Como Deixar um Marido Abusivo

Lidar com um marido abusivo é uma difícil provação pela qual algumas pessoas passam em suas vidas. Mas, você é muito corajosa em admitir para si mesma que as coisas que você tem suportado são erradas e que você não pode mais viver com um marido abusivo. Você já tomou o primeiro passo só por estar lendo este artigo e deveria estar orgulhosa de si mesma. Espero que as informações a seguir sejam úteis e a guie pelos passos de se deixar um marido abusivo.

Passos

  1. Confidencie-se com alguém íntimo sobre o que está acontecendo. Talvez você tenha medo de contar a alguém e este alguém não acreditar em você ou talvez você se sinta muito envergonhada para contar. Nesses casos, o melhor a se fazer é conversar com alguém anônimo em vez de alguém conhecido. Existem muitas linhas de ajuda (via telefone) para vítimas de abusos que irão sempre ouvi-la, apoia-la e oferecer conselhos. É geralmente mais fácil falar com alguém desconhecido do que alguém íntimo.
  2. Entenda que você não merece esse tipo de tratamento. Ninguém merece! Pare de criar desculpas para o comportamento do seu cônjuge. Talvez você tenha esquecido de preparar o jantar a tempo ou de apanhar as roupas no varal, mas você é humana. Seja o seu marido abusivo de forma física ou emocional, ele não tem o direito de te menosprezar ou ainda te machucar por um erro humano.
  3.  Saia mais. Vítimas de abuso doméstico tendem a ser tornar reclusas, se afastar das pessoas e raramente sair de casa. Isso tem a ver com medo. Medo de que alguém note o que está acontecendo com ela, medo de ser agredida pelo marido por ter saído sem permissão, etc. Se você sair de casa pelo menos um pouco, irá trará uma sensação maior de normalidade para o seu dia e ajuda a aumentar a sua confiança.
  4. Evite contar ao seu cônjuge que você está indo embora. Obviamente, a reação dele será tentar te machucar para te lembrar quem "está no controle". Mas, lembre-se de que você também tem o controle. Dessa forma: a única de alguém te machucar é se você deixar. Saindo de um relacionamento tóxico como este você estará retomando o controle. Então, ao invés de contar ao seu parceiro que você está indo embora, planeje tudo cuidadosamente. Comece a mudar os seus pertences de pouco em pouco para casa de amigos, depósitos ou ainda para o porta-malas de seu carro. Mude apenas o essencial.
  5. Entenda que o seu cônjuge não te ama. Vítimas de abuso são frequentemente induzidas a pensar que seus maridos ainda as amam. Por exemplo: seu marido te agride. Pouco tempo depois ele começa a chorar e a se desculpar dizendo que te ama e que não quis te machucar e pede que você não o deixe, que aquilo nunca mais ocorrerá. Mas, tudo não passa de mentiras. Você realmente acredita que alguém que te ama teria coragem de te agredir e te machucar? A resposta é não. Você começa a pensar que ele precisa de você e que você fará ele mudar. Mas, eles nunca mudam.
  6. Vá embora em um momento oportuno. Por exemplo, no meio da noite quando o seu marido está dormindo ou durante o dia enquanto ele estiver fora. Vá para a casa de amigos ou parentes ou para um abrigo para mulheres vítimas de abuso. Eles irão te entender e te ajudar.
  7. Desligue o seu telefone celular. Qualquer tipo de comunicação com o seu cônjuge pode resultar nele te convencendo a voltar para casa. Se voltar o abuso recomeçará e pode ser ainda pior por você ter ido embora.
  8. Denuncie ele. Numa situação como esta você pode não querer denuncia-lo achando que seria egoísmo seu, mas pense que ao denuncia-lo você está protegendo outras pessoas de serem abusadas por este monstro.
  9. Considere conseguir uma ordem de restrição. Lembre-se, no entanto, que uma ordem de restrição nada mais é que um pedaço de papel. Alguns maridos abusivos vão seguir a ordem e outros não. De fato, uma ordem de restrição pode deixá-los ainda mais raivosos e agressivos.

Dicas

  • Não volte para casa. Aquele era um relacionamento nada saudável e você merece algo muito melhor.
  • Não se sinta envergonhada em admitir para alguém que você é vítima de um marido abusivo. Você é uma vítima, justamente. A culpa não é sua.
  • Você é amada. Sua família te ama. Seus amigos te amam. Embora esse momento pareça um caminho escuro na sua vida, lembre-se de que o seu sorriso faz com que alguém sorria. Sua risada faz com que alguém ria. Não prive aqueles que realmente te amem desses pequenos detalhes para viver uma vida que está destruindo quem você realmente é.
  • Nunca se esqueça que você não está sozinha. Milhares de pessoas sofrem diariamente pelas mãos de parceiros abusivos. Se é para ser parte de uma estatística seja parte de uma estatística positiva e inspiradora. Seja uma de muitas pessoas que passam por essa situação traumática e encontram forças para reconstruir suas vidas.
  • Você é uma pessoa forte. As coisas podem parecer difíceis, mas elas melhoram mesmo que não pareça que vão. Encontre a força dentro de si mesma para deixá-lo.
  • A pior coisa que você pode fazer é não contar para ninguém porque assim ninguém poderá ajudá-la, mas se você encontrar a força e coragem para fazê-lo você verá que há pessoas que a amam e que se importam com você.
  • Depois de ir embora, mas antes de seu marido abusivo saber o que está acontecendo, peça a um membro da família para pegar todos os seus documentos importantes para segurança.
  • Se você se encontrar afastando as pessoas e se isolando, lembre-se de que ninguém está te forçando a se isolar, depende de você para encontrar a coragem e valentia para se livrar dessa situação.
  • Lembre-se de que essa situação não é sua culpa. Você nunca escolheu ser machucada. Você nunca escolheu ser abusada.

Avisos

  • Não fique numa relação abusiva se há crianças envolvidas. Você tem de ser forte para seus filhos e sair dessa relação. Não se trata apenas de você. Seja forte. O seu marido pode ser abusivo só com você por enquanto, mas é só uma questão de tempo até que ele comece a machucar as crianças também.
  • Não conte ao seu marido que você está indo embora. Isso pode resultar em mais violência.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.