Como Compor um Riff

Um riff marcante na guitarra é um requisito para se criar uma boa canção de Metal. É ele a ideia central da canção. E deve ser sugestivo o suficiente para que as pessoas reconheçam a música só de ouvi-lo. Quando você conseguir elaborar um bom riff, o resto da canção virá naturalmente.

Passos

  1. Se inspire! Ouça as suas bandas de metal favoritas até que o som pesado corra pelas suas veias!
  2. Determine que tipo de riff (e, por consequência, de música) você quer compor. Você quer algo rápido e intenso? Ou algo mais lento e lodoso do que a deriva continental? Talvez queria criar um clássico metal pesado para enlouquecer seus pais? Quem decide é você. Estabeleça um objetivo e concretize-o!
  3. Agora que você já escolheu o humor da canção, vamos começar a criar de verdade. Os riffs clássicos de metal são compostos na escala menor natural ou harmônica (procure mais a respeito delas na Wikipedia ou consulte a seção "Fontes e Citações" ao final do artigo), embora você possa usar a escala que preferir. Tente fazer com que as notas que você escolheu contem uma "história". Crie algo simples, mas cativante (se tiver dificuldades, execute a escala algumas vezes e veja se a inspiração vem até você).
  4. Tente variar o ritmo. Embora bons riffs tenham sido compostos com essa estrutura, criar um tema cíclico de oito notas colcheias pode deixar a música entediante, previsível. Algo que serve de inspiração para bandas de metal até hoje é o ritmo "galopante" que Iron Maiden usou tão bem em canções como Run to The Hills, The Trooper etc.
  5. Toque mais de uma nota ao mesmo tempo! Embora muitos músicos usem apenas notas únicas ou power chords, experimente usar outros tipos de harmonia (por exemplo, acrescentar a terça maior ou menor à nota fundamental de uma escala é um bom modo de incrementar o riff). (Observação: lembre-se de ser espontâneo e divertido!)

Dicas

  • Crie algo com emoção. Qualquer guitarrista cria uma progressão harmônia I-IV-V, mas é preciso estar inspirado para criar algo significativo.
  • Muita gente vai dizer, "Você não precisa conhecer teoria musical; basta tocar o que soar bem! Você não vai aprender ser criativo com lendo os livros!". Ainda que a espontaneidade tenha seu valor, conhecer teoria musical sempre será útil. Você não precisa ser especialista, mas tente dominar o básico: a construção dos acordes, as escalas, como se dá a interação entre elas e os acordes etc. Ao contrário do que crê o senso comum, teoria não inibe a criatividade — muito pelo contrário, ela a estimula. Para se iniciar em teoria musical, visite musictheory.net (ou outro site desse assunto) e realize alguns dos exercícios.
  • Escute os fundadores do metal . Conheça a obra dos que vieram antes de você e estude as soluções, estruturas e riffs usados por eles. Estudar nunca é má ideia.
  • Ao compor músicas de metal, principalmente thrash e death metal, lembre-se de que os intervalos de segunda menor e quinta diminuta são seus aliados . (A segunda menor é uma nota acima da nota fundamental e a quinta diminuta, seis meios-tons acima desta — por exemplo, se você tocar uma corda aberta, a sexta casa desta corda é a quinta diminuta.)
  • Outra progressão harmônica comum é i-ii-i-VII-i (aqui, o acorde "ii" é geralmente uma segunda menor a partir da nota fundamental em vez de um tom). Se a nota fundamental for E, isso seria E-F-E-D-E. Judas Priest usa essa progressão no riff principal de Painkiller; King Diamond, no de Never Ending Hill; e quase toda banda de Power Metal, em todas as suas músicas.
  • Riffs não precisam ser sempre extremamente elaborados ou rápidos. Um bom riff pode ser até uma única nota tocada num ritmo interessante, como Black Sabbath fez em Children of The Grave; Iron Maiden, nas canções mencionadas acima; Megadeth, em She Wolf; Metallica, em Disposable Heroes etc. Mas tente se lembrar do ritmo.
  • A progressão harmônica mais comum em metal é: i-VI-VII-I (fosse E a nota fundamental, teríamos E-C-D-E). Exemplos conhecidos são Rainbow In The Dark, de Dio; Heaven and Hell, de Black Sabbath; Breaking The Silence, de Queensryche; Breaking The Law, de Judas Priest; e Gods Made Heavy Metal, de Manowar.

Avisos

  • Certifique-se de que seu riff não é similar a nenhum outro, seja ele bem conhecido ou não. As pessoas o acusarão de plagiador, ainda que não tenha sido essa sua intenção, então tente criar algo único.

Materiais Necessários

  • Criatividade
  • Guitarra
  • Metal correndo em suas veias
  • Um amplificador (com distorção)
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.