Como Parar de se Sentir Sozinho(a)

Embora o mundo esteja mais e mais conectado, está cada vez mais fácil se sentir deixado de lado. Você se sente assim com frequência? Esteja certo de que você não está sozinho. Talvez tenha surgido em sua mente o desejo de saber como lidar com esse sentimento de solidão. Antes de tudo, é preciso conhecer bem a si mesmo. Depois, você poderá começar a fazer algumas mudanças para superá-lo.

Agindo

  1. Ocupe-se. Faça coisas que consumam o seu tempo. Quando a agenda estiver cheia de atividades que o mantêm produtivo e distraído, não haverá tempo para se prender ao fato de que você está sozinho. Torne-se um voluntário. Encontre um trabalho de meio período. Entre em um clube de leitura ou em uma academia com aulas coletivas interessantes. Realize alguns projetos “faça você mesmo”. Basta não se prender à sua própria mente.
    • Quais hobbies você gosta de praticar? No que você é naturalmente bom? O que você sempre quis fazer, mas nunca teve a oportunidade? Aproveite o momento presente e transforme o desejo em realidade.
  2. Mude o seu ambiente. É fácil ficar sentado em casa e deixar o dia correr enquanto você assiste a sua série de comédia favorita. No entanto, quando você fica no mesmo ambiente, as garras da solidão ficam sempre mais fortes. Vá para uma cafeteria fazer o seu trabalho. Vá até o parque e simplesmente assente-se em um banco para observar os transeuntes. Dê ao seu cérebro algum estímulo para se distrair dos sentimentos negativos.
    • Passar tempo na natureza pode trazer impactos positivos em sua saúde mental. Sair pode até mesmo reduzir os níveis de estresse, além de melhorar a sua saúde física. Por isso, pegue um lençol e leia um livro no gramado do parque. Fazer isso regularmente pode elevar o seu humor.
  3. Pratique atividades que façam bem. Fazer coisas que dão prazer pode aliviar os sentimentos de solidão. Pense no que faz com que você se sinta bem. Meditar? Ler literatura europeia? Cantar? Vá em frente. Separe um pouco de seu precioso tempo e invista-o nutrindo as suas paixões. Ou, ainda, pergunte a um colega da escola, a um conhecido da academia ou ao vizinho se ele deseja acompanhá-lo. Nova amizade feita!
    • Evite usar substâncias para anestesiar a dor causada pelo sentimento de solidão. Encontre atividades saudáveis que façam bem a você — e não soluções temporárias capazes apenas de mascarar a sua ferida.
  4. Tome cuidado como sinais de aviso. Às vezes, você pode se sentir tão desesperado para vencer o sentimento de solidão que acabará aproveitando toda e qualquer oportunidade para estar menos só. Cuide para não procurar más influências ou pessoas que apenas querem usá-lo. Em alguns momentos, a vulnerabilidade decorrente da solidão pode tornar alvo fácil de pessoas manipuladoras ou abusivas. Sinais de pessoas que não estão interessadas em uma relação mútua saudável incluem:
    • Elas parecem “boas demais para ser verdade”. Chamam a todo momento, planejam todas as atividades e parecem perfeitas. Com frequência, tais são sinais antecipados de pessoas abusivas que querem tomar o controle de suas ações.
    • Não há reciprocidade. Você pode pegá-las no trabalho, fazer um favor a elas no fim de semana etc., mas, por alguma razão, elas jamais retribuem esse esforço. Essas pessoas estão tirando vantagem de sua vulnerabilidade para benefício próprio.
    • Elas se mostram temperamentais quando você tenta passar tempo em outro lugar. Você talvez se sinta tão empolgado para interagir com outras pessoas que esse comportamento controlador talvez não pareça um incômodo. Entretanto, se essas pessoas perguntam por você, querem saber onde você foi e com quem esteve ou expressam preocupações pelo fato de você ter outros amigos, esses sinais são um aviso.
  5. Concentre-se em seus entes queridos. Embora seja difícil para aqueles que desejam independência, às vezes é necessário depender de outros. Se você está se sentindo só, converse com um familiar ou amigo de sua confiança — mesmo que ele esteja a milhares de quilômetros de distância. Uma simples chamada telefônica pode melhorar o seu humor.
    • Se você estiver passando por uma situação difícil, talvez nem os seus entes queridos estejam cientes desse momento. Não é contar dizer a eles todos os seus sentimentos, se você não se sente confortável — compartilhe aquilo que parecer mais natural. Muito provavelmente, eles se sentirão honrados por receber essa confiança.
  6. Encontre pessoas parecidas a você. O lugar mais fácil para começar é a internet. Há muitas formas para se conectar a outras pessoas, como encontros locais. Tente se encontrar com outros que compartilhem os mesmos hobbies e interesses que você. Pense a respeito de quais livros ou filmes são os seus favoritos ou de onde você é ou onde mora. Existem grupos voltados para todo tipo de situação.
    • Apenas saia em busca de oportunidades de socialização e aproveite-as. Procure online por uma aula de fitness coletiva. Encontre um grupo de fanáticos por histórias em quadrinhos. Inscreva-se para aquela liga esportiva que você via jogar da janela do trabalho. Envolva-se com algo. Crie oportunidades. Inicie conversas. Tal é a única forma de fazer com que os padrões da solidão sejam transformados.
    • Para isso, pode ser necessário sair de sua zona de conforto — você precisa pensar nisso como algo bom, um desafio. Se você não gostar da experiência, poderá sair. Muito provavelmente, você não sairá lesado pela situação, mas poderá extrair algo dela.
  7. Tenha um animal de estimação. O ser humano carece de vínculos de tal forma que tem estimulado a procriação de bichinhos peludos há mais de 30.000 anos. E, se Tom Hanks pode viver com Wilson por tantos anos, você certamente será muito beneficiado pela companhia de um cão ou gato. Animais de estimação são companheiros incríveis. Apenas tome o cuidado para não usá-los como substitutos para pessoas. Tente manter pelo menos alguns vínculos humanos para ter pessoas com quem conversar e em quem se apoiar em tempos difíceis.
    • Não é preciso pagar milhares de reais por um cachorrinho. Vá até a sociedade de adoção, abrigo ou canil de sua cidade e resgate um que precise de um novo lar.
    • Pesquisas revelam que, à parte do companheirismo, animais de estimação podem melhorar o bem-estar psicológico e até ajudam a estender a longevidade de seus donos.
  8. Pense nos outros. Pesquisas sociais sugerem uma conexão entre o foco interno e a solidão. Isso não quer dizer que você não deva refletir acerca de suas emoções, mas que é importante não permitir que elas se tornem o seu único foco. Se você estender o olhar em direção a outros, a solidão pode diminuir. Estudos sugerem que voluntariar-se, por exemplo, ajuda as pessoas a se sentirem mais socialmente conectadas e emocionalmente satisfeitas, o que combate os sentimentos de solidão.
    • A forma mais simples de estender o foco é encontrar um grupo de pessoas que você possa ajudar. Torne-se voluntário em um hospital, uma cantina pública ou um abrigo para os sem-teto. Entre em um grupo de apoio. Envolva-se com uma instituição de caridade. Seja um irmão mais velho ou uma irmã mais velha. Todos lá fora estão lutando alguma batalha: talvez você possa ajudá-los a combatê-la.
    • Você pode até mesmo procurar por meios de ajudar a outros que talvez se sintam solitários. Os enfermos e idosos quase sempre são afastados da interação social. Voluntariar-se a visitar um asilo para idosos ou o pronto-socorro de um hospital poderá lhe ajudar a diminuir também a solidão de uma outra pessoa.

Mudando a sua forma de pensar

  1. Expresse os seus sentimentos para si mesmo. Manter um diário pode ajudar a identificar a origem do sentimento de solidão. Por exemplo, se você tem muitos amigos, talvez não entenda bem o porquê de ele ainda estar presente. Anote em seu diário os momentos nos quais esse sentimento surge. Quando eles aparecem? Como se parecem? O que está acontecendo ao seu redor quando você se sente dessa forma?
    • Por exemplo, você talvez acaba de se mudar da casa de seus pais para uma nova cidade. Você talvez tenha um grupo de novos amigos do trabalho cuja companhia é bastante agradável, mas ainda se sinta solitário, à noite, ao entrar na casa vazia. Isso sugere que você está em busca de alguém com quem desenvolver um vínculo emocional forte e estável.
    • Identificar a fonte da solidão ajudará a tomar providências para combatê-la, e ainda fará com que você se sinta melhor com relação a seus próprios sentimentos. Nesse exemplo, entender que você desfruta da companhia dos novos amigos mas sente falta da conexão que tinha com sua família, enquanto vivia com ela, permitirá que reconheça que esse sentimento é algo natural.
  2. Remodele os pensamentos negativos. Preste atenção ao ciclo de pensamentos que passa por sua mente ao longo do dia. Concentre-se no que você pensa a respeito de si mesmo ou de outras pessoas. Se o pensamento for negativo, tente refraseá-lo até obter algo positivo: “ninguém no trabalho me entende” se transforma em “eu não criei vínculos com ninguém do trabalho… ainda”.
    • Remodelar os seus diálogos internos pode ser uma tarefa incrivelmente desafiadora. Às vezes, nem estamos conscientes da quantidade de pensamentos negativos que temos ao longo de um dia. Invista 10 minutos por dia tentando apenas observá-los. A seguir, tente remodelá-los para que se tornem pensamentos mais positivos. Por fim, prossiga até ter passado todo um dia monitorando os seus diálogos internos e tomando controle. Toda a sua perspectiva pode mudar depois de realizar esse exercício adequadamente.
  3. Pare de pensar em termos de branco e preto. Esse pensamento representa uma distorção cognitiva que deve ser corrigida. Pensar sempre em termos de “tudo ou nada”, como “eu estou sozinho agora, então serei sempre solitário” ou “não tenho ninguém que se preocupe comigo”, apenas dificultarão o progresso e o deixarão ainda mais infeliz.
    • Desafie esses pensamentos quando eles surgirem. Por exemplo, você provavelmente é capaz de pensar em alguns momentos nos quais não se sentia tão só. Você criou vínculos com alguém, mesmo que apenas por um minuto, e se sentiu compreendido. Reconheça e aceite que essas afirmações em branco e preto simplesmente não são complexas o suficiente para refletir a verdade de nossas vidas, sempre tão emocionalmente ricas.
  4. Pense positivamente. O pensamento negativo pode levar a uma realidade negativa. Com frequência, os seus pensamentos criam uma profecia que se cumpre por conta própria. Se você pensa negativamente, a sua percepção do mundo também será negativa. Se você entra em uma festa pensando que ninguém gostará de você e que você não vai se divertir, todo o tempo acabará sendo passado ao lado de uma parede, sem criar vínculos com ninguém e sem nenhuma diversão. Por outro lado, com pensamento positivo, coisas positivas poderão acontecer.
    • O oposto também é verdade. Se você espera que as coisas deem certo, elas quase sempre darão. Teste tal teoria fazendo uma afirmação positiva a respeito de alguma situação presente em sua vida. Mesmo que os resultados não sejam maravilhosos, você talvez não se sinta tão mal com respeito às circunstâncias se passar pela situação com uma mentalidade positiva.
    • Uma ótima forma de praticar o pensamento positivo é simplesmente rodear-se de pessoas positivas. Você notará como esses indivíduos veem a vida e as outras pessoas, e essa positividade pode ser completamente contagiante.
    • Outra tática para usufruir do pensamento positivo é evitar dizer qualquer coisa para si mesmo que você não diria para um amigo. Por exemplo, você nunca diria a um amigo que ele é um perdedor. Por isso, se você se encontrar pensando “eu sou um perdedor”, corrija esse comentário severo afirmando algo bom a seu respeito, como “eu cometo erros às vezes, mas sou inteligente, divertido, carinhoso e espontâneo”.
  5. Consulte um profissional. Às vezes, a solidão é sintoma de um problema maior. Se você sente como se o mundo inteiro não o compreendesse e parece impossível encontrar tons de cinza em seu pensamento branco e preto, pode ser benéfico consultar um terapeuta ou conselheiro.
    • Às vezes, sentimentos persistentes de solidão podem ser um indicador de depressão. Consultar um profissional de saúde mental, a fim de ser avaliado adequadamente, ajudará a reconhecer sinais de depressão e tratar o problema com êxito.
    • O mero ato de conversar com alguém sobre a situação pode ajudar. Isso dará perspectiva com relação ao que é normal ou não e às melhoras que podem ocorrer apenas com mudanças na rotina.

Entendendo a si mesmo

  1. Identifique o seu tipo de solidão. A solidão pode surgir e se manifestar de modos diferentes em cada pessoa. Para algumas, trata-se de uma necessidade que vai e vem, intermitentemente, enquanto outras a consideram como parte integrante de suas realidades. Você pode apresentar mais da solidão social ou da emocional.
    • Solidão social: esse tipo de solidão inclui sentir-se sem rumo, entediado e socialmente excluído, e pode aparecer quando você não tem uma rede social sólida ou foi separado de uma, como ao se mudar para um lugar novo.
    • Solidão emocional: este inclui sentimentos de ansiedade, depressão, insegurança e desolamento, e pode surgir quando você não tem os fortes vínculos emocionais que desejaria ter com certas pessoas.
  2. Entenda que a solidão é um sentimento. Um passo importante e essencial no combate contra a solidão é saber que, embora dolorosa, ela é apenas um sentimento. Ela não representa necessariamente um fato e, assim sendo, não é permanente. Como o ditado afirma, “isso também passará”. Ela não tem nada a ver com você como ser social e tudo com os neurônios em sua cabeça sendo disparados de forma desagradável, mas passível de mudança. Você pode facilmente lutar contra os pensamentos de solidão e sentir-se melhor.
    • No fim, você é quem decide o que fazer de sua situação. Tome-a como oportunidade de entender melhor a si mesmo e fazer mudanças a seu respeito. A compreensão evolutiva da solidão sugere que a dor causada pode estimulá-lo a agir e a tornar-se alguém que você jamais seria de outro modo.
  3. Considere a sua personalidade. Para uma pessoa extrovertida e para uma pessoa introvertida, a solidão tem significados completamente diferentes. É importante considerar que vivenciar a solidão e estar sozinho não são a mesma coisa. Pense a respeito do que o oposto da solidão significaria para você e lembre-se de que ela é diferente para cada pessoa.
    • Introvertidos podem querer uma relação próxima com uma ou duas pessoas, e talvez não queiram vê-las todos os dias. Ainda, eles talvez gostem de estar a sós na maior parte do tempo e apenas precisem do estímulo de outros de vez em quando. No entanto, se suas necessidades sociais e emocionais não forem supridas, introvertidos também podem se sentir solitários.
    • Extrovertidos, por outro lado, talvez queiram estar sempre rodeados por um grupo de pessoas para sentir que suas carências sociais estão sendo preenchidas adequadamente. Eles às vezes ficam para baixo quando não interagem com pessoas estimulantes. Se suas conexões não forem satisfatórias tanto social como emocionalmente, extrovertidos podem se sentir solitários até mesmo quando cercados por outras pessoas.
    • Em que ponto do espectro você se encontra? Entender como a sua personalidade impacta os sentimentos de solidão o fará tomar decisões a respeito de como superá-los.
  4. Reconheça que você não está sozinho ao passar por essa experiência. Uma pesquisa recente feita nos Estados Unidos demonstrou que um em cada quatro indivíduos consultados afirmou que não possui ninguém com quem conversar a respeito de questões pessoais. Quando membros da família são eliminados das opções de escolha, esse número aumenta para a metade da população consultada. Isso significa que, se você se sente só e parece não haver ninguém com quem buscar apoio, entre 25 e 50 por cento da população passa pela mesma circunstância.
    • Atualmente, os cientistas já consideram a solidão como uma preocupação de saúde pública. Estudos recentes revelaram que pessoas que se sentiam solitárias, por conta da distância física ou subjetiva, podem morrer antes do que aquelas que não têm esse problema.

Dicas

  • Saiba que nós vivemos em um mundo imenso e, não importando quais sejam os seus interesses, provavelmente existe alguém lá fora como você; a questão é simplesmente encontrar essa pessoa.
  • Aceite que a solidão pode ser transformada. Se você remodelar os pensamentos negativos em positivos, é possível aprender a ser feliz em sua própria companhia ou, ainda, correr mais riscos para se conectar a outros.
  • Torne-se mais ativo nas mídias sociais. Pessoas que aumentam a quantidade de postagens em mídias sociais, na realidade, afirmam que se sentem menos solitárias.
  • Se você apenas ficar sentado, sentindo-se só, e sem tomar qualquer ação, nada acontecerá. É preciso ao menos tentar. Aja. Vá lá fora. Conheça pessoas novas.

Avisos

  • Evite situações negativas. É uma péssima ideia beber muito, usar drogas ou gastar a vida inteira à frente de uma televisão. É ainda pior fazê-lo se você estiver de mau humor ou se sentindo particularmente solitário. Consulte um psicólogo se a solidão não desaparecer com os passos acima.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.