se sem distrações. Coloque o polegar aproximadamente 25 cm à frente do rosto e coloque nele o foco de ambos os olhos.
    • Mantenha o foco no polegar durante cinco a dez segundos, passando a observar outro objeto mais distante, a aproximadamente três a seis metros de distância. Alterne o foco entre o polegar e o objeto distante durante um ou dois minutos.
  5. Tente dar zoom. Esse exercício melhora as habilidades de foco e ajuda a fortalecer os músculos oculares.
    • Alongue uma mão diretamente à frente do corpo e levante o polegar. Coloque o foco dos olhos no polegar e, lentamente, mova-o para mais perto de você até que esteja a 10 cm de distância de seu rosto.
    • Novamente, mova o polegar para longe de você, mantendo ambos os olhos atentos em todo o momento. Continue a manter o foco no polegar em movimento durante um ou dois minutos.

Entendendo a hipertensão ocular

  1. Entenda como a pressão ocular elevada é diagnosticada. A alta pressão intraocular (medicamente conhecida como hipertensão ocular) é difícil de diagnosticar, já que não apresenta quaisquer sintomas visíveis, como vermelhidão ou dor. O diagnóstico não pode ser feito apenas com o exame visual e, por isso, você precisa marcar uma consulta com um oftalmologista. Ele usará uma combinação de métodos capazes de identificar a hipertensão ocular.
    • Tonometria. Esse procedimento é usado para medir a pressão intraocular dos olhos e aferir se esse nível está dentro dos limites normais. O olho é anestesiado e, então, uma tinta alaranjada é inserida para ajudar o especialista a identificar o nível de pressão existente.
    • Uma leitura de 21 mmHg ou superior costuma indicar a presença de hipertensão ocular. No entanto, a presença de outras doenças pode afetar essa leitura, como no caso de lesões oculares ou do acúmulo de sangue por trás da córnea.
    • Sopro de ar. Nesse procedimento, pede-se ao paciente que olhe diretamente rumo a um dispositivo determinado, enquanto o especialista acende uma luz para iluminar o olho. A seguir, o aparelho envia um curto jato de ar diretamente para dentro do globo ocular. Uma máquina especial passa a ler a pressão existente ao avaliar as mudanças ocorridas nos reflexos de luz depois da aplicação do sopro.
  2. Entenda o que causa a hipertensão ocular. O aumento na pressão intraocular está associado ao envelhecimento, dentre outros fatores. Dentre os diversos pontos que podem contribuir com o desenvolvimento da hipertensão ocular, incluem-se:
    • Excesso de produção aquosa. O humor aquoso é um líquido transparente produzido dentro do olho. Ele é drenado através de uma rede de vasos trabeculares. Se for gerado em excesso, a pressão intraocular aumenta.
    • Drenagem aquosa inadequada. A drenagem imprópria do humor aquoso pode resultar no aumento da pressão interna do olho.
    • Alguns medicamentos. Algumas drogas (como esteroides) podem causar hipertensão ocular, especialmente em pessoas com fatores de risco pré-existentes.
    • Trauma ocular. Qualquer irritação ou lesão ocular pode afetar o equilíbrio entre a produção e a drenagem do humor aquoso, podendo resultar no aumento da pressão interna do olho.
    • Outros problemas oculares. A hipertensão ocular geralmente está associada a outros problemas dos olhos, como a síndrome da pseudoesfoliação, o arco senil e a síndrome da dispersão pigmentar.
  3. Familiarize-se com os fatores de risco para a hipertensão ocular. Qualquer pessoa pode desenvolver um aumento na pressão interna dos olhos, mas estudos demonstraram que os seguintes grupos apresentam um maior risco de desenvolver o problema:
    • Pessoas negras.
    • Indivíduos com idade superior a 40 anos.
    • Pessoas com histórico familiar de hipertensão ocular e glaucoma.
    • Pessoas com menor espessura corneal central.

Avisos

  • Alguns dos peixes recomendados para aumentar a ingestão de ácidos graxos ômega-3 contêm um pouco de mercúrio, mas porções limitadas não causarão nenhum dano ao organismo. Ainda assim, é preciso tomar certas precauções se você é uma mulher ou se estiver grávida. Se você faz parte desse grupo, evite comer cavala, peixe-espada e tubarão.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.