Como Interagir com Alguém em uma Cadeira de Rodas

As pessoas usam cadeiras de rodas por muitas razões. Elas permitem a mobilidade, como um carro ou uma bicicleta. Se estiver interagindo com alguém que use uma pela primeira vez, pode ser difícil saber como agir. Você não quer passar dos limites ou ofender a pessoa sem querer, mas, ao mesmo tempo, quer ajudá-la e entendê-la. A coisa mais importante é lembrar que, no fim das contas, ela não é diferente de você.

Passos

  1. Evite assumir coisas sobre as habilidades físicas da pessoa. Você não sabe o que ela pode fazer. Só porque está numa cadeira de rodas, isso não quer dizer que esteja paralisada ou que seja incapaz de dar alguns passos. Algumas pessoas só usam a cadeira de rodas porque não podem ficar de pé por muito tempo ou têm alguma restrição de locomoção. Muitas vezes, gente que nem precisa dela aluga uma porque se cansa demais quando anda muito ou tem um problema de coração. Mesmo se a pessoa estiver paralisada, isso não quer dizer necessariamente que ela esteja completamente imobilizada. Não teste isso. Se a vir mover as pernas ou se levantar, não questione sua habilidade ou a falta dela e não fique surpreso.
  2. Cumprimente a pessoa na cadeira de rodas como faria com qualquer um. Estenda a mão, mesmo se ela estiver limitada no uso desta ou se tiver um membro artificial. Em geral, é apropriado oferecer sua mão independentemente da condição da pessoa.
  3. Fale diretamente com a pessoa que usa a cadeira de rodas. Se alguém a estiver acompanhando (empurrando a cadeira, por exemplo), não fale com o acompanhante sobre a pessoa na cadeira; por exemplo, dizendo "Ele/ela precisa de ajuda com...?" para descobrir como ajudar. Isso é terrivelmente rude e implica que a pessoa na cadeira de rodas não é capaz de responder sozinha. Sempre fale diretamente com ela e de maneira respeitosa. Se sua conversa acabar durando mais do que você esperava, sugira que vão a algum lugar, para que você se sente. Se não conseguir encontrar um banco ou algo assim, fique próximo, para que a pessoa não precise levantar a cabeça para olhar para você.
  4. Não se sinta mal por usar expressões como "vamos andando" ou "vamos dar uma volta". Essas frases são figurativas, não literais, e o usuário da cadeira de rodas entende isso. É mais desconfortável quando você dá voltas na conversa para evitar esse tipo de coisa, porque mostra que está pensando na condição da pessoa.
  5. Guarde suas observações para si mesmo. Comentários como "Nossa, que rapidinho você, hein?" ou "Passou tão rápido que eu nem vi", "Cuidado que ali tem um pardal, haha" são complacentes e depreciativos, só servem para que a pessoa com dificuldade de locomoção se sinta mais "diferente", em vez de menos. Não fale sobre a cadeira de rodas, a não ser que tenha uma pergunta direta ou um comentário válido sobre ela. Você faria comentários sobre velocidade se estivesse falando sobre as pernas de alguém? Você sente necessidade de comentar sobre os óculos de alguém? Veja a cadeira de rodas da mesma maneira que vê os óculos — uma ferramenta ocasionalmente irritante, mas, assim mesmo, útil para fazer o que se precisa e o que se quer fazer, e algo que não é da conta de ninguém além de quem está usando.
  6. Não dê tapinhas no ombro ou toque o usuário da cadeira de rodas (ou a cadeira em si), a não ser que tenha permissão. Como eles ficam na altura de uma criança, as pessoas tendem a dar tapinhas ou tocá-los instintivamente e, para qualquer um com problemas na coluna ou nas costas, isso pode ser doloroso; além disso, esse gesto pode ser visto como complacente. O mesmo vale para se apoiar ou tocar na cadeira de rodas em si.
  7. Ofereça ajuda quando for apropriado. Saiba que fazer isso pode ser um pouco complicado. Lembre-se de que, só porque a pessoa usa uma cadeira de rodas, isso não quer dizer necessariamente que ela precisa de assistência. Normalmente, ela prefere ficar independente e se orgulha do fato de que aprendeu a se adaptar bem o suficiente para ser assim. Se vir uma situação em que poderia ajudar a pessoa, pergunte antes. O que quer que faça, não mexa na cadeira de rodas sem permissão. Mesmo se ela não estiver sendo usada, movê-la para longe do alcance sem consultar antes não é uma boa ideia.
    • Esteja preparado para ouvir "não". Às vezes, o usuário da cadeira de rodas está bem sozinho (por exemplo, ele pode não querer que você remova a cadeira do lugar porque quer se sentar nela). Outras vezes, ele pode pedir que você faça outra coisa (por exemplo, "não preciso de ajuda para subir a rampa, mas você poderia, por favor, segurar a porta para mim?").
    • Uma vez que muitos usuários de cadeira de rodas já foram tratados com condescendência no passado, alguns podem parecer frios e rudes quando você oferecer sua assistência. Não deixe que uma resposta rude impeça você de oferecer ajuda ao próximo que precisar.
    • Não passe por alguém que pode ver que está com dificuldades apenas para evitar receber uma recusa. Alguns usuários de cadeiras de rodas também aceitam ajuda em algumas ocasiões, mas outros não. Por exemplo, oferecer-se para empurrar alguém rampa acima num dia fresco pode resultar numa resposta negativa, mas, num dia quente, pode ser que ele aceite.
  8. Aprenda a localização de rampas de acesso. Procure por elas perto de banheiros, elevadores e telefones no shopping, caso alguém lhe pergunte ou caso tenha que indicar o caminho. Nunca assuma de cara, porém, que a pessoa na cadeira de rodas é incapaz de encontrar o lugar sozinha. Ela sabe seguir o mapa do shopping tão bem quanto você. Mas não assuma que passar pelas escadas seja a única preocupação que alguém com dificuldade para se locomover terá; andar 100 metros a mais para evitar três lances de escada, muitas vezes, é um problema maior que passar pelas escadas (não é fácil impulsionar uma cadeira de rodas, manobrá-la por entre os obstáculos, como pessoas paradas e falando no meio do corredor, ou andar com bengalas). Pergunte: "qual é a maneira mais fácil para você fazer isso?". Escute e siga as instruções com cuidado.
  9. Respeite a pessoa mesmo quando não estiver interagindo com ela. Não seja uma daquelas pessoas que dificulta a vida de usuários de cadeira de rodas. Não é legal você sair de um banheiro para deficientes e encontrar alguém numa cadeira de rodas esperando para usá-lo, ou sentado num assento para deficientes ou parado com seu carro na vaga reservada. Quanto mais você tornar um hábito estar ciente das pessoas com dificuldade de locomoção no dia a dia, mais confortável ficará quando encontrar alguém em que usa uma cadeira de rodas (sim, nem todo mundo precisa usar os assentos marcados para pessoas com deficiência, mas gente com bengalas, andadores, muletas, etc. precisam, e alguns precisam ainda de cadeiras de rodas em aeroportos, etc. Pode ser que queiram trocar sua cadeira pela disponível no local. Às vezes, até pessoas cegas usam cadeiras de rodas porque alguém idiota que trabalha no aeroporto, etc. acha que assim é mais fácil ela conseguir chegar onde precisa. Entende o problema?).
    • Tente ficar ciente dos seus arredores, mesmo se não achar que há uma pessoa com deficiência na área. Não use banheiros acessíveis como armário de vassouras ou como seu vestiário pessoal, não coloque coisas no meio do corredor e não use ou obstrua vagas para deficientes em estacionamentos.
    • Quando estiver fazendo compras, tome cuidado com pessoas em scooters e cadeiras de rodas — tente ficar de um lado só do corredor, mantendo seus filhos ou companheiro(s) na mesma reta para não formar uma parede, e tente não parar de repente, virar-se de uma vez ou começar a andar para trás do nada. Compartilhe o corredor e ande como faria se estivesse dirigindo e saiba que usuários de cadeiras de rodas não têm freios e não gostam de ser forçados a dizer coisas como "Desculpe, mas eu posso passar?".
  10. Não compare um usuário jovem de cadeira de rodas com um velhinho. "Eita, se você colocar umas pérolas, pode até formar um time com a sua avó" é uma coisa rude para se dizer. Não faça isso.

Dicas

  • Não é rude pedir a seu amigo na cadeira de rodas para carregar alguma coisa. Muitas pessoas incapacitadas gostam de poder ajudar, então, podem oferecer carregar suas sacolas de compras, uma vez que é mais fácil para elas que para quem está andando. Aceite com dignidade.
  • Quando houver uma conversa entre um grupo de pessoas, não fique na frente de quem está na cadeira de rodas. Tente se lembrar de abrir um círculo para incluí-la.
  • Não pise nos pés da pessoa. Só porque ela não os está usando para andar, isso não quer dizer que eles não sejam parte de seu corpo.
  • Se for a um restaurante, tente encontrar um lugar de fácil acesso para a pessoa e mantenha o caminho até lá amplo e limpo.
  • Nunca abandone um carrinho em uma vaga de estacionamento, especialmente em uma ou perto de uma destinada a deficientes.
  • Quando estacionar, evite fazer isso perto de uma van com alguma marcação sobre deficientes que pareça estar mais distante de outros veículos. O ocupante dela pode precisar do espaço vazio ao redor para colocar sua rampa e retornar ao automóvel. Nem todas as vagas para deficientes têm espaço o bastante nas laterais para acomodar as rampas, que precisam de mais de 2,70 m para serem colocadas, portanto, às vezes, as vans param mais distantes dos outros carros para obter esse espaço necessário.
  • Quando estiver conversando com alguém em uma cadeira de rodas, sente-se, se possível. É muito cansativo ter que olhar para cima. Fica muito mais fácil ficar na mesma altura.
  • A cadeira de rodas é uma extensão do corpo de alguém, quando você pensa na questão de espaço pessoal. Você não colocaria a mão no ombro de qualquer um, etc., certo? Então, não faça isso com a cadeira sem necessidade.
  • Essas instruções, normalmente, se aplicam quando se interage com alguém usando algum aparelho que auxilie na mobilidade, como uma scooter. Trate alguém em uma como trataria uma pessoa em uma cadeira de rodas. São usadas pela mesma razão.
  • Respeite animais treinados. Pessoas com incapacidades físicas podem estar usando um. Se for o caso, lembre-se de que esses animais são muito bem treinados. Não os trate como bichinhos de estimação, não os alimente e não os distraia de qualquer maneira.
  • Quando estiver fazendo compras, não deixe todas as suas coisas a cargo da pessoa na cadeira de rodas. Isso é muito rude e pode fazer com que ela não aproveite a saída.
  • Se for o anfitrião de um evento, como uma festa ou um casamento, verifique se o lugar é acessível. Verifique o site e certifique-se de que não haja problemas para entrar no prédio, que haja espaço para a cadeira se mover facilmente, que os banheiros sejam equipados (um espaço amplo, com corrimãos firmes), e, se for um evento ao ar livre, que o chão ou a cobertura dele permitam que a cadeira de rodas se mova facilmente. Cascalho, areia ou superfícies macias ou muito irregulares representam um desafio.
  • Não julgue que a pessoa precisa de uma cadeira de rodas ou de alguma coisa para se locomover pela aparência. Por exemplo, alguém usando uma scooter em um mercado pode parecer saudável, mas talvez existam problemas médicos que não possam ser vistos, como uma doença degenerativa na espinha.

Avisos

  • Não classifique ou pense em pessoas que usam cadeiras de rodas como "inválidas" ou "doentes". Este objeto serve para ajudar alguém a lidar com problemas de mobilidade que podem ser resultado de várias condições médicas. Muitos usuários dele o veem como uma maneira de ganhar liberdade, porque, sem a cadeira, ficam muito limitados em relação a onde podem ir e ao que podem fazer. É importante que você se lembre de que eles não têm nada contagioso nem problemas mentais, e não gostam ou desejam sua piedade.
  • Se você não conhecer o usuário da cadeira de rodas pessoalmente, não pergunte por que ele usa uma. Isso pode ser interpretado como um gesto rude ou insensível. No entanto, se estiver ficando amigo dele, não tenha medo de perguntar quando for apropriado. Tente não fazer isso na frente dos outros.
  • Muitas pessoas com dificuldade de locomoção gostam de falar com crianças e explicar por que usam uma cadeira especial ou uma "bicicleta", mas algumas não. Embora a maioria goste de conversar a respeito, nem todo mundo deseja falar sobre isso. Mas reafirme para a criança que não é errado perguntar. Quanto mais informação ela tiver sobre os diferentes tipos de deficiência, mais confortável ficará quando se deparar com uma no futuro.
  • Uma vez que a cadeira de rodas, como os óculos, é uma extensão da pessoa, ela deve ser tratada dessa forma. Não a toque ou faça menção de empurrá-la, a não ser que lhe deem permissão explícita para fazer isso. Isso é mais importante ainda quando você não estiver nem interagindo com o usuário da cadeira, por exemplo, se ele estiver atrás de você e você descansar o braço na parte de trás da cadeira.
  • Referir-se a um usuário de cadeira de rodas de alguma forma que não seja essa pode soar rude ou condescendente. Aqui vão algumas palavras e frases para evitar:
    • Confinado a uma cadeira de rodas
    • Corajoso
    • Infeliz
    • Aleijado
    • Incapacitado
    • Paralisado
    • Preso à cadeira de rodas
    • Vítima
    • Inválido
    • Especial
  • Não passe rápido por uma pessoa em cadeira de rodas ou com uma bengala e as deixe para trás. Se o grupo com que você está começar a deixar a pessoa com deficiência para trás, vá devagar para acompanhá-la.
  • Lembre-se de não perguntar à pessoa por que ela está usando a cadeira de rodas, uma vez que ela pode se irritar por ter respondido a mesma coisa mil vezes o dia todo.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.