Como Ganhar uma Discussão

Discutir com alguém pode ser uma experiência extremamente estressante. Você pode acabar tão envolvido em "ganhar" que acaba até esquecendo de escutar a outra pessoa. Ficar calmo, fazer uma pausa e argumentar de forma tranquila e racional (em vez de gritar, levantar a voz ou chorar) pode fazer toda a diferença. Não existem garantias para sair vencedor, mas você se sairá bem e pode levar o que aprendeu para futuras discussões bem-sucedidas.

Se Expresse de Maneira Adequada

  1. Fique calmo. Um dos pontos chaves para ganhar a discussão é ficar calmo. Quanto mais bravo e perturbado você ficar, mais difícil será comunicar seu ponto de vista efetivamente. É preciso praticar e quanto melhor você conseguir tomar as rédeas do seu temperamento, mais fácil será argumentar de forma efetiva.
    • Se isso não for possível, lembre se respirar durante a discussão. Pode ser tentador falar o mais rápido e alto possível, mas quanto mais tempo você levar para dizer o que precisa, mais calmo permanecerá.
    • Mantenha sua linguagem corporal aberta e não defensiva. Você pode usar seu corpo para enganar seu cérebro e acalmá-lo. Não cruze os braços na frente do peito, mantenha-os soltos ao seu lado e use-os para se comunicar.
    • Não levante a voz. Trabalhe para manter a voz uniforme. Se você costuma chorar em momentos de muita emoção, como raiva, trabalhe na sua respiração. Inspire e conte até certo número (como 4) e então expire estendendo a contagem por mais dois tempos (como 6). Isso ajuda a ficar calmo.
  2. Abra mão da necessidade de ter a palavra final. Antes de entrar em um conflito grande, lembre que nem sempre terá a palavra final, mesmo se estiver certo. Fique contente em argumentar a questão bem e efetivamente, mesmo se isso não mudar a cabeça da outra pessoa. Isso significa que a discussão não vai continuar, pois ambos os lados se recusam a ceder a palavra final para o outro.
    • Um pequeno comentário extra pode ser muito prejudicial se você estiver em um relacionamento com a pessoa com quem está discutindo (se não estiver, as notícias correm e isso pode acabar fazendo mais mal no longo prazo). Se a discussão chegou ao fim, ambos os lados colocaram seus pontos de vista e não há mais nada a dizer. Deixe as coisas como estão.
  3. Pare por um momento. É o melhor a fazer antes de entrar em uma discussão, para que você e a outra pessoa tenham a chance de respirar fundo e organizar o que têm a dizer. Pode ajudar deixar o assunto ou assuntos descansarem um pouco antes de lidar com eles.
    • Você pode fazer isso com seu parceiro, chefe, amigo, etc. Quando um problema surgir e causar atrito, peça um pouco de espaço e tempo para pensar e então marque um horário para tratar do assunto.
    • Exemplo: você e seu parceiro começaram a brigar sobre lavar a louça, o que acaba te levando a acusá-lo de não fazer uma parte igual do trabalho doméstico (um problema comum). Diga: "Quero conversar, mas preciso de tempo para esfriar a cabeça e conseguir falar sobre isso com calma. Que tal amanhã depois do trabalho?". Então, você tira um tempo para pensar nas razões para se sentir dessa maneira, dar exemplos específicos e oferecer uma solução possível.
    • Pode ser uma boa hora para pensar se a discussão vale a pena. Muitas vezes coisas que surgem no calor do momento acabam não sendo nada quando você tem a chance de se afastar e ver as coisas com clareza.
  4. Esteja aberto a escutar o lado da outra pessoa. Geralmente não há um lado certo nas discussões e sim dois pontos de vista alternativos e interpretações diferentes. Você precisa estar aberto para outras versões e seus exemplos, mesmo se não concordar no final. As outras pessoas podem (e provavelmente vão) levantar questões válidas.
    • Por exemplo: você e seu chefe começam a discutir sobre como ele te trata (você acha que ele é intimidador e diz coisas incrivelmente ofensivas). Ele diz que o seu comportamento é o problema. Pare e pense. Talvez sua atitude tenha piorado as coisas (em vez de confrontá-lo imediatamente sobre seu comportamento, você optou por uma abordagem mais passiva-agressiva). Admitir sua parcela de culpa fará com que ele se acalme, porque você está reconhecendo sua parte de responsabilidade no problema, ao mesmo tempo em que explica que o seu comportamento estava ligado e foi desencadeado pelo dele.
    • Observe suas reações instintivas (é por isso que tirar um tempo para pensar é tão útil). O que você achou imediatamente pode não ser verdade (por exemplo, se alguém oferecer evidência ou argumentos que desafiam sua visão de mundo). Tente pesquisar em fontes confiáveis antes de começar a gritar aos quatro ventos sobre como está certo.
    • Em algumas situações você pode entrar em conversas com alguém que está total e completamente errado (geralmente quando se discute assuntos como racismo ou discriminação de gênero, etc). Você não vai ganhar essa discussão porque a outra pessoa quase nunca abandonará sua visão de mundo (como acreditar que racismo ou sexismo não existem). Não estimule essa pessoa.

Durante a Discussão

  1. Tenha intenção positiva. Para que uma discussão acabe bem, especialmente bem em seu favor, você precisa convencer o outro lado de que tem boas intenções durante sua argumentação. Se você acha que a discussão tem algum propósito no seu relacionamento com a outra pessoa, ela vai sentir e você terá uma chance melhor de comunicar o que está pensando.
    • Antes de entrar na discussão lembre porque se importa com essa pessoa e com o relacionamento (pode ser algo simples como "esse é meu chefe e eu precisarei da boa vontade dele algum dia" ou "essa é minha filha, eu gosto muito dela e estou preocupado com as decisões que ela tem tomado ultimamente").
    • Isso não significa que você precisa ser condescendente. Nunca diga "Estou dizendo para o seu próprio bem" ou "Só quero que você seja uma pessoa melhor". A pessoa vai se fechar completamente.
  2. Esteja presente no momento. Isso significa reconhecer o que está acontecendo com você em vez de tentar fazer a discussão acabar logo. Isso significa não entrar em uma competição de quem fala mais alto e considerar que tudo acabou. Isso significa prestar atenção nos sentimentos e argumentos da outra pessoa.
    • Tente evitar discutir em um lugar com muita gente e com muitas distrações. Não tenha esse tipo de discussão quando for ser interrompido por telefonemas e mensagens de texto (melhor desligar o celular ou colocar no modo silencioso).
    • Dê um nome para o que está acontecendo com você. Isso significa que quando seu coração começar a acelerar e as suas mãos começarem a suar, você descreve o que está acontecendo com palavras (exemplo: estou ansioso porque estou com medo de que essa discussão faça minha mulher me abandonar, etc).
  3. Exponha seus pontos. Quanto mais claros e específicos eles forem, mais fácil será fazer a outra pessoa entender o que você quer dizer. Você não precisa fazer generalizações vagas como "você nunca ajuda na casa", porque inevitavelmente a outra pessoa vai citar uma vez que ela ajudou e não vai desconsiderar o que você disse.
    • Quanto mais específico melhor: se estiver brigando com seu chefe, por exemplo, ofereça exemplos específicos de alguma vez que ele te tratou mal e descreva como você se sentiu (falando mal do seu desempenho na frente de outras pessoas, usando xingamentos, coisas que ele disse sobre você pelas suas costas, etc).
    • É por isso que quando um problema acontece em um relacionamento (qualquer um), você deve documentar para mostrar que é um padrão e não um incidente isolado.
    • Se estiver discutindo sobre política ou religião, fale apenas sobre o que você realmente sabe. Você precisa apresentar fatos específicos e evitar falácias lógicas (discutidas abaixo). Lembre que, especialmente nesse tipo de assuntos, as pessoas têm muita dificuldade de se manterem calmas e apresentar seus pontos de vista de maneira racional.
  4. Escute. Você precisa escutar a outra pessoa de verdade e considerar seu ponto de vista. Uma discussão envolve duas (ou mais) pessoas que têm pontos de vista diferentes sobre algo. É raro que uma delas esteja completamente errada e a outra completamente certa. Para ganhar a discussão você precisa prestar atenção para que a outra pessoa sinta que foi ouvida e que teve seus argumentos considerados.
    • Quando a outra pessoa estiver falando, olhe nos olhos dela e escute de verdade. Não comece a pensar no que vai dizer em seguida antes de ela terminar de falar.
    • Se você se distrair ou ficar confuso faça perguntas para garantir que entendeu o que foi dito.
    • É por isso é que bom conversar em um lugar sem distrações, para se concentrar apenas na conversa. Se você não puder escolher o lugar, procure um canto reservado e que fique longe dos olhares alheios.
  5. Gerencie suas reações. Pode ser muito fácil se deixar levar pela discussão no calor do momento. Você pode ficar chateado ou até mesmo irritado. Isso é perfeitamente normal, mas o melhor a fazer é tentar manter a calma, mantendo a respiração profunda até a barriga.
    • Muitas vezes pode ser bom dizer a outra pessoa como você está se sentindo. Diga algo como: "Desculpe, mas eu estou bastante chateado de escutar você dizer que eu sou preguiçoso. O que eu fiz para você pensar isso?".
    • NUNCA recorra a xingamentos e violência física. Esses comportamentos são incrivelmente prejudiciais e abusivos e não existe razão para usar essas táticas (o único motivo para usar violência é se alguém te machucar e você temer por sua vida; tente sair da situação o mais rápido possível).
    • Evite tratar as pessoas como idiotas (independente da sua opinião) sendo arrogante, sarcástico, imitando o que elas dizem ou rindo quando elas expressam suas preocupações.
  6. Evite certas expressões. Algumas expressões parecem ter sido criadas para irritar. Se você quiser ter uma conversa de verdade (e não apenas acabar com alguém ou impor seu ponto de vista), evite-as como uma doença.
    • "No fim das contas..." – Essa expressão não tem grande significado, mas pode fazer seu oponente querer te socar.
    • "Bancando o advogado do diabo..." – As pessoas que usam essa expressão acham que estão acima de tudo, como de escutar a outra pessoa (elas fingem fazer isso, mas tudo o que querem é impor seu ponto de vista [geralmente o ponto de vista do advogado do diabo]. Ou isso ou elas querem apenas direcionar a conversa.
    • "Que seja..." – Se você estiver tentando conversar com alguém e você ou a outra pessoa ficarem fazendo comentários como "que seja..." ou "tanto faz..." para os pontos levantados, não estão conseguindo se envolver respeitosamente e precisam adiar a discussão para outra hora ou indefinidamente.

Evite Falácias Lógicas

  1. Entenda o que são falácias lógicas. Há certos argumentos que podem enfraquecer sua argumentação porque se baseiam em raciocínios falhos. Se você estiver se baseando em falácias lógicas para convencer seu oponente, reconsidere sua argumentação.
    • É por isso que é uma boa ideia ter uma noção do que você quer dizer antes da conversa. Assim você pode ver se há furos ou falácias no argumento.
    • Se você notar que a pessoa falando com você está usando uma dessas falácias, aponte isso. Você pode dizer, por exemplo, "Você disse que 70% das pessoas não apóiam o casamento gay, mas isso também pode ser dito sobre a escravidão 100 anos atrás. Você quer basear sua argumentação nesse fato?".
  2. Evite usar um espantalho. Esse tipo de falácia é muito aparente e acontece quando você basicamente simplica demais o argumento do oponente e então argumenta contra o ponto imaginário que você diz que ele está defendendo, em vez do real (é por isso que ouvir é tão importante).
    • Um exemplo desse caso é "todas as feministas odeiam os homens" e então argumentar contra isso em vez de tratar das preocupações que todas elas têm sobre a igualdade entre os sexos (ignorando a diferença salarial, violência de gênero, pesquisa que mostra que os homens tendem a dominar discussões).
    • Esse tipo de argumento desvia a conversa porque a outra pessoa (ou você) é forçada a ficar explicando que o seu ponto de vista é mais complexo do que "você nunca faz nada direito" para seu parceiro.
  3. Evite equivalência moral. Essa falácia envolve comparar erros pequenos com grandes atrocidades. Acontece sempre na esfera política e e é algo a ser evitado porque irrita a outra pessoa e ela tende a ouvir menos seu ponto de vista.
    • Um exemplo é comparar a presidente Dilma (ou Fernando Henrique ou outra pessoa) com Hitler. Isso basicamente significa dizer que alguém que está fazendo algo com o que você não concorda é semelhante a alguém que orquestrou o mais horrível assassinato em grande escala de grupos inteiros de pessoas. A não ser que alguém esteja realizando genocídio sistemático, evite a comparação com Hitler.
    • Se o seu argumento depende de equivalência moral, pense novamente sobre o que realmente quer dizer.
  4. Evite bastante os ataques “ad hominem”. Isso é basicamente quando você ataca alguém com base em sua aparência e seu caráter em vez de argumentar contra suas opiniões. As mulheres, especialmente, são alvo desse tipo de ataque a sua aparência física independente do que estão falando.
    • Exemplo: você está discutindo com sua mãe, chamar ela de idiota ou louca não tem nada a ver com a discussão e tudo a ver com o caráter dela.
    • Esse tipo de ataques apenas deixa o outro lado menos aberto ao seu ponto de vista. Se você estiver sendo atacado dessa forma, chame a atenção para esse fato ou saia da discussão (muitas vezes as pessoas que fazem ataques pessoais não estão abertas a ouvir seu lado).
  5. Não caia na falácia “ad populum”. Ela apela para as emoções, falando sobre conceitos "positivos" e "negativos" em vez de tratar do argumento real. Essa falácia também é muito usada na esfera política.
    • Exemplo de “ad populum”: "Se você não apóia a guerra do Iraque, não é um verdadeiro americano (você é um terrorista)." Dizer algo assim quando estiver discutindo um problema real, independente da validade do motivo para a guerra, está apenas colocando em pauta o patriotismo de quem não apóia a guerra, o que é basicamente inútil e não significa nada.
  6. Não use a falácia do terreno escorregadio. Ela é muito usada em diferentes esferas: política, pessoal, social. Pode parecer muito convincente, mas não resiste a uma análise mais aprofundada. Ela basicamente baseia uma conclusão na ideia de que se A acontecer, então uma sequência de pequenos passos (B, C, D...) X, Y, Z também acontecerão. Essa falácia iguala A com Z, dizendo que não fazer A significa que Z não acontecerá.
    • Exemplo: Qualquer restrição a compra de armas pelo governo significa que ele quer tirar todos os direitos dos cidadãos. Se A for a restrição a compra de armas, o Z acontecerá, que é o governo tirar todos os direitos das pessoas. A não leva diretamente a Z (haveria muitas etapas no meio do caminho).
  7. Evite generalizações precipitadas. Elas são conclusões baseadas em muito pouca informação ou em dados falhos ou tendenciosos. Você faz isso quando se apressa para tirar uma conclusão ou argumentar sem reunir todos os fatos antes.
    • Exemplo: A nova namorada do seu amigo te odeia, mesmo se você só interagiu com ela uma vez. O problema aqui é que só houve um encontro. A namorada pode ser tímida ou estar em um dia ruim. Não existe evidência suficiente para saber que ela te odeia.

Dicas

  • É melhor conversar pessoalmente (a não ser que você tema pela sua vida). Se você estiver discutindo pelo telefone, siga as instruções para manter a calma e respirar fundo e seja específico sobre a situação.

Avisos

  • Não entre em discussões em mídias sociais, como o Facebook, Tumblr, Twitter, etc. Ninguém nunca ganha essas brigas e as pessoas que começam tendem a ser “trolls” (pessoas que insultam e provocam sistematicamente os usuários para que eles reajam).
  • Lembre que esse artigo só pode dar dicas para aumentar sua probabilidade de ganhar a discussão, mas não pode garantir a vitória.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.