Como se Distanciar Emocionalmente

Quando um relacionamento ou situação se torna demais para você aguentar, você pode precisar se distanciar deles emocionalmente. Distanciamento emocional não deve ser feito para fugir de seus problemas ou para tolerar abuso. Ele também não deve ser usado como uma arma contra os outros ou como desculpa para odiar alguém. O distanciamento simplesmente permite que você se acalme e coloque seus problemas sob uma perspectiva mais útil.

Estabeleça Limites

  1. Conheça seus limites internos. Limites internos são as restrições que você coloca em seus próprios pensamentos e comportamentos para proteger a si mesmo. Esses limites são pessoais e com frequência se formam instintivamente, mas como são limites pessoais, deve ser mais fácil para você administrá-los.
    • Colocar restrições em seu próprio comportamento pode parecer desagradável, mas na verdade pode ser algo positivo. Por exemplo, você pode escolher evitar abuso desnecessário decidindo com quem dentre seus amigos e familiares conversar sobre diversos problemas.
    • Você desenvolve a maioria dos limites internos naturalmente. Eles podem ser aprendidos dos pais conforme você cresce, ou você pode adquiri-los andando com pessoas que possuem seus próprios limites sadios.
    • Você pode não reconhecer seus limites internos primeiro. Eles podem se mostrar como um desejo forte para se distanciar de outra pessoa, uma ânsia súbita no estômago ou um sentimento inexplicável e vago que algo não está certo. Limites internos são normalmente instintivos e não deliberados.
  2. Estabeleça limites externos. Limites externos são os limites que você estabelece para os outros. Bons limites externos vão determinar restrições no comportamento dos outros de uma maneira que evite que eles tratem você mal.
    • Um limite externo pode ser algo simples como precisar de um pouco de tempo sozinho depois de uma discussão. Por outro lado, pode ser algo mais complexo, como se recusar a permitir que os outros desonrem você ou abusem de você (verbalmente ou fisicamente).
  3. Comunique firmemente suas intenções. Quando você precisar determinar limites externos para alguém, você precisa tornar esses limites claros para esse indivíduo. É aí que entra o distanciamento emocional. Imponha limites, e então reconheça que a reação do outro não é escolha sua.
    • Você pode comunicar os limites verbalmente ou não-verbalmente. Por exemplo, quando você precisa que alguém lhe dê espaço, você pode ficar de pé, olhar nos olhos da pessoa e declarar diretamente: “Preciso de um pouco de espaço agora.” Você também pode ficar de pé, olhar a pessoa nos olhos e ir embora sem dizer nada.
  4. Procure por resultados. Quando você envereda por esse caminho, precisa continuar nele. Estabelecer limites pode ajudar, ou pode se provar infrutífero. Olhe para os resultados com objetividade e decida como prosseguir dali.
    • Por exemplo, se você impor limites ao seu pai ou à sua mãe que são mais velhos e que abusam verbalmente de você, eles podem parar com esse comportamento quando virem que você não vai tolerá-lo.
    • Por outro lado, seu pai ou mãe pode persistir com o comportamento. O amor aos pais exige que você continue a se preocupar com as necessidades deles, mas numa situação dessas, pode ser melhor fazer isso contratando outra pessoa para tomar conta deles até que vocês possam se acalmar e se entender melhor.

Concentre-se Em Si Mesmo

  1. Reconheça que você é a única pessoa que pode controlar. Você pode tentar guiar as ações e reações das pessoas à sua volta, mas no fim das contas, cada pessoa deve tomar suas próprias decisões. A única pessoa cujo comportamento, pensamento e sentimentos podem ser controlados por você é você mesmo.
    • Como um exercício, identifique o que a fonte da sua ansiedade deve fazer para te alegrar usando a frase a seguir: “Se _______ pudesse ______, então eu me sentiria _______.”
      • Remova a primeira parte da frase, deixando apenas: “Eu me sentiria ______ .”
      • Essa parte restante é a única verdade irrefutável da frase e a única parte sobre a qual você tem qualquer influência. Pense nisso, e tente mudar o foco das ações do outro para seus próprios pensamentos e ações.
    • Esse entendimento é importante tanto em relacionamentos pessoais quanto em profissionais.Você tem tão pouco controle sobre seu cônjuge quanto sobre seu irritante colega de trabalho.
  2. Pare de renunciar ao controle de sua própria vida. Assim como você não pode controlar outro ser humano, outro ser humano não pode controlar você. Muitas vezes, no entanto, pode ser fácil se render à vontade dos outros quando você deveria bater o pé. Reconheça que o único poder que outra pessoa tem sobre você é o poder que você dá a ela.
  3. Fale frases usando “eu”. Pegue o hábito de falar sobre circunstâncias negativas da perspectiva de como você se sente sobre elas. Em vez de dizer que alguém ou alguma coisa deixou você triste, mude sua queixa para “ Eu me sinto triste porque…” ou “Isso faz com que eu me sinta infeliz.”
    • Colocar as coisas sob uma perspectiva do “eu” pode mudar seu pensamento, permitindo que você separe-se como um indivíduo da situação. Essa separação na verdade pode ajudar a tornar você mais distante emocionalmente do que as outras pessoas envolvidas.
    • Essa linguagem do “eu” também pode ajudar a desarmar uma situação tensa, pois permite que você expresse seus sentimentos e pensamentos sem soar acusatório.
  4. Afaste-se. Distanciamento físico pode provocar distanciamento emocional. Afaste-se da pessoa ou situação causadora de ansiedade assim que possível. Não precisa ser uma separação permanente, mas deve durar o suficiente para que você se acalme depois de um estado de emoções à flor da pele.
    • Se possível, vá para um lugar onde ninguém possa ver ou ouvir você e libere suas frustrações verbalmente. Você pode até mesmo gritar para um travesseiro, ou jogar o travesseiro para descarregar a raiva fisicamente. Quanto mais cedo você liberar as emoções que está sentindo, mais cedo poderá se distanciar delas.
    • Dar um passo para trás num relacionamento caótico também tem seus benefícios. Se você e seu parceiro estão constantemente brigando, considere passar um tempo separados para se curarem. Quando as tensões diminuírem, vocês dois podem tomar uma decisão melhor quanto à continuidade ou não do relacionamento.
  5. Reserve um tempo para si mesmo regularmente. Ao lidar com um relacionamento complicado ou uma situação que você é incapaz de terminar, pegue o hábito rotineiro de levar o tempo necessário para relaxar após lidar com a origem do drama. Reserve esse tempo para si mesmo sempre, mesmo quando você sentir que as emoções estão sob controle.
    • Por exemplo, se você precisa se distanciar de estresse emocional do trabalho, use alguns minutos para meditar ou relaxar assim que chegar em casa. Você também pode usar alguns minutos durante seu horário de almoço para fazer algo de que você realmente gosta, como ler ou caminhar. Entrar na sua própria bolha, mesmo por alguns minutos, pode dar o equilíbrio e a estabilidade necessários quando você voltar.
  6. Aprenda a amar a si mesmo. Você é importante. Você é tão importante quanto todos os outros. Chegue à conclusão que suas necessidades e desejos são tão importantes quanto as de qualquer um com quem você possa lidar. Talvez você precise ceder aos outros de vez em quando, mas também precisa se certificar de que não é o único fazendo sacrifícios.
    • Você precisa amar e respeitar a si mesmo antes que os outros amem e respeitem você também.
    • Parte de amar a si mesmo significa cuidar de suas necessidades e objetivos. Por exemplo, se você tem um objetivo que envolve que você continue sua educação, você deve dar os passos necessários para fazer isso, sem se importar se os outros à sua volta - seu parceiro, seus pais - concordam com sua decisão.
    • Amar a si mesmo também significa encontrar suas próprias fontes de felicidade. Você nunca deve depender completamente de uma única pessoa para fazer você feliz.

Viva no Presente

  1. Retorne ao problema depois de se afastar dele. Ao lidar com circunstâncias estressantes, pode ser fácil tomar decisões no calor do momento. Se você não está absolutamente certo de que pode ver a situação objetivamente, afaste-se dela e retorne ao problema apenas depois de ter uma oportunidade de se acalmar.
  2. Converse com um terceiro. Ligue ou mande e-mail para alguém completamente não relacionado à origem do seu estresse. Dependendo da situação, você pode se consultar com esse terceiro objetivo por um discernimento racional. Em outros casos, no entanto, você pode não falar nada sobre seus problemas e apenas curtir a companhia da pessoa como uma maneira de relaxar.
    • Muitas vezes, uma pessoa de fora pode ver as coisas sob uma luz mais objetiva do que alguém ativamente envolvido na situação. Apenas assegure-se de que a pessoa consultada seja alguém em quem você pode confiar.
    • Acredita-se que manter contato regular com amigos e outros entes queridos tem um efeito significativo em sustentar uma sensação geral de felicidade e bem estar. Manter-se saudável e equilibrado emocionalmente vai facilitar na hora de se distanciar emocionalmente das circunstâncias que desequilibrariam você.
  3. Não se aflija com o resultado. Após tomar uma decisão sobre o seu problema, defenda-a. Garanta a si mesmo que fez a melhor escolha possível com as informações que tinha. Reconheça que o resultado pode ser desagradável na superfície, mas no fim, ele ainda está “correto” porque sua decisão foi “correta”.
  4. Procure pelo lado positivo. Às vezes, um resultado aparentemente negativo é inevitável. Em vez de se mortificar com as partes ruins da situação e com o resultado final, comece a pensar nas coisas boas que podem sair disso. Muito poucas circunstâncias na vida são compostas apenas por tragédias.
    • Do mesmo modo, você também deve procurar pelos pontos positivos de uma pessoa ou situação antes de se distanciar. Quando você está emocionalmente desconsolado, os pontos negativos tendem a parecer enormes. Olhar para os pontos negativos e positivos podem tornar você mais objetivo, e, portanto, mais emocionalmente distante.
  5. Saiba que a dor é temporária. Haverá vezes em que você vai se sentir mal não importa o quando você tente se distanciar emocionalmente. Em vez de tentar ignorar a dor, reconheça sua presença, mas assegure a si mesmo que ela não vai durar indefinidamente. Você pode não estar distante agora, mas está criando as bases para o distanciamento num futuro próximo.
    • Se você estava emocionalmente distante e objetivo quando tomou sua decisão, provavelmente ela foi boa. Isso é verdade mesmo se o relacionamento terminar ou se você não fechar o acordo de negócios.
    • Quando um resultado negativo se origina de sua decisão, espere sentir dor novamente. Emoções são naturais, e impedi-las completamente é impossível.
    • Reconhecer que sua resposta emocional é temporária pode ajudar a diminuir sua duração e devolver você a um estado imparcial com menos drama.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.