Como Eliminar Parasitas

Infecções parasitárias são muito mais comuns do que se pode imaginar, e podem variar de leves a severas. Um diagnóstico profissional é sempre recomendado, e a prescrição de tratamentos medicamentosos é geralmente necessária quando se lida com infestações graves. Entretanto, felizmente algumas infecções leves e moderadas podem ter tratamento caseiro.

Diagnóstico

  1. Familiarize-se com alguns parasitas comuns. Há várias espécies de parasitas intestinais, mas apenas dois tipos principais: helmintos e protozoários.
    • Helmintos são organismos multicelulares e são mais comumente conhecidos como vermes. Alguns dos mais comuns são tênias, oxiúros e ascarídeos (lombrigas).
    • Protozoários são unicelulares, e ao contrário dos helmintos, podem se multiplicar dentro do corpo humano. Os mais comuns são a giárdia e o cryptosporidium.
  2. Conheça os sintomas. Os sintomas exatos podem variar dependendo do parasita, sendo possível que ele fique no organismo por anos antes que os sinais se manifestem.
    • Mesmo assim, há alguns sintomas que aparecem na maioria das pessoas infectadas. Eles incluem dor abdominal, diarreia, disenteria, náusea, vômito, inchaço, coceira ao redor do ânus, fadiga e perda de peso inexplicada.
    • Quando a pessoa está infectada por um helminto, partes do parasita podem ser encontradas nas fezes.
  3. Entenda os fatores de risco. Uma vez que os sintomas mais comuns aparecem também junto com outras condições de saúde, os fatores de risco devem ser avaliados para determinar se os parasitas são a causa dos problemas.
    • Caso você viva em uma área onde se sabe que há parasitas, o risco de infecção aumenta dramaticamente. Isso é especialmente verdadeiro quando se viaja para países com saneamento deficiente.
    • Geralmente, saneamento e higiene deficientes são fatores de risco para o desenvolvimento de parasitas.
    • Pessoas com sistema imunológico enfraquecido são mais propensas a serem infectadas. Isso inclui crianças e idosos, bem como qualquer pessoa com uma condição de saúde anterior que enfraqueça o sistema imunológico, como HIV.
  4. Marque uma consulta com o médico. Caso você ache que está com infecção causada por parasita intestinal, consulte o médico.
    • A primeira coisa que você deve fazer é consultar o médico, mesmo que queira eliminar o parasita com remédios caseiros.
    • O médico realizará testes padrão a fim de determinar a existência de parasitas.
      • Muito provavelmente, o médico pedirá uma amostra de fezes para exame.
      • Para verificar a existência de infestação por oxiúros, o médico pressionará uma fita gomada nas regiões anal e perianal do paciente para exame microscópio posterior, e caso o resultado seja positivo, a fita estará cheia de ovos.
      • Caso a condição seja séria ou urgente, o médico pode querer diagnosticar o problema por meio de raios-X.
  5. Mantenha contato com o médico. Caso a infecção parasitária seja diagnosticada e tratada, agende uma consulta de retorno ao médico depois que o tratamento terminar.
    • Na maioria dos casos, o médico solicitará exame de fezes novamente, e caso ainda exista a infecção, há necessidade de tratamento adicional.
    • Uma vez que a infecção acabe, o médico lhe dará instruções para evitar reinfecção. A reinfecção pode ser mais perigosa do que a infecção inicial.

Autocuidado básico

  1. Remova carboidratos simples de sua dieta. Evite todos os tipos de açúcares, exceto mel, e opte por alimentos integrais em vez dos equivalentes refinados. Evite também a maioria dos sucos e laticínios.
    • Os parasitas se desenvolvem ao absorver açúcar, portanto, quaisquer carboidratos simples que sejam consumidos fornecerão combustível para que eles continuem a viver.
    • De maneira ideal, deve-se evitar a maioria de fontes de açúcar durante uma ou duas semanas durante o tratamento, e depois por mais uma ou duas semanas enquanto o organismo se recupera.
  2. Consuma certas sementes e nozes. Alguns estudos preliminares sugerem que sementes de abóbora, mamão papaia e amêndoas podem ajudar a curar infecções parasitárias intestinais. Tente consumir um ou dois punhados por dia desses alimentos durante, pelo menos, duas semanas, ou pelo tempo de duração da infecção.
    • Caso você não consiga ingerir as sementes e nozes sozinhas, considere adicioná-las a iogurtes, vitaminas e outros alimentos.
    • Por exemplo, triture as sementes de um mamão papaia médio e misture a massa resultante a 1 colher de sopa (15 ml) de óleo de coco e 1 copo (250 ml) de leite de coco. Acrescente à mistura a polpa do mamão e de 1 a 2 colheres de sopa (15 a 30 ml) de mel orgânico. Beber a mistura por sete dias consecutivos pode ser o suficiente para eliminar infestações parasitárias leves e moderadas.
  3. Inclua em sua dieta frutas e vegetais antiparasitários. Algumas frutas e vegetais têm o potencial de combater parasitas. Portanto, consuma a maior quantia possível desses alimentos, até que os parasitas tenham desaparecido por completo.
    • Algumas das frutas mais úteis incluem abacaxi, amora, romã e papaia, sendo possível consumi-las frescas ou beber o seu suco. Caso não goste do gosto dessas frutas, a maioria pode ser adquirida em forma de suplemento.
    • Vários vegetais potencialmente úteis incluem cebola, alho, repolho, couve, beterraba e cenoura. Caso não queira alterar a dieta de maneira tão radical, faça mudanças sutis e use mais cebola e alho para temperar os alimentos.
  4. Limpe o organismo. Os parasitas intestinais vivem no trato digestivo, portanto limpar o organismo minuciosamente pode expulsar os parasitas.
    • Beber em abundância água e líquidos sem açúcar pode ajudar a eliminar os parasitas.
    • Consumir mais fibras também pode ajudar, especialmente se o parasita for um verme. Entretanto, isso talvez não seja tão eficaz para parasitas unicelulares.
  5. Restaure as bactérias benéficas com probióticos. Probióticos são bactérias benéficas que mantém o trato digestivo saudável, e consumi-los pode fortalecer o organismo naturalmente à medida que eles combatem o parasita invasor.
    • A maioria dos iogurtes contém Lactobacillus acidophilus, e consumir uma ou duas doses do produto por dia pode restaurar gradativamente o equilíbrio bacteriano nos intestinos.
    • Como alternativa, pode-se consumir probióticos em forma de suplemento. Siga as instruções de dosagem na embalagem para saber quanto consumir e com que frequência.
  6. Fortaleça o sistema imunológico. O organismo precisa de vários nutrientes para permanecer saudável, e vitamina C e zinco são especialmente importantes para um sistema imunológico sadio. Dormir as horas recomendadas de sono todos os dias também estimulará o sistema imunológico e permitirá que o organismo combata a infecção.
    • Como regra geral, tente ingerir 90 mg de vitamina C e 20-30 mg de zinco todos os dias. Os nutrientes podem ser encontrados nos alimentos ou em forma de suplemento.
    • Ao combater uma infecção parasitária, tente dormir de oito a nove horas diariamente.

Remédios caseiros não verificados

  1. Consuma terra diatomácea de grau alimentar. É uma substância natural que contém sílica e oligoelementos, e, quando ingerida corretamente, pode matar parasitas maduros, larvas e ovos. Além disso, pode melhorar a saúde digestiva geral.
    • Use apenas terra diatomácea segura para consumo humano. Outras variedades podem ser prejudiciais se ingeridas.
    • Inicie o tratamento dissolvendo 1 colher de chá (5 ml) de pó do suplemento em 250 ml de água. Beba a solução uma vez ao dia. Se necessário, aumente gradualmente a dose para 1 ou 2 colheres de sopa (15 ou 30 ml), caso a infecção persista por várias semanas.
  2. Experimente vinagre de maçã. A vitamina B presente no vinagre pode ajudar a fortalecer o organismo à medida que ele combate a infeção, e o pH ácido ajuda a neutralizar o pH do corpo e a melhorar a saúde digestiva.
    • Inicie com a ingestão de 1 colher de chá (5 ml) de vinagre de maça três vezes ao dia. Recomenda-se ingerir o vinagre 30 minutos antes de cada refeição a fim de melhorar a sua absorção.
    • Caso consiga ingerir inicial, aumente-a gradualmente para 1 colher de sopa (15 ml).
  3. Use ervas e temperos. Acredita-se que certas ervas e temperos ajudam a fortalecer o organismo e a combater parasitas invasores. A maioria pode ser adquirida em forma de cápsulas, pós e chás.
    • Ervas normalmente usadas contra parasitas incluem berberis, hidraste, uva do Oregon, anis, absinto, hortelã e noz preta.
    • De maneira similar, a canela também pode ter propriedades antiparasitárias. Adicione a especiaria às refeições ou beba uma solução feita de ½ colher de chá (2,5 ml) de canela e 250 ml de água, até três vezes ao dia.
    • Algumas ervas podem ter efeitos tóxicos quando ingeridas por períodos prolongados, e outras podem interferir negativamente em outras medicações. Pesquise cuidadosamente cada erva antes de ingeri-la medicinalmente.
  4. Ajude o organismo com óleo. Particularmente, tanto o óleo de oliva como o óleo de coco podem ajudar a eliminar os parasitas.
    • Use óleo de oliva ou de coco para cozinhar os alimentos em vez de usar manteiga, margarina ou outros tipos de óleo de cozinha.
    • Para ajudar o organismo a combater a infecção, considere também a ingestão adicional de óleo. Dissolva até 2 colheres de sopa (30 ml) de óleo de coco em chá quente. Coloque de 1 a 2 colheres de sopa (15 a 30 ml) de óleo de oliva em vegetais ou consuma-o sozinho.
  5. Fique de molho em uma banheira de sal de Epson. Dissolva ½ copo (125 ml) de sal de Epson em uma banheira cheia de água quente, e permaneça na água de 15 a 20 minutos.
    • Mesmo que o banho de sal não mate os parasitas, pode ajudar a remover as toxinas deixadas por eles, o que ajuda o organismo a combater a infestação. A água salgada drena essas toxinas através dos poros.
  6. Considere tomar neem. O óleo de neem é um antigo remédio antiparasitário popular indiano, e pode ser consumido em cápsulas ou chá. As suas propriedades matam parasitas e limpam as toxinas deixadas por parasitas moribundos, o que também pode ajudar a restaurar a saúde do fígado depois da infecção.
    • Siga as instruções de dosagem que acompanham o suplemento. Elas variam, dependendo da gravidade da infecção, idade e saúde geral. É melhor conversar com o médico antes de ingerir o suplemento a fim de evitar riscos de complicação.
    • A planta Neem não é segura para mulheres grávidas ou que estejam amamentando, pois pode machucar gravemente o bebê ou provocar a sua morte. Pode também ser tóxica para crianças.
  7. Continue de maneira lenta e regular. À medida que os parasitas são eliminados dos intestinos, é possível que o paciente sinta grande desconforto corporal e dor abdominal. Caso o tratamento seja realizado muito rápido, o desconforto aumentará.
    • Caso esteja recebendo tratamento supervisionado pelo médico, siga o cronograma para assegurar o benefício máximo.
    • Quando se está dependendo apenas de um tratamento caseiro, deve-se tentar estendê-lo por várias semanas. Mantenha uma dieta antiparasitária por algumas semanas antes de iniciar um dos tratamentos suplementares (vinagre de maçã, terra diatomácea, óleo de neem, etc).

Tratamento médico

  1. Tome metronidazol. Esta droga age muito bem contra a maioria dos parasitas protozoários, sendo uma das mais comumente prescritas.
    • Normalmente, o medicamento é ministrado por via oral, mas a dosagem pode variar dependendo do tipo de parasita e do histórico médico pessoal do paciente. O tratamento geralmente dura vários dias.
    • Em casos graves, o paciente pode receber metronidazol intravenoso.
    • Efeitos colaterais comuns incluem náusea, erupções cutâneas e infecções vaginais. Quando tomada oralmente, a droga é conhecida por deixar um gosto ruim na boca.
  2. Tente ivermectina. A maioria dos médicos prescreverá este medicamento caso o paciente esteja sofrendo com oxiúros ou lombrigas no intestino delgado.
    • A droga paralisa os parasitas, permitindo que o organismo elimine-os de maneira mais eficaz.
    • Geralmente, o medicamento é tomado em dose única.
    • Efeitos colaterais comuns incluem erupções, tontura, fatiga e dor abdominal.
  3. Use albendazol. Essa é uma droga muito poderosa, normalmente usada contra tênias, mas também é possível que o médico a prescreva para outros tipos de vermes .
    • O medicamento envenena o parasita e o deixa incapaz de absorver açúcar, causando a sua morte.
    • A droga é ingerida oralmente, mas a dosagem depende da gravidade da infecção e do peso do paciente.
    • Efeitos colaterais comuns incluem náusea, dor abdominal, vômito, diarreia, dor de cabeça e tontura.
  4. Converse com o médico sobre outras medicações. Dependendo do tipo do parasita e do histórico médico pessoal do paciente, existe a possibilidade de o médico prescrever um tratamento medicamentoso diferente dos três primeiros.
    • Cada medicamento trabalha de maneira específica. Alguns requerem dose única, enquanto outros podem requerer doses contínuas por várias semanas. Independente das características específicas, a medicação deve ser ministrada como prescrita para maximizar a eficácia.
    • Outras drogas usadas para tratar giárdia e parasitas protozoários similares incluem tinidazol, que é ministrado em dose única, e nitazoxanida, que é líquida e fácil de ser consumida.
    • Mebendazol é outra droga comumente usada contra oxiúros e lombrigas. Praziquantel e nitazoxanida são outros antiparasitários normalmente usados contra infecções por tênias.

Avisos

  • Fale com o médico antes de começar qualquer tratamento contra parasitas. Alguns são mais eficazes contra certos parasitas do que contra outros, e, portanto, obter um diagnóstico exato facilitará a eliminação do parasita invasor.
  • As complicações variam dependendo de vários fatores, mas geralmente ocorrem mais comumente em idosos e pacientes que apresentem outras doenças graves, como HIV.
  • A infecção parasitária intestinal também pode ser mais grave em mulheres grávidas ou amamentando, e alguns tratamentos não são seguros para elas. Caso a mulher apresente uma infecção parasitária enquanto grávida ou amamentando, cuidados médicos supervisionados são essenciais para a saúde geral da mãe e do bebê.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.