Como Amar a Próprio Primeiro Para Que Todo o Resto Se Encaixe

O título deste artigo é inspirado num comentário feita pela famosa comediante e atriz americana Lucille Ball. Ela compreendeu que, antes de ter um bom relacionamento com qualquer pessoa, você precisa, primeiramente, ter cultivado um bom consigo próprio(a). É essencial entender e conhecer muito bem a si próprio(a) e saber o que mais importa para você. Para a maioria das pessoas, a parte mais difícil é passar a conhecer esta pessoa quando ela ainda nem conhece a si própria. Na verdade, é como um quebra-cabeça que leva tempo, paciência e muita força de vontade para desemaranhar todos os nós através de tentativa e erro. Este artigo apresentará os principais passos que vão te ajudar a se tornar o(a) melhor amigo(a) da pessoa que você é realmente, para que você possa apreciar o quão maravilhoso(a) e único(a) você é.

Passos

  1. Pergunte a si próprio(a): Quem sou eu? Esta simples pergunta é, na verdade, muito difícil de ser respondida. É uma pergunta que busca a raiz dos seus valores, crenças, senso de realidade e até percepções externas que são impostas a você pelas outras pessoas, quer elas sejam verdadeiras ou não. Quando estiver respondendo a esta pergunta, tente o seguinte:
    • Faça uma lista de suas características, talentos, habilidades e pensamentos os quais você acredita que fazem parte de você neste momento.
    • Tenha certeza de ter listada uma quantidade considerável de virtudes e vícios – todo mundo tem pelo menos 8 características boas e 8 nem tão boas. Não se martirize – é um pacote completo e você passa a trabalhar nas partes que menos gosta. O que importa neste ponto é o reconhecimento de características que te colocam para baixo de alguma forma e a descoberta de pontos fortes que você, muitas vezes, nem tinha pensado sobre anteriormente.
    • Dedique tempo a esta resposta. Não é algo que você vai responder enquanto estiver tomando um xícara de café. Assuma como um compromisso que você tem consigo próprio(a) para, pelos menos, as próximas semanas, talvez até mais. Lembre-se dela quando estiver fazendo atividades rotineiras. Depois separe um horário para sentar e escrever as coisas que você acredita fazem parte do que você é.
  2. Peça para um amigo(a) que te conheça bem para te ajudar. Se você se sente intimidado(a) em ter alguém apontando as suas qualidades e defeitos, lembre-se que caso você não concorde com a avaliação dele(a), você não precisa aceitá-la – ela é a percepção externa que ele(a) tem sobre você e ele(a) não te conhece bem no fundo. Por outro lado, é recomendado que você considere esta análise com cuidado e lembre-se dela quando estiver observando a si próprio(a). Algumas coisas que seu(sua) amigo(a) diz sobre você pode fazer a ficha cair e até te ajudar a perceber o que precia mudar e melhorar na sua vida.
  3. Procure no dicionário o significado das palavras que você classificou com seus defeitos e qualidades. Você precisa entender bem o que elas significam. Por exemplo, se você disser que é amável, o que realmente significa isso? Ser amável inclui ter generosidade, compaixão, pensar nos outros, doar-se e muito mais – quais destes aspectos se enquadra mais em você?
  4. Observe a sua lista de defeitos. É importanet reconhecer coisas em você que não estão te ajudando a se sentir mais pleno(a) e ter sucesso na vida. Mas, não seja muito duro consigo próprio(a) – lembre-se que esta é sua lista e você vai trabalhar nela com clareza. Por exemplo, se você tem mau humor, é óbvio que esta é uma área que deve ser trabalhada para melhorar o seu relacionamento com os outros e para que você cesse de usar frustração e raiva como um desculpa para não conseguir o que você quer na vida. Concentrar-se no que não está funcionando para você é uma forma de reconhecer que tal comportamento ou atitude é inútil e permite que você tome a decisão de transformar pontos fracos em pontos fortes ou concentrar-se mais nas qualidades para que os defeitos fiquem de lado.
    • Lembre-se que muitas vezes as pessoas gostam da gente por conta dos nossos defeitos porque eles nos tornam mais humanos. Pense em pessoas de muito sucesso que parecem ser super-heróis até o momento que eles atropeçam numa pequena pedra e isso nos faz lembrar que elas são apenas humanos como nós. As faltas das outras pessoas nos faz lembrar que somos humanos falíveis e podemos nos relacionar com isso já que todos nós temos defeitos. É difícil se relacionar com a perfeição, especialmente quando está sempre em destaque no comportamento ou atitude de uma pessoa.
  5. Aprenda a ser humilde. Ao aceitar o fato de que você não sabe tudo, você se torna mais agradável e capaz de aprender com os outros. Quem gosta de um sabe-tudo? Ter que manter a fachada de ser sempre o expert, aquele que tudo sabe muitas vezes é por conta do medo do fracasso e da preocupação de carregar o fardo de todas as outras pessoas. A vida é uma jornada compartilhada na qual todos desempenham um papel e uma só pessoa não pode assumir o trabalho por todos. Você não pode saber tudo sobre tudo e ao tentar ser assim você corre o risco de não aprender coisas através da perspectivas de outras pessoas e com isso se tornar uma pessoa que melhor compreende o omundo. Ao ser humilde, você permite que outras pessoas percebam que a história delas é tão importante quanto a sua.
  6. Seja verdadeiro. Ser honesto é uma ótima qualidade: ela permite que outras pessoas saibam que podem contar com você e que sua palavra é sua lei. Honestidade não tem nada a ver com ser ríspido e rude, entretanto – tem a ver com dizer as coisas de forma cortês respeitando a inteligência, sentimentos e necessidades da outra pessoa. Além disso, honestidade tem a ver com coisas rotineiras como, por exemplo, não levar material de escritório do trabalho para casa sem permissão. Honestidade é uma forma de se sentir bem consigo próprio(a) continuamente, com a consciência de que mesmo se as outras pessoas não sabem que você fez a coisa certa, você sabe e vai continuar a fazer isso como um exemplo de vida. Pessoas honestas podem viver consigo mesmo(a), um fato que torna muita fácil amar a si próprio(a).
  7. Pare de dizer para si mesmo(a) coisas negativas. Coisas como “Eu sou tão gorda” ou “Eu sou burra” não vão te ajudar, ponto final. Elas são histórias ruins que você escolheu contar para si próprio(a) e elas não te eximem de ter que melhorar a si próprio(a). Escolha contar uma outra históra, com mais respeito-próprio quando a sua voz negativa quiser falar. Diga a si próprio(a) coisas que ajudam como “Eu preciso estudar mais”, “Eu vou ser promovido(a) se eu passar mais tempo revisando minhas habilidades administrativas” ou “Eu posso ser baixa(o), mas eu sou o(a) mais rápido(a) e ágil neste jogo.”
  8. Fale com si próprio(a) como se falasse com um amigo. Você fala com si mesmo(a) de forma que você nem sonha em falar com seu amigo(a)? Se for o caso, isso mostra muito como você está se desvalorizando enquanto você dá a todos o benefício da dúvida. Ao invés de gritar consigo próprio(a) como uma mãe continuamente berra com uma criança, comece a falar como se você fosse um amigo pelo qual você se importa. Use palavras meigas como, por exemplo, “Como você está bem arrumada hoje. Seu cabelo está ótimo.” e “Eu fiz um grande progresso.” Tais palavras vão te ajudar, te encorajar e vão permitir você enxergar a si própria com valor e carinho,.
  9. Seja gentil consigo mesmo. Juntamente com palavras negativas, as vezes é tão fácil colocar-se para baixo que você nem aproveita a vida. Isso não vai funcionar. A vida é curta e cabe a cada indivíduo fazer o máximo de cada dia vivido. Dê a si próprio(a) a oportunidade deixar o cabelo desarrumado, divertir-se e deixe de lado as obrigações reservando um pouco de tempo livre, sem tarefas e sem interrupções. Algumas coisas que você pode dizer a si mesmo(a) são: “Eu vou sentar no parque hoje e ler um livro.”, “Vou tomar um banho bem demorado e relaxante”, “Vou comer algo que eu amo” ou “Vou cuidar de mim hoje”. Lembre-se você merece.
  10. Faça as pazes consigo próprio(a). Se você pisou na bola e magoou alguém, tente não repetir este erro no futuro. Use a experiência como uma lição que vai permitir que você se torne a pessoa melhor que você quer ser. Ao invés de dizer a si mesmo(a) que você sempre é uma pessoa ruim, lembre-se que você teria feito melhor se soubesse como e que esta experiência te ensinou o “como” para ser aplicado no futuro. Pegue leve e faça as pazes com aquele lado que, muitas vezes, você trata com mais dureza.
  11. Continue aprendendo e permita-se mudar. Crescer ao longo da vida é algo que todas a pessoas precisam fazer. Anais Nin certa vez fez o seguinte comentário: “A vida é um processo de tornar-se, uma combinação de estados pelos quais precisamos passar. Quando alguém falha é porque gostaria de escolher certo estado e permancer nele. Isso é um tipo de morte.”Em outras palavras, não morra antes do seu tempo – ao aceitar que você muda ao longo do tempo e ao permitir a renovação, você cresce livremente e torna-se a pessoa a qual você está destinada a ser naquele momento. Amar a si próprio(a) é uma jornada, e não um fim.

Avisos

  • Amor próprio não deve ser confundido com auto-absorção, a insistência narcisística de conseguir o que se quer manipulando as outras pessoas ao mesmo tempo que você, no fundo, se sente mal sobre si mesmo(a). Amor próprio é inteiro e saudável – você trata os outros com igualdade, você não usa as pessoas como meio para atingir seus objetivos e você se sente bem sobre si mesmo(a) 80% das vezes. A dura realidades as vezes faz você se sentir mal, mas uma pessoa capaz de amar a si mesma levanta-se bem mais rapidamente do que alguém que tem a auto-aversão como força condutora da vida.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.