Como Reconhecer os Sintomas do Câncer de Próstata

O câncer de próstata é um dos tipos de câncer mais comuns entre os homens, sendo o segundo que mais causa mortes nos homens dos Estados Unidos. A idade média do diagnóstico é de cerca de 66 anos, sendo que cerca de seis em cada dez diagnósticos são em homens com 65 anos ou mais de idade. Poucos diagnósticos são feitos antes dos 40 anos. O câncer de próstata pode não apresentar nenhum sintoma e não há nenhum protocolo de triagem definitivo por conta dos falsos positivos e falsos negativos nos testes de triagem atuais. Cerca de 90% dos casos detectados são encontrados dentro da próstata, o que significa que praticamente 100% dos homens nesse estágio estarão livres da doença após cinco anos. Se você está preocupado com o câncer de próstata, aprenda a reconhecer os sintomas e a aumentar sua conscientização sobre os exames e estágios da doença para receber tratamento o mais rápido possível.

Reconhecendo os sintomas iniciais do câncer de próstata

  1. Identifique os sintomas iniciais do câncer de próstata. Documente quaisquer sintomas encontrados para informar o médico na próxima consulta. Os sintomas não são provas definitivas de que você possui câncer, mas eles devem sinalizar que você precisa ser examinado por um médico.
  2. Preste atenção nos ciclos urinários. Uma mudança repentina e drástica pode ser sintoma do câncer da próstata. Por exemplo, você pode demorar mais tempo para terminar de urinar, pois a massa do câncer pode pressionar a uretra ou a bexiga, prejudicando o fluxo normal da urina. Note caso você demore mais para terminar de urinar ou caso a urina saia lentamente do pênis.
    • Querer ir ao banheiro e não conseguir urinar é outro sintoma que pode ocorrer quando a próstata bloqueia a uretra ou a abertura da bexiga. Caso você sinta que precisa ir ao banheiro mas não consiga urinar de jeito nenhum – ou apenas libere algumas gotinhas –, é possível que você possua um bloqueio sério da uretra ou da bexiga.
    • Ter vontade de urinar mais durante a noite ou acordar com vontade também é outro sintoma que ocorre quando a próstata bloqueia a saída da urina, pois a bexiga pode não se esvaziar completamente durante o dia. A bexiga enche mais rápido durante a noite nesses casos, pois não estava vazia quando você dormiu. Você pode sentir que deseja urinar mas não conseguir fazê-lo por conta de um bloqueio na uretra ou na bexiga.
  3. Note a queimação ao urinar. Devido ao acúmulo de urina na bexiga ou na uretra por conta da micção incompleta, é possível que infecções surjam e causem inflamações. Quando a urina passa pela uretra, ela causa dor e queimação. A inflamação da próstata por conta de uma infecção é conhecida como prostatite.
  4. Procure por sangue ou vermelhidão na urina. Devido ao aumento do tumor do câncer de próstata, novos vasos sanguíneos podem se formar e outros podem ser lesionados. O sangue na urina é conhecido como hematúria. Além disso, o aumento da próstata pode levar à prostatite (inflamação da próstata) e ao aumento das infecções do trato urinário, o que pode causar a presença de sangue na urina.
  5. Note qualquer dor na ejaculação. Existem diversos de relatos que associam o câncer de próstata com a prostatite (inflamação da próstata decorrente de uma infecção). Quando isso ocorre, a inflamação da próstata pode irritar a glande na hora da ejaculação, causando dor no orgasmo.

Identificando os sintomas do câncer de próstata avançado

  1. Procure por sintomas do câncer de próstata avançado, fase conhecida como metástase, em que há o avanço do câncer para outros locais. As infecções do trato urinário, a HPB (hiperplasia prostática benigna) e a prostatite não surgirão como sinais de câncer em metástase. Existem diversos sintomas que surgem decorrentes do estado avançado do câncer. Fique de olho neles caso você esteja em um grupo de risco ou já tenha sofrido com o câncer no passado.
  2. Preste atenção em náuseas, vômitos, constipações e confusões inexplicadas. O câncer de próstata pode se prender ao osso, causando dor profunda, fraqueza e eventuais fraturas. O cálcio do osso pode ser transmitido para o sangue, causando níveis extremos de náusea, vômitos, constipação e confusão.
  3. Saiba que o inchaço e a fraqueza das extremidades (braços ou pernas) e do quadril também podem ser sinais de câncer de próstata. O câncer pode se espalhar para os nódulos linfáticos, que estão espalhados pelo corpo inteiro, incluindo a região pélvica. Os nódulos ajudam a filtrar e esvaziar os fluídos no sangue. Quando ficam bloqueados pelo tecido do câncer, eles se expandem a causam inchaço na região. Fique atento ao inchaço nas extremidades: se acredita que um lado foi afetado, compare-o ao outro lado.
  4. Preste atenção na falta de ar, na dor no peito e na tosse com sangue sem motivo aparente. O câncer de próstata pode atingir os pulmões, causando uma tosse, muitas vezes com sangue, que não pode ser tratada com medicamentos de venda livre ou antibióticos. As dores no peito podem isoladas ou constantes. O câncer interrompe o funcionamento normal dos pulmões, causando danos e inflamando os tecidos e as artérias. A inflamação leva ao acúmulo de fluídos na pleura (derrame pleural) e causa dor no peito e falta de ar.
  5. Saiba que a dificuldade para caminhar, as dores de cabeça, a perda da sensação em determinadas partes do corpo, a perda de memória e a incontinência urinária são sinais do câncer em estágio avançado. O câncer mais comum se espalha até o cérebro e é conhecido como carcinomatose leptomeníngea e pode exibir todos os sintomas acima.
  6. Note qualquer dor ou sensibilidade nas costas. O câncer de próstata pode se espalhar até a medula espinhal, comprimindo-a e causando dores, sensibilidade e fraqueza muscular com ou sem perda de sensação. Alguns problemas neurológicos podem surgir devido à retenção urinária ou, com menos frequência, à incontinência da bexiga ou do intestino.
  7. Saiba que o sangramento do reto ao defecar também pode sinalizar um avanço do câncer. Existem estudos de casos documentados em que o câncer de próstata se espalhou ao reto devido à proximidade. Fique atento ao sangramento e à dor abdominal proveniente do reto ao evacuar.
  8. Esteja ciente de que os sintomas associados ao câncer de próstata também podem sinalizar doenças diferentes. Por exemplo, a infecção do trato urinário também pode apresentar febre e queimação ao urinar, mas ela não apresenta nenhum dos outros sintomas do câncer de próstata. De qualquer modo, você deve consultar um médico e realizar exames de rotina para obter um diagnóstico adequado.
    • A prostatite pode apresentar os mesmos sintomas do câncer de próstata, mas a dor tende a ser mais forte na região inferior do abdome, da coluna e da pélvis. A prostatite pode ocorrer por conta de uma infecção e apresentar febres, algo que não acontece com o câncer.
    • A HPB (hiperplasia prostática benigna) pode apresentar sintomas tão parecidos com os do câncer que apenas um exame diagnóstico é capaz de descartar a possibilidade do câncer. Apesar disso, a HPB normalmente apresenta sintomas no trato urinário inferior como urgência para urinar, jato fraco de urina, noctúria (vontade extrema de urinar durante a noite) e o esforço para urinar. Além disso, cerca de 50% dos homens entre 50 e 80 anos podem apresentar dificuldades de ereção ou ejaculação.
    • A noctúria (urinação noturna) é comum com o avanço da idade. A bexiga perde elasticidade e a capacidade de reter mais urina conforme você envelhece. Além disso, a diminuição na produção hormonal reduz o funcionamento renal, causando uma produção excessiva de urina durante a noite. Tal combinação faz com que as pessoas acordem mais durante a noite para urinar e urinem mais no geral. A HPB e o câncer de próstata podem causar a noctúria, mas eles normalmente causam apenas enfraquecimento da urina, falta de micção, queimação ao urinar, dor ao ejacular e dificuldade de ereção.
    • A urinação frequente também pode sinalizar a diabetes (excesso de açúcar no sangue), que pode causar complicações sérias. Você deve consultar um médico caso esteja urinando em excesso, seja durante o dia ou a noite. Mantenha um diário de micção, registrando por dois dias o consumo de bebidas, a frequência com a qual você vai ao banheiro, a quantidade de urina, os medicamentos que você toma e a presença de infecções no trato urinário e sintomas associados. O médico deve analisar o registro para determinar as possíveis causas e os tratamentos.
  9. Esteja ciente de que o câncer pode não exibir nenhum sintoma. Muitos homens com câncer de próstata costumam não exibir nenhum sintoma. Se você está em um grupo de risco, faça exames regulares, apresentando sintomas ou não.

Diagnosticando o câncer de próstata

  1. Faça uma visita ao médico. Recomenda-se que você procure um médico caso apresente qualquer sintoma do câncer de próstata. Existem diversos diagnósticos possíveis (incluindo a prostatite, a infecção do trato urinário e a hiperplasia prostática benigna) parecidos com o câncer, portanto, é melhor eliminar qualquer dúvida o quanto antes. O médico deve realizar uma avaliação física e histórica detalhada de você, perguntando sobre sintomas, histórico familiar e sexual, dieta e o uso de substâncias ilícitas e de tabaco.
  2. Saiba como é feito o diagnóstico do câncer de próstata. Apesar de ser possível discutir os sintomas com o profissional, o diagnóstico só pode ser feito com alguns exames médicos específicos. Se há a probabilidade de câncer, o médico pode realizar diversos exames de triagem:
    • Exame de toque retal. O médico sentirá a próstata inserindo o dedo indicador, lubrificado e coberto, no seu reto. Ele apalpará a parte do reto virada para o umbigo, pois a próstata está localizada acima e na frente. O médico deve procurar por formas irregulares (calombos), texturas (lisas ou rugosas), tamanho e sensibilidade. Uma próstata rugosa, inchada e com calombos é sinal alarmante. Infelizmente, um resultado normal também não descarta a possibilidade do câncer.
    • Exame de sangue. O médico inserirá uma agulha em seu braço para coletar sangue e enviá-lo para análise, que procurará a presença do antígeno prostático específico, ou PSA. Trata-se de uma proteína específica encontrada na próstata. Considera-se normal um nível de 4 ng/ml ou menos de PSA no sangue. Caso o nível esteja entre 4 ng/ml e 10 ng/ml, há uma chance de 25% de câncer de próstata. Se os níveis estiverem acima de 10 ng/ml, há a chance de 50% de câncer de próstata. Apesar disso, os exames podem apresentar resultados falso positivos ou falso negativos. Os níveis elevados podem não indicar câncer ou outra doença, servindo apenas como guia, assim como os níveis normais não indicam que você não possui câncer. A ejaculação (atividade sexual recente), a infecção da próstata, o exame de toque e o ciclismo (andar de bicicleta pressiona a próstata) podem aumentar os níveis de PSA. As pessoas sem sintomas, mas com níveis elevados de PSA, devem repetir o exame após dois dias. Caso os dois exames apresentem níveis elevados, recomenda-se a realização de um exame de toque ou biópsia da próstata (uma agulha é inserida para remover um pedaço do tecido da próstata para análise) caso você apresente algum sintoma. O câncer pode ocorrer até mesmo com resultados normais no exame.
    • Ultrassonografia transretal. Uma pequena sonda lubrificada é inserida no reto, emitindo ondas sonoras que produzem uma imagem na tela. O médico deve procurar por anomalias no tamanho, na forma e na textura. Nem sempre esse método é capaz de diferenciar o câncer de próstata de outros cânceres.
    • Biópsia. Utilizando a ultrassonografia transretal como guia, uma agulha é inserida na glândula prostática para a remoção de uma amostra para análise. O médico deve recolher amostras de mais de uma área para realizar um exame definitivo de câncer de próstata e HPB. Esse exame deve ser realizado caso o profissional suspeite de câncer mas os outros exames tenham obtido resultados negativos. Um patologista utilizará a pontuação de Gleason para analisar a biópsia da próstata. Uma pontuação de um a cinco será dada à análise, sendo que cinco representa a presença de células cancerígenas e um representa a presença de tecido normal. Caso haja a presença de câncer, a biópsia resultará em uma pontuação três ou mais alta.
  3. Saiba que o médico pode solicitar outros exames caso ele suspeite de outro diagnóstico. Por exemplo, ele pode solicitar um exame de urina caso suspeite de uma infecção no trato urinário. A análise da urina exibirá uma grande contagem de glóbulos brancos e de nitritos caso haja uma infecção bacteriana.
    • Hiperplasia prostática benigna – os mesmos exames são realizados para determinar a presença de HPB e câncer de próstata, pois os resultados costumam coincidir. Apesar disso, a biópsia não exibirá nenhuma célula cancerígena.
    • Prostatite – a próstata ficará sensível ao toque, diferentemente do câncer.

Compreendendo o câncer de próstata

  1. Aprenda mais sobre a próstata. Trata-se de uma glândula localizada abaixo da bexiga e na frente do reto nos homens. Do tamanho de uma noz na juventude, ela cresce conforme o homem envelhece. Sua função é produzir alguns dos fluídos que nutrem os espermatozoides que compõem o sêmen. A uretra, o caminho pelo qual os homens urinam e ejaculam, passa pela próstata no caminho da bexiga.
  2. Entenda o desenvolvimento do câncer de próstata. Quando o câncer, um tumor maligno, surge na próstata, as células da glândula começam a crescer rapidamente, formando uma massa. Por conta da localização, a bexiga, a uretra e os músculos ao redor são afetados. O câncer de próstata possui diversos estágios:
    • O câncer em estágio inicial é conhecido como câncer de próstata localizado. Ele está contido na próstata e pode estar presente por anos sem causar problemas.
    • O estágio avançado é caracterizado com o espalhamento do câncer além da próstata, invadindo outras partes do corpo. O câncer de próstata pode se espalhar para os nódulos linfáticos na pélvis e para outras partes do corpo através da corrente sanguínea, incluindo os pulmões e os ossos.
  3. Conheça os fatores de risco. Alguns dos fatores de risco para o câncer de próstata podem ser controlados, como aqueles relacionados ao estilo de vida. Outros, entretanto, não podem ser controlados. Apesar disso, é bom saber quando se corre mais riscos para que diagnósticos e tratamentos possam ser realizados o quanto antes. Os fatores de risco incluem:
    • Idade. Por mais que o câncer possa surgir em pessoas jovens, o risco para quem tem menos de 40 anos é mínimo. O risco aumenta drasticamente após os 50 anos de idade, sendo que seis em cada dez casos ocorrem após os 65 anos.
    • Etnia. Por mais que as razões não estejam claras, o câncer de próstata ocorre com maior frequência em homens negros. Os homens negros possuem cerca de duas vezes mais chances de morrerem por conta do câncer.
    • Geografia. Apesar de não estar claro o papel do ambiente na formação do câncer, a América do Norte, a Austrália, as Ilhas do Caribe e o Noroeste Europeu são regiões com mais riscos do que a Ásia, a África, a América Central e a América do Sul.
    • Genética. A presença de um pai ou irmão com câncer de próstata dobra o risco de você desenvolver a doença. Os homens com muitos parentes afetados, principalmente durante a juventude, correm ainda mais riscos.
    • Dieta. Os homens que consomem altos níveis de carne vermelha e laticínios integrais aparentam possuir mais chance de desenvolver o câncer de próstata, principalmente por tenderem a consumir menos frutas e vegetais. Os médicos não tem certeza de qual desses fatores é o responsável pelo aumento do risco.
    • Obesidade. Alguns estudos descobriram uma associação entre o câncer de próstata e o aumento do índice de massa corporal. A relação era maior com os cânceres avançados. Um estudo recente descobriu que a obesidade em homens negros causa um aumento do risco de câncer de próstata de baixo ou alto grau.
    • Fumar. Diversos estudos associaram o consumo de tabaco com o aumento das chances de câncer de próstata. Apesar disso, alguns estudos não exibem nenhuma relação entre os dois. Algumas pesquisas estabeleceram uma relação entre o uso do cigarro a um aumento do risco de morte por conta do câncer de próstata, mas essa descoberta ainda precisa ser confirmada por mais estudos.
    • Inflamação da próstata (prostatite). Alguns estudos encontraram uma relação entre a prostatite e o câncer de próstata, mas o elo ainda não é claro ou definitivo. Além disso, diversas amostras de tecido dos cânceres de próstata exibem inflamação ao serem observados em um microscópio.

Dicas

  • A taxa de diagnóstico do câncer de próstata é de um a cada 10 mil homens com menos de 40; um a cada 38 homens entre 40 e 59 anos e um a cada 14 homens entre 60 e 69 anos.
  • Há um exame novo que produz um resultado dos níveis de PSA no sangue em dez minutos. Trata-se de um dispositivo portátil no qual amostras de sangue são inseridas para análise. Pergunte ao seu médico se esse exame está disponível para você.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.