Como Escrever um Livro Infantil

Lembra-se de como era mergulhar no seu livro favorito na infância e ficar completamente absorto pelo mundo da história? Escrevemos estórias infantis para ensinar às crianças as lições que já aprendemos; dar-lhes fontes de diversão e inspiração – e, talvez; para reavivar nossa infância. Este artigo descreve os passos envolvidos na escrita de um livro infantil, da geração de ideias à entrega do manuscrito finalizado para as editoras.

Pesquisando e Refletindo

  1. Leia muitos livros infantis. É muito útil ler trabalhos dos outros enquanto você estiver pensando em ideias para seu livro. Visite a biblioteca ou livraria local e passe algumas horas pesquisando. Pense sobre quais livros lhe atraem mais, e por quê.
    • Você quer que seu livro tenha ilustrações, ou ele será constituído apenas por texto?
    • Você quer escrever ficção ou não-ficção? Não-ficção, ou livros informativos, requerem pesquisas ou conhecimentos acerca do tema e podem ser bons caso você seja um expert em algo como dinossauros, meteoros ou máquinas.
    • Leia os clássicos para poder se inspirar melhor. Não se limite a trabalhos recentes – volte ao passado e leia histórias que superaram a barreira do tempo e tente encontrar nelas o elemento que as deixa tão duradouras. Por exemplo, verifique livros como: O Expresso Polar, Marcelo, Marmelo, Martelo, O Menino Maluquinho e outros favoritos.
    • Cheque os contos de fadas. A indústria do entretenimento reviveu em si o interesse nos contos de fada e os está modernizando. Visto que a maioria dos contos de fada é de domínio público, é possível tomar personagens e tramas e colocá-los em lugares completamente novos com atitudes totalmente renovadas.
  2. Considere qual faixa etária lhe interessa como escritor. O termo “livros infantis” cobre de livros contendo uma palavra por página a romances, novelas e trabalhos não-ficcionais factuais escritos para estudantes e adolescentes (jovens adultos). Trama, conteúdo e temas de seu livro precisam ser apropriados para a idade dos leitores que você deseja caso queira criar um trabalho atraente (lembre-se de que os pais são os guardiões que determinarão se a criança poderá ler o seu livro ou não).
    • Livros com imagens são recomendados para crianças mais jovens. Eles tendem a ser totalmente coloridos, fato que encarece a impressão deles – mantenha isso em mente. O lado positivo disso é que eles tendem a ser menores, mas o conteúdo precisa ser muito bom para atrair o interesse e manter a concisão.
    • Livros com capítulos e trabalhos não-ficcionais/informativos são para crianças mais velhas. Você trabalhará com leitores simples através de romances adolescentes; há um grande leque de opções aqui, mas o escritor também terá muito mais pesquisa e escrita a fazer.
    • Não negligencie o potencial de um livro de poemas ou contos. Você encontrará crianças que amam ambos esses gêneros.
  3. Decida se maior parte do seu livro será composta por palavras, imagens ou um pouco de cada. Você desejará incluir muitos desenhos artísticos que complementem sua escrita quando o livro for direcionado a leitores mais jovens. Você pode desenhar suas próprias ilustrações caso seja um artista – muitos autores fazem isso. Também é possível contratar um ilustrador profissional que possa trabalhar com você em prol do livro. Para crianças mais velhas, diagramas, desenhos e imagens brilhantes ocasionais podem ser suficientes; mal será necessário usar imagens em alguns casos.
    • Antes de procurar um ilustrador, esboce ideias acerca das imagens que aparecerão em cada página. Isso irá ajudá-lo com o próximo passo da edição, e você conseguirá dar os rascunhos para que o ilustrador em potencial compreenda suas vontades.
    • Ilustradores possuem estilos muito diferentes; portanto, é importante conduzir pesquisas antes de fazer a escolha. Procure ilustradores na internet e olhe seus portfólios profissionais. Talvez um amigo ou membro da família com veia artística possa ajudar em sua história caso você não possua dinheiro para contratar um profissional.
    • Considere a fotografia como outra opção para a adição de imagens ao livro. Você pode usar cenários reais, montagens com bichos de pelúcia e outros objetos caso goste de tirar fotos. Você também pode usar programas de computador para trabalhar com elementos que não possam ser fotografados facilmente.

Preparando o Conteúdo do Livro

  1. Decida os componentes principais de sua história. Escreva suas ideias em um caderno. Mantenha alguns conceitos básicos em mente:
    • Independente de o livro ser direcionado a crianças ou adultos, a maioria das grandes histórias compartilha alguns elementos básicos: Um personagem principal, personagens de apoio, um ambiente interessante e uma trama que inclui conflito central, geração de problema, clímax e resolução.
    • Para trabalhos não-ficcionais ou informativos: O livro precisa transmitir dados acerca de histórias, pessoas, eventos, coisas reais e instruções.
    • Livros de imagens: Requerem muitas ilustrações, normalmente coloridas, o que encarece a edição deles. O texto é limitado, mas precisa ser bom e original – há arte no ato de limitar palavras e conseguir transmitir uma excelente estória.
  2. Considere incorporar uma mensagem aos trabalhos de ficção. Muitos livros infantis incluem mensagens positivas, variando entre padrões simples (como “compartilhe com os outros”) a lições de vida mais complexas acerca de assuntos – como lidar com a morte de um ente querido – ou acerca de grandes questões – como se importar com o meio-ambiente ou respeitar outras culturas. Não é necessário incluir uma mensagem direta; não a force – se você o fizer, a lição será muito pesada e não atrairá as crianças.
  3. Seja criativo. Esta é sua chance de escrever algo bobo, estranho, sonhador, fantástico. O que lhe inspirava na infância? Volte a esse tempo, explore essas ideias. Isso não significa que você deve criar algo bizarro por motivo algum. Brinque com sentimentos e crie ações sinceras que façam sentido para seus personagens. Leitores podem perceber imediatamente textos que parecem falsos, e é nesse momento que eles colocam o livro de lado. Ao escrever não-ficção, esta é sua chance de compartilhar seus conhecimentos e pesquisas com futuras gerações de chefs, engenheiros e artistas! Importante: seja criativo, mas acurado – há um equilíbrio fino entre manter a leveza do texto e garantir que o conteúdo seja verificável e compreensível para a criança.

Rascunhando Sua História

  1. Escreva seu primeiro rascunho. Não se importe com como ele irá parecer – você não o mostrará aos outros ainda. Concentre-se em colocar a estória no papel, e preocupe-se em poli-la mais tarde. Muitos escritores falham em começar livros por causa de um perfeccionismo em hora errada – permita que a caneta vermelha atue depois de as palavras terem sido colocadas no papel.
  2. Esteja atento à idade de seus leitores enquanto escreve. Vocabulário, estrutura e extensão das frases devem ser apropriados para seu público-alvo. Em caso de incertezas, converse com várias crianças da faixa-etária que você pretende atingir e compartilhe algumas palavras que serão usadas no livro. Assim, você terá uma ideia da extensão da compreensão desse público-alvo. Apesar de ser bom incentivar a aprendizagem das crianças, você não precisa fazer a criança pegar num dicionário a cada duas palavras!
    • Escreva frases concisas que comuniquem claramente as ideias que você quer compartilhar. Este é um elemento básico de boa escrita para todas as idades. E é especialmente importante para crianças que estão aprendendo a retirar significado de textos cada vez mais complexos.
    • Não subestime o intelecto de seus leitores. Crianças são ameaçadoramente inteligentes. Se você cometer o erro de escrever “no nível” delas, elas ficarão rapidamente entediadas com seu trabalho. Até mesmo que os temas sejam apropriados para a idade e as frases sejam escritas com simplicidade, seus conceitos de escrita devem cativar os leitores.
    • Mantenha-se atualizado. Coisas que não lhe interessem ou que pareçam técnicas demais não precisam ser evitadas. Crianças querem ler atualidades em termos de linguagem e conceitos; portanto, isso significa que você precisa aprender sobre detalhes acerca de coisas como programação ou gírias de mensagens de celular caso sua história trate sobre isso e precise ser genuína – abrace a oportunidade de aprendizagem com entusiasmo!
  3. Forneça uma resolução ou resultado realístico no final do livro. O final nem sempre tem de ser feliz – isso pode ser um verdadeiro desserviço para um leitor jovem, já que a vida não é apenas sobre constantes finais felizes. O final deve ser tão forte quanto o resto do livro e não deve parecer abrupto ou desconexo. Algumas vezes, é útil dar uma pausa e voltar mais tarde ao livro, quando uma conclusão interessante tomar forma por si mesma em seu subconsciente; outros escritores possuem uma conclusão em mente logo antes de começarem o livro!
    • Para não-ficção, sempre tente fornecer uma conclusão de algum tipo, para terminar o trabalho de maneira agradável. Pode ser uma observação sobre como o assunto será discutido no futuro, ou um resumo acerca dos pontos principais do livro, ou talvez uma reflexão caprichosa sobre o que o leitor pode desejar fazer/ler/aprender em seguida. Independentemente de sua abordagem, seja breve, pois o leitor jovem provavelmente não desejará ler mais que meia página ao final de um trabalho de não-ficção.

Revisando para Melhorar

  1. Revise seu trabalho. Este passo deve ser repetido várias e várias vezes até que seus escritos estejam prontos. Você pode descobrir porções inúteis de sua história, ou que é preciso adicionar personagens novos. Se estiver trabalhando com um ilustrador, você descobrirá que a arte pode mudar o tom de sua história. Revise várias vezes o seu trabalho até sentir-se pronto para exibi-lo aos outros.
    • Aprenda a largá-lo. Descartar um trabalho após passar várias horas aperfeiçoando-o, apenas para descobrir que ele não se encaixa ou não funciona, faz parte da vida do escritor. Saber quando largá-lo é parte essencial da arte da escrita. Para ganhar objetividade, afaste-se do escrito por um tempo e volte renovado.
    • Verifique ortografia e gramática. Cada refinamento ajuda a melhorar a qualidade final de seu livro.
  2. Mostre o texto aos outros. Comece dando o texto a familiares e amigos. Nem sempre é fácil conseguir uma reação direta das pessoas amadas que podem querer poupar seus sentimentos; portanto, considere participar de um workshop de escrita ou formar um grupo de escritores. Assim, você obterá respostas honestas relativas à qualidade de seus textos.
    • Lembre-se de mostrar seu livro para seu público primário: crianças. Leia o texto para crianças e preste atenção nas reações delas. Procure saber quais partes as entediam, e daí por diante.
    • Considere se seu livro agrada pais, professores e bibliotecários. Eles serão as pessoas que comprarão os livros – portanto, seu trabalho também deve interessá-los.
    • Assim que obtiver uma resposta de várias fontes, edite seu livro novamente.

Publicando o Livro

  1. Autopublique-se. Este é uma opção viável e respeitável no mundo editorial atual. Procure empresas online que o ajudem na autopublicação de seu livro. Você pode querer criar um ebook, ou pode encomendar algumas cópias de seu trabalho. Você pode gastar a quantia de dinheiro que desejar na autopublicação e ainda evitará o demorado processo de editoração comum em empresas tradicionais.
    • Algumas empresas de autopublicação fornecem serviços de maior qualidade que outras. Antes de escolher uma empresa, observe o tipo de papel que ela usa e tente obter amostras de outros trabalhos publicados pelas mesmas.
    • Ao autopublicar um livro, você ainda tem chances de conseguir publicação em uma editora tradicional no futuro. De fato, você possuirá em mãos uma amostra de seu trabalho que poderá ser enviada imediatamente. Se parecer bela, essa amostra pode lhe dar vantagem sobre outros envios.
  2. Encontre um agente literário. É melhor encontrar um agente que possa lhe ajudar a editorar o livro caso queira publicar o trabalho por meios tradicionais. Procure agentes que trabalhem com livros infantis.
    • Envie aos agentes uma carta de apresentação e a sinopse do livro. Os profissionais responderão pedindo para ver o livro caso ele os interesse. A resposta pode demorar semanas ou meses para chegar.
    • Se seu livro não for escolhido por um agente, é possível enviar cartas de apresentação e sinopses diretamente às editoras que aceitam trabalhos sem solicitação. Pesquise empresas que publiquem livros como os seus antes de entrar em contato com editores.
    • Se seu livro for selecionado por um agente, ele ou ela pode solicitar revisões no trabalho para torná-lo mais atraente aos olhos dos editores. Quando estiver pronto, o agente enviará amostras aos editores que parecerem apropriados. Novamente, este é um processo que pode demorar meses, e não há garantias de que seu livro seja publicado.
  3. Publique apenas para consumo local. Escrever livros infantis já é uma grande conquista. Não há necessidade de procurar uma ampla publicação caso não deseje isso. Algumas vezes, é mais pessoal apenas compartilhar o trabalho com pessoas que lhe sejam importantes. Considere imprimir o manuscrito e entregá-lo a alguns amigos, ou a crianças de sua família. Muitas gráficas fornecerão serviços que permitem que você imprima livretos coloridos e muito profissionais.

Dicas

  • Brinque com a língua. Crianças não têm medo de expressar criatividade e humor; usar palavras e frases engraçadas as manterá interessadas na história.
  • Livros infantis são constituídos por esforços colaborativos. Ao contratar um ilustrador, prepare-se para dar créditos a ele.
  • Pense duas vezes antes de usar antropomorfismo. Editores recebem muitas histórias que apresentam minerais, peixes e árvores falantes. Usar essa técnica pode ser uma aposta complexa se não for feita direito.
  • Versos, especialmente os que rimam, podem fazer maravilhas nas mãos certas. Normalmente eles não estão. Se você não puder contar a história de outro jeito, então o verso é apropriado. Se quiser versificar, use o verso livre. Se quiser versificar em rima, use um dicionário de rimas.

Avisos

  • Algumas pessoas conseguem viver a partir da escrita de livros infantis. É uma indústria difícil em termos de conseguir viver disso – apesar de ser possível, não largue seu emprego. É um hobby ou passatempo amável; você só pode começar a pensar sobre uma possível carreira de escritor se conseguir atingir um bom número de clientes e receber uma boa quantia de dinheiro.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.