Como Escrever uma Boa História

Humanos são contadores de histórias por natureza. Mas, em se tratando de escrever uma boa história, você pode se sentir travado, mesmo tendo uma imaginação vívida e um milhão de ótimas ideias. Para escrever uma boa história, você terá de se inspirar, desenvolver o conteúdo e revisar o trabalho até ter escrito o melhor texto possível. Apenas siga estes passos caso queira escrever uma boa história curta.

Inspire-se

  1. Inspire-se ao prestar atenção no mundo. Se quiser escrever uma boa história, você precisará manter olhos e ouvidos abertos o tempo todo, escutando o mundo e deixando-o inspirar-lhe. Você nunca sabe qual detalhe notará ou o que lhe prenderá a atenção até antes de praticar a observação do mundo ao redor, considerando todas as coisas que poderiam ser um ótimo tema para um bom trabalho escrito. Aqui estão alguns ótimos jeitos para você reunir os detalhes que podem levá-lo a uma boa história:
    • Assista às notícias locais. As notícias locais podem tratar de casos um pouco mais estranhos do que os observados em rede nacional. Talvez você escute sobre uma mulher que tenha sobrevivido após passar oito horas trancada em um congelador; ou sobre um homem que ganhou duas vezes na loteria. Você terá uma premissa para sua história quando ouvir um desses casos.
    • Note características interessantes de personalidade. Talvez você tenha notado que os vizinhos conversam com suas plantas; ou que eles levam o gato para passar a cada manhã. Tente pensar sobre a vida oculta desse tipo de pessoa e veja se uma história se desenvolve.
    • Preste atenção em seu ambiente. Dê uma caminhada ou passe algum tempo sentado em um parque e observando e busque encontrar algo. Talvez você veja um buquê de rosas caído na sarjeta, ou um par novo de tênis em um banco da praça. Como esses itens chegaram nesses lugares?
    • Escute a conversa das pessoas. Até mesmo uma única frase interessante pode inspirá-lo a escrever uma história inteira. Talvez você escute alguém dizendo “Minha terceira esposa foi a única que amei...”, ou “Meu cachorro gosta de torturar todos os homens com quem namoro...”. Isso é o bastante para começar uma história? Claro!
  2. Inspire-se pelo cenário “E se...”. Este é outro grande meio de se começar uma história. Ao prestar atenção no mundo, você deverá observar, além das realidades, as possibilidades dele. Ao ficar atento a uma história ou imagem, pergunte-se: “Mas o que teria acontecido se isso/aquilo ocorresse?”, ou “O que essa pessoa faria se...”. Seguindo essa linha de pensamento, você poderá explorar os mistérios que lhe atormentam.
    • Você não precisa saber o final da história quando começar. Na verdade, saber de pouca coisa da história antes de começar fará você explorar mais possibilidades criativas, dando força ao seu trabalho.
    • O cenário “E se...?” pode ser prático ou completamente fantástico. Você pode se perguntar: “E se meu cachorro começasse a conversar comigo?”, ou “E se meu vizinho, que ama muito meu cachorro, o sequestrasse algum dia desses?”.
  3. Inspire-se pelas suas experiências. Apesar de histórias curtas pertencerem à categoria de escrita de ficção, muitos trabalhos fictícios são altamente autobiográficos. Caso esteja escrevendo um trabalho sobre algo que tenha acontecido a você ou a alguém conhecido, isso seria considerado não-ficção; porém, inspirar-se por experiências próprias e levá-las para um nível novo e ficcional é um ótimo plano para escrever uma história, especialmente em momentos em que o escritor “não tenha assunto”.
    • Muitas pessoas afirmam que você deveria “escrever sobre o que sabe”. Uma escola de pensamento é que se você cresceu numa fazenda em Santa Catarina, ou tentou passar dez anos tentando ser um pintor na Noruega, deveria escrever sobre essas experiências em vez de tentar adivinhar como seria a vida de uma pessoa em tais lugares.
    • Alguns escritores dizem que você deveria “escrever sobre aquilo que desconhece acerca do que conhece”. Isso significa que você deveria começar em território familiar, passando a explorar algo que lhe deixou curioso ou que lhe pareça estranho nesse mesmo tema.
    • Se você se confortar demais escrevendo sobre coisas que realmente aconteceram, acabará não dando espaço para a criatividade. Por exemplo, talvez você tenha tido um amigo de infância que foi embora sem avisar, ou talvez ande pensando sobre o que aconteceu com aquele operador de trem que tanto lhe fascinava. Explore esse mundo e ponha-o no papel.
  4. Inspire-se por uma história que tenha escutado. Sempre esteja buscando histórias que seus amigos e familiares tenham lhe contado e que dariam ótimos trabalhos de ficção. Se sua mãe ou avó sempre estiverem contando-lhe histórias sobre a infância, comece a escrevê-las. Tente imaginar como era crescer em um tempo ou lugar diferente e comece a escrever as possibilidades. Não se desanime caso não saiba tudo sobre tal período de tempo; você sempre pode pesquisar.
    • Quando um de seus amigos disser: “Você não vai acreditar no que aconteceu comigo na semana passada...”, preste atenção. Você poderia ter o começo de uma história em mãos.
    • A história poderia vir de algum lugar incomum. Talvez um DJ de Rádio tenha falado sobre a infância com algumas frases curtas, e você repentinamente se sentiu fascinado com como a vida dele foi.
    • Apenas esteja avisado: se você ganhar a reputação de escritor que “rouba” as histórias que as pessoas lhes contam, usando-as para ficção, muitos hesitarão quando quiserem lhe falar algo.
  5. Inspire-se por um ambiente. Uma história pode vir de um forte sentimento acerca de um lugar. Você não precisa se inspirar por uma praia paradisíaca ou por suas férias incríveis em Veneza. Em vez disso, inspire-se do normal. Pense em como era passar o verão no pomar de sua avó quando você era criança; lembre-se de como era brincar com seu amigo no porão da casa dele na época da escola.
    • Escrever sobre um lugar pode levá-lo a desenvolver personagens e conflitos interessantes.
  6. Inspire-se através de um exercício de escrita. Exercícios de escrita vêm ajudando muitos escritores a desenvolverem a criatividade, a encontrarem inspiração em lugares improváveis, e a se forçarem a escrever mesmo com “falta de ideias”. Você pode começar com um exercício de escrita para se aquecer por 10-15 minutos; ou pode escrever por uma hora com base no exercício mesmo quando falta inspiração. Aqui estão alguns ótimos exercícios para você começar:
    • Comece uma história com a seguinte frase: “Jamais contei isso a alguém antes”.
    • Observe a imagem de um celeiro normal num campo. Em seguida, descreva-o do ponto de vista de alguém que acabou de cometer assassinato. Faça isso novamente do ponto de vista de uma garota que tenha acabado de perder a mãe. Veja como os pensamentos dos personagens podem influenciar a maneira dele de ver o mundo.
    • Apenas escreva por 10-15 minutos sem parar. Não pare ou olhe o que escreveu até acabar.
    • Escolha uma pessoa de sua vida que seja absolutamente odiosa. Agora, tente escrever uma história do ponto de vista dela. Tente fazer o leitor simpatizar com ele o máximo possível.
    • Permita que um personagem lhe surpreenda. Escreva sobre um personagem que você aparentemente conhece bem, e permita que essa pessoa faça algo completamente inesperado. Veja o que acontece em seguida.
    • A discussão. Faça dois personagens discutirem sobre algo completamente mundano, como quem levará o lixo para fora, ou quem pagará o cinema. Esclareça que essa discussão é realmente sobre algo maior e mais sério, como quem irá terminar o relacionamento, ou quem está dando muito e recebendo pouco. Tente permitir que o diálogo faça todo o trabalho.
    • Linguagem corporal. Escreva 500 palavras que descrevam dois personagens que estejam sentados próximos um do outro. Sem usar diálogo, permita que o leitor veja exatamente como cada personagem se sente em relação ao outro.
  7. Inspire-se lendo histórias. Se quiser dominar a arte de contar história, você deve ler a maior quantidade de trabalhos artísticos que puder. Você deve ler os clássicos e os mestres contemporâneos, usando a escrita dos outros para inspirar seus próprios trabalhos. Aqui estão algumas histórias contemporâneas e clássicas que podem inspirá-lo a escrever mais:
    • ”A Dama do Cachorrinho”, de Anton Tchekhov
    • ”O Barril de Amontillado”, de Edgar Allan Poe
    • ”Um Lugar Limpo e Bem Iluminado”, de Ernest Hemingway
    • ”Um Trajeto Gasto”, de Eudora Welty
    • ”Catedral”, de Raymond Carver
    • ”O Passado Morto”, de Isaac Asimov
    • ”A Selva”, de Ray Bradbury
    • ”As Coisas que Carregaram”, de Tim O’Brien
    • ”Fugitiva” de Alice Munro
    • ”Garota” de Jamaica Kincaid
    • ”A Filha do Coveiro” de Joyce Carol Oates
    • ”Missa do Galo” de Machado de Assis

Desenvolva Sua História

  1. Desenvolva um ponto de vista. A maioria das histórias é escrita em primeira, segunda ou terceira pessoa. Se você estiver começando, é melhor se acostumar a um único ponto de vista. Aqui estão os três pontos de vista e como eles são usados:
    • A Primeira Pessoa. A primeira pessoa é contada diretamente da perspectiva de um personagem que usa o “Eu” para se referir a si mesmo. “Jamais contei isso para alguém antes” é um exemplo de escrita em primeira pessoa. A primeira pessoa é ótima caso você queira permanecer próximo da perspectiva e dos pensamentos dos personagens, mas pode limitá-lo caso a perspectiva desse mesmo personagem seja muito limitada. A primeira pessoa pode ser a perspectiva mais fácil caso este seja seu primeiro trabalho.
    • A Terceira Pessoa. A terceira pessoa é quando você escreve sobre um personagem usando “ele” ou “ela” a partir de uma perspectiva externa, como “Ele estava cansado”. Na terceira pessoa, o autor pode se aproximar dos pensamentos de um personagem ou se distanciar dele.
    • A segunda pessoa. A segunda pessoa aborda o leitor diretamente com o “Você”. Como em: “Você caminhou em direção ao escritório”. Essa pode ser uma grande técnica para conquistar o leitor, mas também é meio exagerada.
  2. Desenvolva seu enredo. Toda história deve ter um enredo que conquiste o leitor, levando-lhe a perguntar o que acontecerá em seguida. Isso não significa que sua história deve incluir uma perseguição em alta velocidade ou um assassinato; seus leitores podem querer saber o que acontece em seguida mesmo que a única coisa acontecendo seja duas pessoas conversando numa lanchonete. Apesar de cada história ser diferente, aqui estão alguns elementos básicos de um texto ficcional:
    • A Ação/Exposição crescente: isso tipicamente surge no início de uma história, quando os leitores são apresentados aos personagens principais, ao ambiente e ao conflito central. Porém, algumas histórias começam direto no meio da ação e fazem os leitores recuarem no tempo para descobrir o que está acontecendo.
    • O Conflito: as coisas em jogo. Deve haver algo em jogo em cada história, ou o leitor não irá querer continuar a ler, independentemente da beleza da linguagem apresentada. Toda história precisa de um conflito ou de um ponto de tensão; pode ser tão dramática quanto dois homens brigando pela mesma mulher, ou uma menina imaginando se a amiga dela irá convidá-la para uma festa. A natureza do conflito não é importante – o que é importa é que seus leitores se interessem pelo que acontece.
    • A Ação Decrescente: a conclusão da história. Após o conflito ter sido resolvido ou discutido, a história terá de se fechar. A maioria das histórias curtas não possui finais felizes, ou finais fechados. Muitas histórias terminam com uma palavra ou imagem que faz o leitor pensar. Se a história amarrar todas as pontas soltas, você acabaria removendo um pouco do mistério e da mística por trás dela.
  3. Desenvolva seus personagens. Sua história precisa ter um personagem (ou personagens) que faça seu leitor se importar e até torcer, mesmo que tal personagem não seja um cidadão de bem ou uma pessoa de boa índole. Você pode caracterizar seus personagens de inúmeras maneiras e todas elas são válidas. Aqui estão alguns jeitos de fazer seus leitores sentirem fortemente os personagens:
  4. Descreva o que eles dizem. A perfeita linha de diálogo pode exibir um pouco das intenções do personagem – especialmente se o diálogo não combinar com aquilo que ele está pensando.
    • Descreva o que eles fazem. O personagem acorda sempre às seis da manhã sem um alarme, ou ele passa horas apertando o botão “soneca” antes de acordar? Toda ação pode ajudar a construir o personagem, por mais insignificante que ela pareça de início.
    • Descreva a aparência deles. O personagem se veste formalmente para ir ao supermercado, ou sorri maniacamente durante um momento de tristeza profunda? A aparência física do personagem pode revelar detalhes de seu estado mental.
    • Descreva como eles interagem com os outros. Seu personagem é irremediavelmente tímido, ou tão mandão que todos ao redor dele sentem medo de falar? Ele é legal com garçons pelo fato de a mãe dele ser uma garçonete, ou ele age feito idiota com os garçons por uma garçonete ter lhe partido o coração (ou só por vontade mesmo)? Ver um personagem interagindo com o mundo pode revelar muito de sua personalidade.
  5. Desenvolva os diálogos. Os diálogos marcam as palavras que os personagens dizem, e normalmente são precedidos por um travessão. Diálogos podem revelar muito sobre os personagens a partir do que eles dizem e escolhem não dizer. Você deveria encontrar diálogos que duas pessoas normais poderiam ter, sem parecer algo muito forçado ou elegante. Leia seu diálogo em voz alta para saber se ele parece algo que uma pessoa diria.
    • O diálogo entre dois personagens também pode fazer o leitor compreender melhor a dinâmica entre os dois.
    • Preste atenção a o que não é dito também. Por exemplo, suponhamos que um garoto, jogador de futebol esteja triste por seu pai não estar assistindo ao seu jogo. Se o garoto nem ao menos comentar o jogo da próxima vez em que os dois se encontrarem, isso pode sinalizar muita coisa.
    • Evite dar marcações indiscretas ao seu diálogo, como “Maria afirmou...” em vez de “Maria disse...”.
  6. Desenvolva seu ambiente. O ambiente de uma história pode ser crucial ou ter pouca importância em relação aos eventos que se desdobram. Se sua história for ambientada em uma casa genérica que tenha pouca relação com a história, tudo bem. Mas se um marido invade a casa que ele compartilha com a esposa, então todo detalhe é importante, pois isso pode revelar mais sobre a relação do casal. Decida quais partes do ambiente devem ser importantes e desenvolva-as de acordo com suas conclusões.
    • Mesmo que o ambiente não seja tão crucial para sua história, evite confundir o leitor. Permita que ele saiba onde os eventos estão ocorrendo, mesmo que seja uma cidade rural ou uma escola no meio do nada.
    • O período de tempo também pode ser considerado parte do ambiente. Se sua história tratar sobre os anos 60, dê pistas ao leitor – ou afirme a época diretamente – para que ele não fique pensando que a narrativa está no presente.
  7. Desenvolva sua voz. Na escrita, a voz é o estilo único que suas palavras possuem quando estão no papel. Suas palavras têm seus trejeitos, ritmos e cadência particulares, e ninguém deve conseguir duplicá-las. No começo, é natural que escritores tentem imitar seus autores prediletos. Porém, enquanto evolui como escritor, você deverá encontrar um jeito único de expressar seus pensamentos e ideias.
    • A voz' descreve como soam as palavras do autor, e não como soam as palavras de um personagem. Toda palavra colocada na história contribui para a voz do autor.
  8. Evite as armadilhas da escrita de histórias. Apesar de haver algumas dicas, não existem regras precisas e rápidas sobre o que constitui uma boa história e o que constitui uma péssima história. Ainda assim, você pode melhorar suas chances de escrever uma boa história evitando alguns erros comuns cometidos por escritores. Aqui estão algumas coisas que devem ser pensadas enquanto você prossegue escrevendo:
    • Evite a “lixeira de informações”. Não diga ao leitor tudo o que ele acha que precisa saber logo no início da história. Se você passar três páginas descrevendo os personagens e as ações antes de algo acontecer, seu leitor se cansará.
    • Evite finais enganadores. Ninguém gosta de ler uma história apenas para descobrir que tudo foi um sonho, ou que a história foi contada a partir do ponto de vista de um alienígena.
    • Mantenha a simplicidade. Você pode achar que usar linguagem elevada e rebuscada é o melhor jeito de escrever. Caso esteja escrevendo uma história sobre a vida da elite em um castelo ornamentado, isso pode ser sua melhor aposta. Porém, para a maioria dos conceitos, o ideal é manter a simplicidade.
    • Evite exposições no diálogo. A narração e a falta de diálogos devem transmitir informações básicas acerca da história. Diálogos devem ser usados para fornecer mais informações sobre os personagens e suas lutas e relacionamentos, sem ceder “os fatos” da história. Por exemplo, um personagem não pode dizer: “Sam, apesar de você ter vinte anos e este ser seu segundo ano em Harvard...” por isso ser algo que ambos já conhecem.
    • Demonstre sempre o que está em jogo. Qualquer leitor deve conseguir responder “O que está em jogo?” enquanto lê a história e após ter terminado. A história terá falhado caso o leitor a termine sem compreender o objetivo do texto.

Revise Sua História

  1. Guarde a história e retorne a ela mais tarde. Dê uma pausa a sua história – mesmo que seja apenas por um dia. Em seguida, leia-a com novos olhos, e tente enxergá-la na perspectiva de um leitor. Como leitor, quais frases você acha desnecessárias ou confusas? Quais fatos permaneceram nebulosos? Quais pontos da trama são muito óbvios ou muito complicados? Ler seu próprio trabalho com novos olhos pode lhe dar uma perspectiva renovada sobre o que precisa mudar.
    • Algumas vezes, a simples impressão da história num documento do Word pode ajudá-lo a enxergá-la com uma nova perspectiva.
    • Se você realmente quiser melhorar a história, mas se sentir travado, tente deixá-la de lado por um mês ou dois. Você ficará surpreso com quanta inspiração ganhará durante esse período.
    • Deixar o trabalho de lado por um tempo é uma boa atitude, mas não o guarde o suficiente para perder o interesse nele.
  2. Consiga feedback. Você pode compartilhar sua história com amigos próximos, escritores, professores ou até grupos literários caso esteja pronto para exibir o texto para o mundo. Certifique-se de não pedir para que as pessoas opinem sobre sua história enquanto ela não estiver completa, ou você se sentirá diminuído pela crítica. Junte-se a workshops de literatura com indivíduos semelhantes a você e que realmente se dediquem à boa escrita – isso o ajudará a ganhar uma nova perspectiva quanto ao seu texto.
    • Para que o feedback seja útil, você terá de ser receptivo. Se você acha que escreveu a história mais perfeita do mundo, acabará não escutando o que os outros têm a dizer.
    • Certifique-se de que você esteja dando sua história aos leitores certos. Talvez você não ganhe o melhor dos feedbacks caso entregue um conto de ficção científica para alguém que jamais leu tal gênero antes.
  3. Revise a história usando vários truques. Existem milhares de maneiras de se revisar uma história, e tudo depende de como o primeiro rascunho do trabalho parece e de quanto trabalho ainda deve ser feito. Muitas histórias podem levar dez ou mais rascunhos para ficarem prontas – portanto, não se sinta desencorajado caso tenha de mudar tudo no trabalho. Enquanto você revisa, eis alguns elementos que devem ser levados em consideração:
    • A necessidade de se mudar um ponto de vista. Talvez você tenha pensado que sua história funcionava melhor na primeira pessoa; porém, ao lê-la pela segunda vez, você pode enxergar que a terceira pessoa seria ainda melhor.
    • Cortar palavras complexas. Uma boa regra é cortar 250 palavras de sua história (desde que ela tenha, no mínimo, dez páginas) após terminá-la. Você ficaria surpreso com o volume de palavras desnecessárias de seu texto.
    • Corte a confusão. Pergunte-se se você entenderia completamente o que se passa na história caso não houvesse a escrito. Talvez os conceitos sejam claros para você, mas seus leitores poderiam se sentir confusos.
    • Faça mais pesquisa quando necessário. Se você estiver escrevendo uma história no Brasil dos anos 60 e descobrir que não sabia o suficiente sobre tal período de tempo, será hora de abrir livros para aprender a elaborar um texto convincente sobre tal era.
    • Seja persistente. Quando se frustrar, lembre-se de que o primeiro rascunho de uma história jamais é bom – mas, ao escrever o segundo/terceiro/quarto rascunho, você terá o potencial de escrever um conto incrível.

Dicas

  • Use linguagem sensorial. Este é o segredo de prender a atenção de seu leitor. Certifique-se de que seu público possa “ver, cheirar e ouvir” o ambiente da história. Pinte um quadro através de suas palavras. Você não quer que o livro seja chato ou vago; você quer que o leitor imagine como são as coisas. Novamente: não descreva cada folha de cada árvore para não criar um roteiro arrastado.
  • Tente viver com seus personagens por um tempo para conhecer a personalidade deles. Faça seus personagens segui-lo, conversar com você, etc.. É como ter um amigo imaginário, só que real. Em sua história, pelo menos. Isso o ajudará a conhecer melhor o personagem.
  • Pessoas nem sempre conversam usando frases completas. Elas dão respostas diretas e monossilábicas. Portanto, use, ocasionalmente, palavras vagas como “Aham... hmm...”, etc.. Não exagere! O bom diálogo não precisa soar exatamente como uma conversa real: é uma conversa real sem todas as suas partes entediantes.
  • Ao construir o personagem, lembre-se: ninguém pode ter a mesma idade para sempre. Ao crescerem, o humor e até a personalidade dos personagens mudam – eles podem ficar agitados e mal-humorados rapidamente. Faça com que as ações do personagem correspondam à idade dele.
  • Procure melhorar seu vocabulário. Encontre a palavra exata para aquilo que quer: o personagem está triste ou agitado? Pesquise e pense sobre as conotações das palavras. Experimente manuais como “Os Elementos do Estilo” para aprender como dizer o que quer de uma maneira clara, eficiente e única.
  • Pense bastante sobre seus personagens (quem eles são, como são, o que querem, do que têm medo), ambiente (período, localização), e conflito (pessoa contra pessoa, pessoa contra sociedade, pessoa contra destino). São esses elementos que tornam a história interessante.
  • Edite, edite, edite. Verifique pontuação ortografia, gramática e sintaxe, é claro – mas não ignore as grandes questões. As ações e respostas do personagem são plausíveis? Você tomou atalhos na trama, tornando-a mundana ou superficial?
  • Utilize experiências de sua vida como inspiração.
  • Certifique-se de que a trama não seja muito confusa. Pare caso muitas coisas estejam acontecendo ao mesmo tempo. Dê uma pequena pausa e limpe sua mente. Reler a história desde o início dela é sempre uma boa ideia, pois isso lhe dá novas perspectivas e lhe ajuda a pensar acerca de qual caminho seguir.
  • Caso você seja facilmente influenciado pela escrita dos outros, não leia demais. Prefira livros que você conheça e estude como o autor desenvolve personagens, tramas e objetivos com o tempo.

Avisos

  • Não use palavras grandes e complexas com frequência. Seu texto parecerá pouco profissional, como se o computador o houvesse escrito. Ainda assim, não use palavras chatas e diretas com muita frequência também.
  • Tente não arrastar a história. Não prolongue o assunto. Dê detalhes o bastante para encorajar tanto a compreensão quanto o interesse.
  • Para fazer uma história interessante, jamais plagie o trabalho de alguém. Escrever uma boa história pode ser um processo demorado – portanto, seja paciente.
  • Descrever o ambiente extensivamente pode acabar com sua história.
  • Certifique-se de variar a extensão de seus parágrafos.
  • É natural e fácil usar descrições fechadas de pessoas que você conhece bem – como familiares. Disfarce os personagens o suficiente para evitar ofender sua família. Caso contrário, você será visto como alguém mau por algum tempo.
  • Falta de criatividade é muito comum. Você ficará frustrado, mas não desista; dê pausas e descanse sua mente. Lembre-se: Caneta, Traseiro na Cadeira e Persistência são elementos que escrevem a história.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.