Como Praticar o Desapego

Nas nossas vidas, formamos muitas conexões e alianças. Algumas dessas relações podem ser boas para nós, motivando-nos a dar nosso melhor. Outras, porém, se não tivermos cuidado, podem nos levar à destruição por meio de mudanças, perda, traição ou tragédia. Praticar o desapego nos permite controlar nossas emoções e sentimentos em relação às conexões que criamos na vida, de modo que não as deixemos nos controlar.

Passos

  1. Identifique por que você acha que tem um problema com apego. Já teve uma crença ou uma fé muito forte em algo, mas acabou se desiludindo? Continua atrás de uma pessoa que ou abandonou você ou deixou de se importar? Há coisas na sua vida que permitiu que definissem você? Sofreu alguma perda ou uma tragédia muito grande?
  2. Evite formar laços pouco saudáveis. Normalmente, é melhor adotar novas crenças e novos amigos aos poucos. Não desperdice toda a sua energia jogando suas emoções em uma só pessoa ou crença; investigue-as a fundo para evitar desapontamentos.
  3. Aprenda a lidar com certos problemas de apego. Eles podem travar seu progresso na vida. É preciso que você lide com eles para certificar-se de que consiga recomeçar e continuar a crescer. A seguir, há algumas conexões que travam as pessoas:
    • Mudança de crenças. Talvez, em algum momento da sua vida, você tenha apoiado uma causa ou se considerado seguidor de algo que agora vê com desagrado ou desdém. Crenças antigas são só isso: crenças antigas. Você deve se focar em fazer com que as atuais sejam moralmente justificáveis em vez de desperdiçar tempo e energia preocupando-se com o que acreditava antes. Se tais crenças antigas eram detestáveis, você deve tentar se redimir por elas ajudando quem ofendeu ou machucou.
    • Relacionamentos com pessoas indiferentes ou tóxicas. Você deve abandoná-las. Perceba que todos os sentimentos de amizade ou amor mútuos que você sentiu por essa pessoa foram originados da maneira errada. Isso não quer dizer que você não passou bons momentos com essa pessoa, apenas que deve largar a situação toda até que ele ou ela note o que fez de errado (nota: isso não se aplica a abuso doméstico ou a relações abusivas. Procure proteção, aconselhamento e ajuda legal nesses casos).
    • Apego a coisas. Muitos seres humanos têm tendência a deixar que seus pertences os definam e, no fim das contas, o que possuem pode aprisioná-los. Se você não consegue se livrar de bagunças, mudar seu estilo de vida por não ser capaz de acomodar os tesouros que foi acumulando, é hora de se desapegar. Fazer isso liberta você para viver com um propósito em vez de com o conforto imaginário de seus pertences.
    • Tragédia pessoal ou perda. Você pode ter sofrido uma experiência trágica em sua vida e pode estar tentando se agarrar ao passado ou culpando a si mesmo. Ficar de luto é um processo natural da vida, mas não se pode viver com isso para sempre. Lembre-se de que existe apenas um tempo real, e é o presente. Ao apegar-se ao passado, você abandona o presente e acaba nunca vendo o futuro. Se não tomar cuidado, fica fácil culpar a si mesmo ou assumir que é incapaz de seguir em frente. Há muitas outras pessoas que precisam de encorajamento e de amor e, só porque era tarde demais para mudar a sua situação, isso não quer dizer que você não possa ajudar outros que estejam passando por algo parecido.
  4. Pare de temer perdas. Apego ao trabalho, a pessoas específicas, a pertences ou a crenças pode nos atolar no medo de perder esses pontos-chave nas nossas vidas. Quando as coisas dão errado, o que é inevitável às vezes, nossa tristeza pode bloquear nosso crescimento e nos paralisar. Aceite o momento como ele é e acredite que o que você tem agora é suficiente. Além disso, seja proativo de modo a prevenir que fique muito vulnerável. Se as coisas não estão dando certo em alguma situação, faça planos para mudar seu papel nela, como enviar currículos, fazer uma transformação na sua aparência, mudar de curso na faculdade, etc.
  5. Faça amizade consigo mesmo. Sua autoestima deve vir de dentro, não do que você percebe que os outros pensam. O apego aos outros se torna doentio quando você se mantém cercado de pessoas tóxicas só por causa do medo de ficar sozinho ou de ser excluído. Ao tornar-se amigo de si mesmo, você não temerá tanto a solidão e também vai se abrir para um grupo mais amplo de pessoas em vez de manter-se conectado a poucas. Esforce-se para manter relacionamentos saudáveis com as pessoas com quem você interage diariamente, dando mais espaço para alguns e para si próprio e não esperando muito dos outros.
    • Interaja com novas pessoas e abra-se a novas conexões. Embora isso não se signifique se desapegar de alguém para substituí-lo por outro, abrir-se às possibilidades permite que mais pessoas entrem em sua vida e que você fique menos tentado a se agarrar a elas.
  6. Pare de viver uma ilusão. Embora ainda seja importante esforçar-se para ser uma pessoa melhor, para ter um amanhã melhor, aceitar o que você tem no momento é vital para viver no agora e, assim, evitar a ilusão de que sua felicidade e sua realização pessoal dependem de possibilidades que ainda não aconteceram. Não se apegue a esperanças ou a ideias de modo que elas sejam desculpas para consertar as coisas que não estão dando certo na sua vida no momento. Aceite as coisas como são e trabalhe no que quer melhorar com calma e foco.
    • Uma obsessão com o futuro é um apego tão perigoso quanto uma obsessão com o passado. Quando sua mente está no futuro, você perde o agora, e o quão bem viverá agora fará toda a diferença no que conquistará no amanhã.
  7. Aprenda a se desapegar de sentimentos. Eles podem ser poderosos, mas, se você deixar que o controlem, vão aprisioná-lo com maestria. Aceite que, às vezes, sentimos dor e perda, mas que podemos escolher entre sofrer para sempre ou superar. Sentimentos são mais saudáveis quando expressados que quando contidos, e fazer isso vai ajudar você a lidar com eles de forma mais produtiva que os estocando. Escreva um diário, poemas, posts anônimos de blogs, escreva uma carta e queime-a depois, fale com um amigo invisível ou com um confiável. Encontre maneiras de exteriorizar seus sentimentos de modo que eles não se tornem tóxicos.
  8. Depois de ajudar a si mesmo, conte aos outros como você vive. Deixar que outras pessoas ganhem sua confiança e adotar novas crenças aos poucos é a maneira mais prática de usar a filosofia do desapego, e você não precisa ser um eremita para fazê-lo. Ensinar aos outros sobre a filosofia pode ajudar independentemente das crenças ou das situações em que eles estão. Você pode falar com as pessoas, escreve num blog, twittar; apenas abra-se sobre sua experiência de modo que os outros possam aprender com ela também.
  9. Entenda que todas as coisas vêm e vão.

Dicas

  • Seja sociável, amigável e extrovertido. Sua meta é evitar dor emocional, não ser um eremita. Esse tipo de filosofia de desapego é gerada para aplicações práticas. Ser ativo na solução dos seus problemas é o melhor caminho para aliviar a solidão e a depressão.

Avisos

  • As pessoas devem notar a confiança e a felicidade que irradia de você. Não haverá necessidade de explicar se o que você pregou e praticou mostrou resultados positivos. Os outros verão os benefícios automaticamente.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.