Como Diagnosticar o Lúpus

Estima-se que cerca de 200 mil pessoas no Brasil sofram de lúpus, mas como os sintomas muitas vezes se confundem com os de outras doenças, o diagnóstico pode ser difícil. Para que você possa se preparar, é bom saber quais são os sintomas e os procedimentos para se diagnosticar o lúpus. Você também precisa conhecer as causas para que possa evitar possíveis fatores desencadeantes.

Reconhecendo os sintomas de lúpus

  1. Procure por uma mancha em forma de borboleta no rosto. Em média 30% dos pacientes com lúpus desenvolvem um eritema característico no rosto, parecido com uma borboleta ou uma mordida de lobo. A mancha se espalha pelas bochechas e pelo nariz, muitas vezes ocupando toda a área das bochechas e de vez em quando cobrindo parte da pele perto dos olhos.
    • Procure também por manchas em forma de disco no rosto, no couro cabeludo e no pescoço. Elas surgem como áreas vermelhas e elevadas e podem ser graves a ponto de deixar cicatrizes ao sumirem.
    • Preste maior atenção nas manchas desencadeadas ou pioradas pela luz solar. A sensibilidade à luz ultravioleta, seja ela natural ou artificial, pode fazer surgir feridas em partes expostas do corpo e piorar a mancha em forma de borboleta no seu rosto. Esta é mais grave e se desenvolve mais rapidamente do que uma queimadura solar normal.
  2. Note quaisquer feridas na boca ou no nariz. Caso você tenha lesões frequentes no céu da boca, na parte interna da bochecha, nas gengivas ou dentro do nariz, esse pode ser outro sintoma, especialmente se você não sentir dor. Na maioria dos casos, as feridas nasais e bucais associadas ao lúpus não doem.
    • A possibilidade de lúpus fica ainda mais forte se as feridas piorarem sob a luz do sol, condição chamada de fotossensibilidade.
  3. Procure por sintomas de inflamação. A inflamação das juntas, dos pulmões e da membrana ao redor do coração costuma ocorrer nos pacientes com lúpus. Além disso, os vasos sanguíneos também ficam inflamados.A inflamação e o inchaço são mais perceptíveis ao redor dos pés, das pernas, das mãos e dos olhos.
    • Suas juntas inflamadas podem se parecer com artrite. Elas também podem ficar quentes e sensíveis, inchadas e vermelhas.
    • A inflamação do coração e dos pulmões pode ser detectada em casa com base na dor no peito. Se você sentir uma dor aguda nessa região ao tossir ou respirar fundo, pode contá-la como um possível sintoma. O mesmo vale se você sentir falta de ar durante esses períodos.
    • Outros sinais de que seu coração ou seus pulmões podem estar inflamados incluem batimentos cardíacos anormais e tossir sangue.
    • A inflamação ainda pode ocorrer no trato digestivo e ser percebida por meio de indícios como dor abdominal, náusea e vômitos.
  4. Preste atenção na sua urina. Ainda que anormalidades na urina possam ser difíceis de detectar em casa, há alguns sintomas que você pode perceber. Se um rim for incapaz de filtrar sua urina por causa do lúpus, seus pés podem inchar. Pior ainda, se seus rins começarem a falhar, você pode sentir enjoos ou fraqueza.
  5. Note quaisquer problemas com seu cérebro e sistema nervoso. O lúpus pode afetar o sistema nervoso. Alguns sintomas, como ansiedade, dores de cabeça e problemas de visão, são comuns e difíceis de se atribuir a essa doença. No entanto, convulsões e mudanças na personalidade são indícios concretos levados muito a sério.
    • Saiba que, ainda que as dores de cabeça sejam muito frequentes com o lúpus, pode ser muito difícil atribuí-las à doença. Essas dores são corriqueiras e têm muitas possíveis causas.
  6. Pergunte a si mesmo se está mais cansado do que o normal. A fadiga extrema é outro sintoma habitual do lúpus. Ela pode ser causada por vários fatores, mas é comum que eles possam ser ligados à doença. Quando a fadiga vem acompanhada de febre, você pode ter ainda mais certeza de que é lúpus.
  7. Observe outras coisas estranhas no seu corpo. Você pode notar seus dedos mudando de cor para branco ou azul quando expostos ao frio. É o chamado fenômeno de Raynaud, e é normal que ele ocorra com o lúpus. Você também pode sentir olhos secos e falta de ar, e pode estar lidando com o lúpus se todos esses sintomas ocorrerem juntos.

Diagnosticando o lúpus

  1. Prepare-se para a consulta com o médico. Você pode ir a qualquer clínico geral para fazer o diagnóstico, mas o médico pode encaminhar você para outros que se especializem em exames e ferramentas de análise diferentes. Geralmente, porém, o começo do diagnóstico profissional ocorre no consultório de um clínico geral.
    • Antes da consulta, anote quando seus sintomas começaram e qual a frequência deles. Além disso, anote as medicações e os suplementos que você toma como possíveis fatores desencadeantes.
    • Caso algum dos seus pais ou um irmão já tenha tido lúpus ou outra doença autoimune, você também deve anotar essa informação. O histórico familiar e do paciente são muito importantes para o diagnóstico.
  2. Prepare-se para um teste fluorescente para anticorpos antinucleares (FAN). Os anticorpos antinucleares atacam proteínas no corpo e estão presentes na maioria das pessoas com uma forma ativa de lúpus. O exame costuma ser usado como teste inicial de avaliação. No entanto, nem todo mundo com um resultado positivo tem lúpus; são necessários mais testes para confirmar a presença da doença.
    • Por exemplo, um teste positivo para esse anticorpo também pode indicar esclerodermia, síndrome de Sjögren e outras doenças autoimunes.
  3. Faça um hemograma completo. Esse exame de sangue mede a quantidade de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plaquetas e hemoglobina no seu sangue. Certas anormalidades podem ser outro possível sintoma de lúpus. Por exemplo, esse exame pode revelar anemia, um indício comum da doença.
    • Note que esse exame sozinho não diagnostica o lúpus. Muitas outras doenças podem causar anormalidades semelhantes.
  4. Faça um exame de sangue que meça sua velocidade de hemossedimentação. Esse teste mede a velocidade que leva para os glóbulos vermelhos assentarem no fundo de um tubo de ensaio em uma hora. Uma velocidade rápida pode indicar lúpus, mas também é sintoma de outras doenças inflamatórias, cânceres e infecções, portanto o resultado não é absoluto.
    • Para esse exame, uma enfermeira pode colher uma amostra de sangue do seu braço.
  5. Saiba mais sobre outros exames sanguíneos. Como nenhum exame de sangue é exclusivo para o lúpus, os médicos podem fazer vários para limitar o diagnóstico. Os sintomas geralmente devem combinar com pelo menos quatro dos 11 sinais principais procurados pelos médicos. Outros possíveis exames que seu médico pode usar incluem:
    • Um exame de anticorpos antifosfolipídios: ele procura por anticorpos que atacam fosfolipídios e que tendem a estar presentes em 30% dos pacientes com lúpus.
    • Um exame de anticorpos anti-Sm: esse anticorpo ataca a proteína Sm no núcleo da célula e está presente em cerca de 30 a 40% dos pacientes com lúpus. Além disso, ele raramente aparece em pessoas sem a doença, portanto um resultado positivo quase sempre garante um diagnóstico de lúpus.
    • Um exame de anti-dsDNA: a anti-dsDNA é uma proteína que ataca o DNA de fita dupla. Cerca de 50% dos pacientes com lúpus têm essa proteína no sangue. Ela é muito rara nas pessoas sem lúpus, portanto um resultado positivo quase sempre resulta em diagnóstico da doença.
    • Exames Anti-Ro (SS-A) e Anti-La (SS-B): esses anticorpos atacam as proteínas RNA no seu sangue. No entanto, são mais comuns em pacientes com a síndrome de Sjögren.
    • Um exame de proteína C-reativa (PCR): essa proteína do fígado pode indicar a presença de inflamação, mas há muitas outras doenças que podem fazê-la aparecer.
  6. Faça um exame de urina. Ele monitora os rins, e rins danificados podem ser um sintoma de lúpus. Talvez você precise fornecer uma amostra para que o médico possa fazer uma análise. Esse exame procura por proteínas extras ou pela presença de glóbulos vermelhos do sangue.
  7. Pergunte sobre exames de imagem. O médico pode pedir um exame desse tipo se ele achar que você tem um tipo de lúpus que afeta os pulmões ou o coração. Um raio-x tradicional do peito pode ser solicitado para observar seus pulmões. Um ecocardiograma examinará seu coração.
    • O raio-x do peito pode revelar áreas com fluido ou inflamação nos pulmões.
    • Um ecocardiograma usa ondas sonoras para medir os batimentos do seu coração e detectar possíveis problemas.
  8. Pergunte sobre uma biópsia. Se o médico suspeitar de que o lúpus danificou seus rins, ele pode fazer uma biópsia cujo objetivo será obter uma amostra do tecido renal. O profissional avaliará a condição dos seus rins com base na extensão e no tipo de dano ocorrido, e pode usar essa biópsia para determinar o melhor tratamento para o lúpus.

Aprendendo sobre o lúpus

  1. Saiba o que é o lúpus. Trata-se de uma doença autoimune, ou seja, que faz o sistema imunológico atacar partes saudáveis do corpo. Ela afeta principalmente os órgãos, como o cérebro, a pele, os rins e as juntas. A doença também é crônica, ou seja, tem longa duração. Ela faz com que o corpo se inflame conforme o sistema imune ataca tecidos saudáveis.
    • Não há cura para o lúpus, mas os tratamentos podem aliviar os sintomas.
  2. Entenda os três tipos principais de lúpus. Quando as pessoas se referem à doença, elas geralmente falam do lúpus sistêmico eritematoso (LES). Essa variedade afeta sua pele e seus órgãos, especialmente os rins, os pulmões e o coração. Há outras, incluindo o lúpus cutâneo eritematoso e o lúpus induzido por medicamentos.
    • O lúpus cutâneo eritematoso só afeta a pele e não ameaça os outros órgãos do corpo. Ele raramente se transforma em LES.
    • O lúpus induzido por medicamentos pode afetar a pele e os órgãos internos, mas é causado pelo uso de remédios específicos. Ele costuma ir embora assim que essas medicações estão fora do sistema do paciente. Os sintomas associados a essa forma de lúpus costumam ser fracos.
  3. Identifique as causas. Embora seja difícil para os médicos entender o lúpus, com o tempo eles identificaram as características da doença. O lúpus parece ser desencadeado por uma combinação entre os genes e o ambiente. Em outras palavras, se você tiver uma predisposição genética para o lúpus, os fatores ambientais podem provocá-lo.
    • Desencadeantes comuns para o lúpus incluem medicamentos, infecções e o contato com a luz solar.
    • O lúpus pode ser estimulado por medicações tipo sulfa, remédios que tornem você mais sensível ao sol, penicilina ou antibióticos.
    • As doenças e condições físicas que podem desencadear o lúpus incluem infecções, a gripe comum, um vírus, a exaustão, lesões ou estresse.
    • São os raios ultravioleta do sol que incentivam o lúpus. Os ultravioleta das lâmpadas fluorescentes podem fazer o mesmo.

Dicas

  • Identifique casos de lúpus no histórico familiar. Se alguém diretamente ligado a você tiver tido a doença, você pode estar suscetível. Embora não possa saber o que vai desencadear o lúpus para você, talvez seja melhor marcar uma consulta com o médico se notar quaisquer sintomas.

Avisos

  • Se você suspeitar de que pode ter lúpus, marque uma consulta com o médico assim que possível. Mesmo que você não tenha um grande número de sintomas, a doença pode se tornar algo sério em pouco tempo, por isso é melhor pecar pelo excesso de cuidado do que pela falta dele.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.