Como Evitar Desconfiança e Paranoia

Uma mente desconfiada está sempre receosa e captando significados ocultos que mais ninguém considera existir. Pode ser uma maneira devastadora de viver, enxergar o mundo através de uma lente hipervigilante, e um pensamento descontrolado de desconfiança pode se transformar em um transtorno de personalidade paranoide, um estado em que você pode nem achar que há um “problema”, mas em que estará ciente de que há algo incorreto com a sua abordagem à vida. Quando comportamentos de desconfiança sem fundamento resultam em exageros em relação a coisas pequenas, sua mente fica em um estado nervoso constante e você perde a energia mental que poderia ter sido usada para usos mais produtivos e criativos. O que é pior é a realidade que as pessoas ao seu redor, seja na sua casa, no local de trabalho e em qualquer outro lugar, podem achar que lidar com sua natureza desconfiada é irritante, e às vezes até ameaçador. Às vezes, agir naturalmente e deixar o momento ser o que realmente é ajuda a ver a vida como algo mais natural e tolerável, enquanto ao mesmo tempo preserva sua sanidade e não testa a paciência dos outros. Se você é capaz de perceber que sua perspectiva desconfiada da vida não é saudável e está disposto a fazer algo em relação a isso, então você já está no caminho certo. Esse artigo supõe que você é capaz de reconhecer que você, ou talvez alguém próximo a você, possui uma perspectiva de desconfiança que pode se tornar paranoia se você não tomar iniciativas para impedir essa transição. Se estiver pronto para trabalhar seu estado de mente desconfiado, você poderá controlá-lo.

Passos

  1. Perceba que há um problema. O ajuste desse estado mental começa primeiro com o conhecimento e a realização de que definitivamente há um problema. Preste atenção e observe seu próprio comportamento e faça um esforço para fazer as pazes. Surpreendentemente, você pode não enxergar seu comportamento ou suas atitudes como desconfiança, principalmente se você igualar seu comportamento com o ato de se importar e se envolver na vida das outras pessoas, ou de ser defensivo e auto protetor (como tentar afastar algo de ruim que está acontecendo com você). Aprender a detectar as desconfianças sem fundamento é um primeiro passo importante. Pergunte a si mesmo as seguintes questões; se você responder qualquer uma delas ou mais com “sim”, considere que você pode ter uma mentalidade desconfiada:
    • Você distorce mensagens simples e claras em algo mais profundo e até mesmo inacreditável aos padrões comuns das interações? Ler entrelinhas com cada palavra, interação e ação lhe fará supor coisas que nem existem. Excesso de análise leva a paralisia, porque você suspeita de tudo e de todos ao invés de seguir em frente com a vida.
    • Você fica constantemente checando alguém da sua vida, perguntando onde a pessoa está, o que ela está fazendo e quanto tempo irá levar até ela voltar para casa ou vir você novamente?
    • Você acha que as pessoas estão sempre te passando a perna, mentindo para você ou lhe magoando de propósito? Objetivamente, suas desconfianças são apoiadas por mais alguém ao seu redor?
    • Você se enfurece ou fica profundamente aflito sempre que alguém com quem você se importa passa o tempo com outra pessoa? Isso é principalmente em relação a um amante, cônjuge ou parceiro passando o tempo com outra pessoa do mesmo sexo, mas também pode ser em relação a filhos, amigos, colegas de trabalho etc.
    • Você está sempre preocupado que as pessoas próximas a você possam estar sendo infiéis? Você também pode achar difícil desabafar com alguém, porque tem medo que a pessoa use seus segredos contra você.
    • Você tem inveja das vidas, ações e oportunidades das outras pessoas? Qualquer forma de inveja deve ser resolvida, ou isso irá consumir você.
    • Você tem problemas de insegurança? Pode ser insegurança em relação ao amor, ao dinheiro, à segurança, à saúde etc. – deixar essas inseguranças dirigirem suas ações no mundo irá impedir que você se sinta mais forte e capacitado.
    • Você não consegue perdoar insultos e desrespeitos que os outros cometeram a você? Você carrega um desejo pela vingança?
  2. Entenda a origem da mentalidade desconfiada ou paranoide. Desconfiança e paranoia tendem a começar como um mecanismo de defesa em situações onde há um sentimento de falta de controle sobre a própria segurança; geralmente suas origens são encontradas em uma infância infeliz e traumática. Pode haver fontes ambientais, biológicas e hereditárias. Para aqueles que passaram por um trauma dentro de um relacionamento, a confiança é geralmente destroçada e há uma tendência a transferir essa suspeita a todos, como uma maneira de se auto proteger antes que qualquer outro dano possa ser feito.
    • Infelizmente, muitas pessoas que possuem um transtorno de personalidade paranoide não recebem tratamento, porque o transtorno é visto como depressão, ansiedade, abuso de substâncias, transtorno de pânico, fobia, ou transtorno bipolar. Certamente, não é incomum essas outras doenças mentais andarem de mãos dadas com um transtorno de personalidade paranoide, então se você estiver recebendo tratamento para um desses outros transtornos, não tenha medo de conversar com seu doutor sobre quaisquer pensamentos paranoicos e desconfiados que você possa ter também.
    • Pesquisar sobre o transtorno é uma boa maneira de aceitá-lo. Isso irá lhe ajudar a entender melhor o próprio transtorno, e qual o impacto que ele pode estar tendo sobre você, ou o que pode acontecer se você não resolver o problema agora. O conhecimento irá permitir que você se liberte parcialmente da culpa que sente ou da culpa que colocou em outros, pois você começará a enxergar essa mentalidade de desconfiança como um comportamento compensatório ao invés de algo do qual você deva ter medo ou vergonha, ou deva defender.
  3. Converse com seu profissional da saúde mental ou um terapeuta. Talvez você consiga começar a revisar a sua visão de desconfiança por conta própria, mas é melhor receber apoio e determinar qual será a melhor solução para você. Esse artigo supõe que você esteja recebendo os cuidados médicos apropriados além de estar tentando trabalhar seus problemas sozinho. Isso porque pode ser extremamente difícil quebrar uma mentalidade de desconfiança por conta própria, principalmente se estiver na etapa da paranoia, e você não deve precisar passar por isso sozinho. Não seja difícil consigo mesmo; sair de sua casca protetora é algo com o qual os outros estão dispostos a ajudar, se você permitir. Isso também inclui aprender a confiar em algumas pessoas de sua vida pessoal que estarão prontas para fazer exceções para seus momentos menos desejáveis para lhe ajudar a crescer além das suspeitas, e ter uma mentalidade de maior confiança. Pense nas pessoas que possuem um papel “neutro” na sua vida, pessoas das quais você não suspeita e pessoas que você sabe que lá no fundo você pode confiar.
    • Quando a desconfiança alcança o estágio onde se transforma em transtorno mental, o comportamento de suspeita e desconfiança pode, às vezes, resultar no fato de o paciente não confiar mais nem no doutor, tornando o tratamento difícil, e é ainda mais difícil quando o paciente se recusa a assumir responsabilidade pelo comportamento. Evite deixar suas desconfianças alcançarem esse estágio!
    • O transtorno de personalidade paranoide pode levar bastante tempo para tratar, e pode precisar de métodos como: farmacoterapia, mudanças ambientais, e terapia (onde as consequências indesejáveis do comportamento paranoide são constantemente explicadas ao paciente pelo terapeuta). Os tipos adequados de terapia incluem a psicoterapia a longo prazo, a hipnoterapia, a terapia cognitivo-comportamental, a psicanálise etc.
  4. Passe tempo enfrentando o motivo pelo qual você desconfia das pessoas. Você deseja poder relaxar, parar de enxergar tanta falta de confiança no mundo e se libertar de toda sua insegurança para poder aproveitar a vida? É importante encarar por que esse pode ser o caso, e escrever é uma boa maneira de trabalhar todos os problemas. Escreva todas as vezes na vida em que você se sentiu machucado, traído, sem esperança ou humilhado, e os sentimentos que acompanham. Escrever pode lhe ajudar a organizar os pensamentos e acalmá-los, lhe ajudando a esclarecer os relacionamentos entre seus pensamentos e as influências externas, como por exemplo, outras pessoas e situações.
    • Escreva sobre quaisquer experiências da infância que fizeram você se sentir desconfiado de tantas pessoas. Isso inclui escrever sobre os relacionamentos com cada membro da família e suas experiências formativas.
    • Olhe para uma foto de você mesmo quando criança. Quais sentimentos são trazidos de volta? Como era ser você naquela época?
    • Se defina. Preencha: “Eu me enxergo como alguém…”; “Eu tenho medo de…”; “Eu desejo…”; e “Eu sou mais feliz quando…”. De que maneiras você gostaria de mudar essas respostas?
  5. Dê às pessoas o benefício da dúvida. Se a sua própria vida tem sido uma série de reviravoltas, então esteja certo de que muitas outras pessoas também passaram pelos mesmos desafios, dificuldades e preocupações que você. Evite fazer suposições sobre a pessoa que elas são agora, como por exemplo, pensar que elas conseguiram as coisas facilmente ou que elas não têm que lutar contra os mesmos problemas que você. Quando você é rápido em julgar outra pessoa sem dar a ela o benefício da dúvida, você arrisca tirar suas próprias conclusões baseadas nas suas próprias suposições e entendimentos, e não na realidade.
    • Esteja ciente de que algumas histórias simplesmente não fazem sentido quando outra pessoa as explica, porque você não sabe de todos os fatos. Tente se colocar no lugar do outro e ver a situação com empatia. Em outras palavras, se torne alguém que entende melhor o erro humano, a falibilidade, e até mesmo a falta de jeito.
    • Evite dar muita importância para situações únicas da vida real. Se alguém se atrasou por causa do trânsito, então isso apenas significa que havia trânsito e que há nada escondido ou malicioso por trás disso. Mesmo se houver um padrão de atrasos acontecendo, a pessoa pode ser incrivelmente incapaz de organizar os horários e de chegar a qualquer lugar na hora certa. Não significa que ela está tramando algo só por causa dessa única característica, independentemente do quanto você não goste dessa característica.
    • Pense qual o custo de você duvidar de uma pessoa; o tempo dela, a presença dela, o amor dela, talvez a amizade dela?
    • Comece a aprender a praticar os antídotos da desconfiança e do pensamento de conspiração, ou seja: a confiança, a aceitação, e a serenidade.
  6. Evite usar infortúnios passados para determinar situações atuais e futuras. Viver no passado não é uma maneira saudável de dirigir o seu comportamento presente e futuro. Evite deixar más experiências passadas ofuscar seu julgamento presente e aprenda como impedir a si mesmo de dar respostas desconfiadas automáticas sempre que uma situação parecida aparecer. Sinta-se à vontade para aprender com suas experiências passadas para ajustar sua ingenuidade e aprimorar sua resiliência, mas use o passado como um auxílio ao invés de um peso que lhe arrasta para baixo. Você pode evitar cometer os mesmos erros novamente sem decorrer a sentimentos de desconfiança e paranoia. Então ao invés disso, confie em seu senso comum, um senso de perspectivas equilibradas, e mantenha uma mente aberta para ser guiado por novas experiências.
    • Você não pode controlar as pessoas, não importa o quão conveniente isso seria. A esperança de que você pode impedir alguém de se comportar de certa maneira está destinada ao fracasso, porque a outra pessoa não mudará para agradar suas necessidades. Você ficará impotente, em uma perturbação emocional profunda, e preso a padrões passados. O que você pode mudar é sua própria reação ao comportamento das outras pessoas e às expectativas do comportamento delas, para que você fique mais ciente e seja mais sábio ao invés de mais cauteloso e temeroso.
  7. Liberte-se da sensação de que alguém planeja machucar você. Há muitas pessoas genuínas e verdadeiras por aí. Dê a si mesmo e aos outros a chance de se provarem capazes antes de realizar um julgamento final sobre seus caráteres e personalidades. Aprenda a confiar em si mesmo primeiro, pois tudo começa assim. Geralmente nós atribuímos comportamentos aos outros que são bastante similares aos nossos. Simplificando, a paranoia e a desconfiança são mais sobre nossos próprios atributos do que realmente ver os atributos dos outros, e ver o mundo de forma desconfiada é uma projeção em outras pessoas de nossos próprios medos não resolvidos.
    • O isolamento e a solidão são resultados da ação de afastar as pessoas quando elas veem que você tem uma falta óbvia de fé e confiança. Sendo assim, é um ciclo vicioso, ironicamente alimentado pelas suas suspeitas.
    • Mude suas próprias circunstâncias. Pense sobre como você se sentiria se alguém com quem você importasse ou tivesse passado bastante tempo junto não tivesse confiado em nada que você fez ou disse. Pense sobre o sentimento que você teria se alguém ficasse importunando você a respeito de seu paradeiro e seus pensamentos. Como isso faria você se sentir? Suspeitas assim são desagradáveis no mínimo, e, na pior das hipóteses, completamente invasivas e perturbadoras.
  8. Coloque sua raiva sob controle. Sim, você teve o direito de estar bravo com as pessoas que lhe machucaram quando você estava em uma posição vulnerável. Mas essa raiva não pode ser transferida para todas as pessoas que conhecer ao longo da vida. Administrar a raiva é importante para a sua saúde a longo termo (porque isso reduz os níveis de estresse e lhe ajuda a perdoar as pessoas) e para preservar seus relacionamentos. Há aulas grupais e individuais sobre o controle da raiva, que lhe permitem a liberdade para explorar suas necessidades da maneira que funcionar melhor para você. Além disso, encontre maneiras de reduzir seus níveis de estresse.
  9. Gere um senso de calma e pense com lógica. Uma vida bem vivida envolve o uso de nosso senso comum e o ato de pensar antes de reagir ou falar. E, quando interagindo com outros, o ato de ter etiqueta e bons modos, e os pensamentos críticos com fundamento podem aprimorar suas relações e diminuir os medos. Aproveite toda oportunidade para aprimorar seu intelecto ao invés de embotar sua sabedoria com misticismo, medo, superstição e meias-verdades. Se você não sabe algo sobre as pessoas ou uma situação, evite transformar uma hipótese ou coincidências em um estado de fatos na sua mente. Esse tipo de salto mental pode lhe arranjar problemas e fazer você achar que pode afirmar como o mundo funciona apenas ao olhar para ele e confiar em suas próprias suposições. Nada é tão simples e mesmo assim, ironicamente, você torna as coisas muito mais difíceis para si mesmo ao pensar dessa maneira. Ao invés disso, objetive-se a ter uma abordagem mais calma e lógica a todas as situações apresentadas a você, e faça perguntas antes de afirmar, e procure explicações e evidências antes de chegar a conclusões.
    • A ansiedade geralmente acompanha os pensamentos de desconfiança e a paranoia. Se você conseguir tratamento para a ansiedade através de seu profissional da saúde, isso irá lhe ajudar a instigar mais calma em seus pensamentos.
  10. Aprimore suas rotinas de sono, exercícios e alimentação. Evite se tornar exausto e cansado mentalmente. Uma mente constantemente cansada pode facilmente entrar em um estado de frustração e confusão, que pode levar a fantasias desconfiadas. Quando você cuida das necessidades do seu corpo e da sua mente ao receber sono adequado, relaxamento, boa nutrição e exercícios frequentes, você não apenas se sente melhor como também percebe que o equilíbrio que isso causa lhe relaxa e restaura. Além disso, o exercício é um meio fantástico de liberar o estresse quando sentir que as suspeitas estão lhe consumindo por dentro. Faça uma caminhada ou corra para reprimir quaisquer medos que estejam crescendo.
    • Medite. A meditação pode lhe ajudar a aprender a se concentrar e relaxar. Ela também pode ser usada para aumentar seus sentimentos de bem-estar e felicidade interior.
  11. Aprenda a evitar colocar a culpa no comportamento dos outros. Colocar a culpa nos outros, brigar e reclamar de tudo o tempo todo pode repentinamente se tornar um hábito sem que você perceba, e o hábito pode impedir que você procure a verdade ou veja a sua própria contribuição inútil à situação. Às vezes é muito mais fácil supor do que investigar, então mantenha isso em mente antes de colocar culpa sem saber de nada.
    • Brigar e colocar culpas constantemente pode ser resultado de inadequações decorrentes do fato de não conhecer a si mesmo ou não confiar em si próprio. Talvez você precise se encontrar antes de se preparar para realmente se libertar de todas as desconfianças. Se for o caso, não demore em começar essa jornada de autodescoberta.
    • Não deixe ficar insatisfeito com as explicações dos outros se tornar um hábito. Adote uma atitude neutra e veja as coisas de maneira mais simples.
  12. Seja proativo. Pergunte a si mesmo como você planeja enfrentar problemas tão grandes de perda de confiança como a infidelidade, a deslealdade, e as revelações surpreendentes sobre as pessoas. Ter antes uma estratégia definida é muito melhor do que focar em nunca mais confiar em outra pessoa. Lembre-se que ter razão sobre o comportamento desleal de alguém não lhe ajuda realmente se você não tiver organizado seus próprios mecanismos de enfrentamento, pois ainda será você que receberá quaisquer consequências caso as coisas realmente deem errado. Mesmo assim, se você já for uma pessoa forte, positiva e de autoconfiança, você irá gerenciar muito menos crises na vida, principalmente se você não tiver apostado todo seu relacionamento em uma única coisa. Isso não é mais reconfortante do que pensar coisas como “Eu vou morrer se ele estiver me traindo”?
    • Observe que não se trata de tolerar um comportamento desonesto, e sim de aprimorar sua resiliência para que você possa lidar com o que vier caso as coisas aconteçam da pior forma, e enquanto isso você pode continuar vivendo procurando o melhor de cada pessoa, e não supondo o pior.
    • Tenha mais de uma pessoa da qual você possa receber apoio e amizade. Não se isole em um canto onde há apenas uma única pessoa na sua vida da qual você pode depender para todas as coisas emocionais e/ou financeiras. Isso é pedir encrenca. E é encrenca dupla ter altas expectativas para aquela pessoa para a qual você conta tudo.
  13. Adote uma mudança de comportamento. Esteja conscientemente ciente de seus processos de pensamento e faça as mudanças aos padrões negativos de pensamento quando eles aparecerem. Aprender a mudar sua atitude e seus padrões de pensamento irá lhe ajudar a colocar as dúvidas em seus devidos lugares.
    • Trabalhe em aprimorar sua autoestima. Você pode aprender a superar padrões de pensamentos negativos através de bons livros escritos por psicólogos e outros atores respeitáveis, mas você também pode pedir para seu terapeuta lhe ajudar a quebrar quaisquer padrões de pensamento que não ajudam em nada.
  14. Não seja ingênuo, e se permita crescer. Uma mentalidade desconfiada pode ser um meio de evitar assumir responsabilidade por si mesmo. Nesse sentido, ser desconfiado pode ser uma maneira bastante complicada de não encarar as realidades de relacionamentos fracassados, ou de fazer péssimas escolhas a respeito de relacionamentos. Embora seja doloroso, é muito mais fácil assumir que cometeu erros ao se envolver com alguém que não era certo para você e se preparar para uma pausa necessária para poder continuar amadurecendo longe da influência do que culpar a pessoa por tudo que não está funcionando para você. Se houver verdadeiros motivos para suspeitar que alguém está fazendo você de bobo, pergunte logo de cara e julgue o comportamento da pessoa pelas respostas e pela maneira como elas fazem você se sentir. Não há necessidade em ser um mártir, um prisioneiro, ou um guarda de prisão em um relacionamento – se não funciona, não funciona, e é hora de fazer mudanças construtivas.
    • Ninguém deve nada a você. Sucesso e respeito são conquistados. Se alguém constantemente e descaradamente mentir para você, você dá a ele razão suficiente para se comportar dessa maneira com você. Tire dúvidas e esclareça as coisas antes que as mentiras se tornem um hábito, e deixe tais pessoas saberem quando parar ou se afastar e que você não irá tolerar comportamentos desonestos.
  15. Ouça os seus próprios instintos e não o que você permitiu que os outros implantassem em suas descrenças. Baseie suas avaliações das pessoas em seu próprio somatório, não em opiniões que você ouviu dos outros. O relacionamento de cada pessoa com outra é altamente pessoal e você pode estar injustamente julgando alguém se baseando apenas no somatório de outra pessoa e em rumores. Ao invés de só se basear nos julgamentos de terceiros, baseie sua avaliação de outra pessoa em sua própria experiência com ela; afinal de contas, uma pessoa pode ser uma ótima amiga, confidente, ou um pai amoroso e ao mesmo tempo ser um cônjuge, professor ou chefe horrível e indiferente.
  16. Seja otimista e espere coisas boas também acontecerem na vida. Tenha paciência e aproveite ao máximo quando a oportunidade surgir. Se envolva em atividades que lhe mantêm propositalmente ocupado e passe o tempo com pessoas que lhe distraiam de uma maneira agradável. Quando você se mantém ativo e comprometido a fazer coisas que realmente importam pra você, é mais difícil ficar sobrecarregado por suspeitas. Procure pessoas com quem você possa se conectar, aprender, e crescer. Quando você sentir que alguém não é bom para você ficar por perto, defenda-se e fique longe de tais parcerias. Por fim, objetive-se a perder o senso de autopiedade que direciona o seu “eu” desconfiado e aproveite as oportunidades significativas que são sujeitas a virem a você quando se mantém uma mente mais aberta. E, acima de tudo, seja gentil consigo mesmo.
  17. Continue com terapia ou conselhos profissionais quando a esperança de se recuperar de uma mentalidade desconfiada ainda parecer difícil e distante. Falar sobre seus problemas ajuda a esclarecer seus próprios sentimentos sobre certas questões. Ter alguém para ouvir suas preocupações e fornecer outra perspectiva também pode lhe mostrar como você andou exagerando em situações e visto as coisas de maneira negativa. Ter alguém com quem desabafar pode lhe ajudar a superar uma abordagem cega a situações e lhe permite deixar as desconfianças e as suspeitas de lado.

Dicas

  • Uma suspeita ocasional baseada em fatos claros é justificável e aceitável, e faz parte de se manter vigilante e cuidar de si mesmo. Prestar atenção em sinais óbvios de falta de confiança ou de intenções de prejudicar você irá lhe poupar tristeza e mágoas no futuro. Sinais óbvios incluem flagrar alguém traindo você, encontrar dinheiro faltando na conta bancária, a polícia confirmar acusações etc.
  • O comportamento de desconfiança destrói relacionamentos. Qualquer pensamento negativo deve ser tratado como um convidado indesejado. Não dê seu poder a esses pensamentos. Eles irão embora.
  • Paranoia que sair de controle inevitavelmente contribui para depressão e doenças mentais. Depende do indivíduo prestar atenção às suas próprias necessidades e saúde mental.
  • Faz parte da jornada da vida aprender a equilibrar a desconfiança e ficar paranoico. Ao amadurecer, você achará mais fácil fazer a distinção e esperar menos das pessoas e mais de si mesmo.

Avisos

  • Se você se sentir fora de controle, será preciso visitar o doutor para poder avaliar a possibilidade de qualquer transtorno mental que precise de tratamento. Não negue a si mesmo o alívio que a medicação e a terapia podem fornecer; essas formas de apoio podem lhe tirar de um lugar de perda e medo e lhe restaurar a um estilo de vida mais repleto e conectado. Se valorize o suficiente para descobrir se há um problema de saúde oculto.
  • Use o senso comum quando ajustar uma mentalidade paranoica. Você não precisa ser ingênuo e confiar em toda pessoa que conhecer. Confiar e se acomodar demais, principalmente ao ponto de se autodestruir, é prejudicial e sem sentido.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.