Como Lidar com Parentes Passivos Agressivos

A comunicação é uma parte vital para a convivência e partilha familiar. No entanto, nem sempre as coisas são um mar de rosas e a má comunicação é muitas vezes o resultado de personalidades opostas ou que simplesmente são difíceis de conviver num mesmo lugar. Você pode ter compaixão e ser compreensivo, mas é importante não ser intimidado pelas manipulações manhosas dos parentes passivo-agressivos. O tipo de personalidade passivo-agressivo revela uma pessoa que não se dispõe a lidar com ressentimentos, raivas e outras emoções negativas de forma direta. Em vez disso, os passivo-agressivos reclamam, são argumentativos e agem de maneira a desvalorizar os demais, como uma forma de "interagir". Obviamente, essa não é uma maneira saudável de interagir e você precisa encontrar algumas estratégias sólidas para evitar ser sugado para dentro do vórtice passivo-agressivo.

Identificando o Comportamento Passivo-Agressivo

  1. Observe seus parentes. Veja se você pode identificar os comportamentos passivos- agressivos que estão demostrando. Tenha o cuidado de levar em conta os lapsos ocasionais - de tempos em tempos, todos nós nos comportamos de maneira passivo-agressiva por inúmeras razões, tais como estresse, cansaço, medo ou falta de assertividade. O comportamento torna-se problemático quando é a maneira constante com a qual esta pessoa se comunica e trata os outros. Estes são alguns sinais para se levar em consideração:
    • O que esse parente está dizendo? Queixar-se constantemente é um sinal típico de comportamento passivo-agressivo. Por exemplo, as queixas sobre ser desvalorizado e sobre suas próprias desgraças tendem a ser comuns.
    • O que esse parente está fazendo? Uma hora o parente parece concordar com você, então eis que você descobre que ele ou ela fez coisas completamente opostas ao que ele havia concordado!
    • Como o parente responde em relação a novas informações ou escolhas que você (ou seus irmãos, primos, etc) fizeram em sua vida? Fingir desinteresse ou até mesmo ignorar a notícia, criticar ou desprezar suas conquistas com sarcasmos ou piadas, pode ser um sinal de comportamento passivo-agressivo. A pessoa passiva agressiva tende a desconfiar do sucesso dos outros e irá fazer de tudo para minimizar ou sugerir que o sucesso foi resultado de sorte ou engano, em vez de aceitar que alguém pode ter trabalhado duro para isso. Entretanto, tudo vai ser feito muito sutilmente, por isso não espere por um desprezo total.
    • O seu parente expressa desaprovação ou nega qualquer reforço positivo? A incapacidade de elogiar ou reconhecer um trabalho bem feito é um sinal de ressentimento, uma característica fundamental do comportamento passivo-agressivo.
    • Você já viu o seu parente fazendo comentários sarcásticos e logo em seguida agir como se ele ou ela nunca tivesse dito uma coisa dessas? Ou até mesmo indo tão longe a ponto de acusá-lo de má interpretação do que foi dito?
    • O seu parente está sendo argumentativo sobre quase tudo que você diz ou sugere? Uma quantidade enorme de "conversa fiada" insistindo que eles estão passando por coisas piores, que são mais inteligentes e que são melhores pessoas podem criar um padrão muito negativo. Por exemplo, dizer coisas como: "Não, não, não, esse não é o caso" ou "Bem, pela minha experiência, isso nunca acontece" ou "Na minha época nós nem sequer tínhamos esse tipo de oportunidade e tivemos que trabalhar duro para podermos jantar", etc.
    • O seu parente sempre comenta sobre as quão sortudas as outras pessoas são e o quanto ele ou ela é infeliz? Essa pessoa usa a temida palavra "se...", e em seguida, começa a contar tudo o que ele ou ela poderia ter feito na vida se todas as estrelas estivessem alinhadas corretamente? Ao ouvir esse tipo de conversa, você logo perceberá que essa pessoa tem uma incapacidade de aceitar que ele ou ela não tem responsabilidade para fazer mudanças benéficas em sua vida.
  2. Ultimamente, quais atitudes desse parente que fazem com que você sinta que ele ou ela possui um comportamento passivo-agressivo? Na maioria das vezes essas atitudes são muito sutis, embora quanto mais uma pessoa passiva agressiva haja desta forma, mais ela irá sentir que esse é um comportamento "natural" para ele ou ela e mais ruidoso ele irá fica com o tempo. Determine o que você achou perturbador em seu comportamento. É simplesmente porque eles não concordam com você, ou é a maneira que eles expressam o desacordo, como ranger os dentes em silêncio, e em seguida, dizer "tá tudo bem, querido" quando você perguntar-lhes o que está errado?
  3. Avalie as motivações por trás do comportamento de seu parente. Você pode ou não pode saber "a grande narrativa" por trás do comportamento passivo-agressivo de seu parente, mas você provavelmente saberá algumas noções a respeito do que o tem perturbado através das coisas que ele ou ela diz. Isso irá permitir que você comece a construir um quadro geral do que aflige a pessoa. Determine o que perturba você a respeito das perspectivas dessa pessoa sobre a vida e sua atitude em relação aos outros membros da família, especialmente aqueles que conseguiram coisas que o fizeram se sentir ressentido.
    • Porque essa pessoa está agindo dessa forma? É possível que a tia Flo quisesse desesperadamente ser uma bailarina em sua juventude, mas era muito pobre e se casou muito cedo para conseguir alcançar esta ambição, e agora está vendo uma neta se sair bem no ballet? Talvez tio George quisesse ser um astronauta, e estudou todos os assuntos necessários de forma árdua, pra no final ver um sobrinho aceito para a NASA enquanto ele não conseguiu. Estas não são desculpas, são maneiras de tentar compreender a narrativa que o parente construiu para a sua realidade atual. #* Você acha que existe uma razão compreensível por trás de seu parente não conseguir aprovar algo que é importante para você? Em alguns casos, uma pessoa passivo-agressiva é auto protetora inicialmente por conta de uma experiência ruim, mas com o tempo, ela projeta esta experiência ruim em seus entes queridos, na esperança de protegê-los de uma possível experiência semelhante. Pode ser de ajuda perceber que um comentário ríspido, repreensivo ou desagradável sobre suas escolhas serem erradas pode estar sendo feito de modo a cuidar de você, mesmo que esteja misturado com a experiência pessoal ruim dele.
    • Em alguns casos, o parente passivo-agressiva está procurando controlar você, a situação, a família, etc. Esta pessoa pode estar sentindo que o seu lugar na família de alguma forma está ameaçado e ser passivo-agressivo é, então, uma tentativa encoberta de restaurar o seu poder sobre os demais. Pode até haver um sentimento de satisfação por parte deles ao saber que suas palavras ou comportamentos causem angústia nos outros.
    • Outro motivo possível para o comportamento passivo-agressivo é o ciúme. Tal como acontece com a tia Flo e tio George no caso acima, ver alguém conseguir algo que o parente não conseguiu pode ser devastador e pode até mesmo ser uma confirmação de como eles falharam a vida toda em perseguir seus sonhos. Neste caso, ressentimento, amargura e rancor provavelmente abastecem o motivo por trás do comportamento passivo-agressivo.
  4. Esteja ciente de que um motivo fundamental por trás do comportamento passivo-agressivo é atacá-lo, trazê-lo para baixo e desprezá-lo sem receber qualquer retaliação. É por isso que sarcasmo, piadas, declarações oniscientes e falsa sabedoria, muitas vezes são usados como uma maneira de sugerir que ele "não tinha intenção de machucar", mesmo que machucar era a real intenção.

Usando Estratégias para Lidar com o Comportamento Passivo-Agressivo

  1. Não se torne uma parte do jogo. A parte mais importante para lidar com um parente passivo-agressivo é aprender a não ficar irritado. Ensaie bons padrões de pensamento em sua cabeça antes de você entrar em contato com o parente novamente - um pouco de exercício mental pode ajudá-lo a evitar entrar em pânico e ceder às pressões sutis feitas por ele.
    • Diga para você mesmo algo como: "Maria está sendo passivo-agressiva de novo. Eu não vou deixá-la mexer com a minha cabeça desse jeito mais. Ela severa a respeito de tal coisa, mas isso não vai me impedir de fazer o que eu quero". Ou, "João está sendo injusto e está tentando me sabotar dizendo essas coisas. Sei que ele está se comportando de forma passivo-agressiva e se eu ficar chateado, ele vai conseguir o que quer. Não vai mudar nada se eu me preocupar ou ficar irritado com ele. Ao invés disso, eu vou ignorar seus comentários ou guarda-los para mim".
    • Acima de tudo, mantenha a calma. Pode ser fácil sentir-se agitado ou chateado, mas isso irá fazer com que provavelmente sua resposta será dada de forma emocional ao invés de ser considerada com calma. Ser calmo vai enervar a pessoa passivo-agressiva.
  2. Confronte o parente de forma aberta e educada. Depois de concluir que o comportamento passivo-agressivo é a forma de seu parente se comunicar (ou não) com você, e isso for um incômodo para você, responda. Espere até que seu parente faça ou diga algo passivo-agressivo. Então, de uma forma calma e amigável, pergunte: "Por que você diz isso ou aquilo?". Se seu parente fingir que ele ou ela não fez nada, diga "Você disse ou fez (repita o que ele disse ou fez) agora. Você não gosta da minha ideia (ou minha história te incomoda)?"
  3. Compartilhe seus próprios sentimentos. Se seu parente se nega a ser incomodado por qualquer coisa, mantenha a calma. Diga algo como: "Bem, quando você disse ou fez ... isso me fez sentir rejeitado ou idiota, e isso machuca meus sentimentos." Esta é uma maneira não agressiva para permanecer aberto ao seu parente e mostrar-lhe que o comportamento passivo-agressivo incomoda você. Seu parente, então, terá que explicar suas ações.
    • Muitas vezes, isso é suficiente para incentivar uma explicação aberta ou um pedido de desculpas, mesmo seja colocada de uma forma brusca (ou seja, "Eu não queria fazer você se sentir mal, eu só me preocupo com suas finanças ou o seu futuro, etc.", ou "Você sabe que eu te amo, eu não tenho que dizer isso o tempo todo!").
    • Prossiga dizendo: "Eu estou realmente feliz por você ter me dito isso" ou algo similar. Esta é uma situação de alta pressão para ele ou ela, então aproveite os pequenos passos que seu parente está tomando.
  4. Não deixe o seu parente te botar para fora. Se seu parente disser que você é sensível demais, defenda seu território –– este tipo de réplica é usado para te botar pra baixo. Informe o seu parente que você está realmente interessado em sua opinião, mesmo se ele ou ela discorda de você, e que você quer que seu parente se sinta confortável para compartilhar seus pensamentos com você. Isso provavelmente será surpreendente para ele. Muitas pessoas passivo-agressivas agem assim porque eles não têm a confiança de se expressar e enfrentar possíveis desacordos. Se você disser a seu parente que a opinião dele tem valor, ele ou ela pode largar o comportamento defensivo e, lentamente, passar a interagir com você de uma boa forma.
    • Sempre se atenha aos fatos. Se necessário, mantenha um registro em um pequeno caderno, juntamente com as datas e o contexto.
    • Seja um toca-discos quebrado. Se seu parente tentar distorcer fatos, negar coisas que disse ou fez, ou culpar outros, sempre repita tudo aquilo que você sabe ser a verdade e qual o comportamento você prefere.
    • Se necessário, aprenda a ser mais assertivo. Ajuda pode ser encontrada em artigos sobre esses temas.
  5. Pare de confiar nesse parente para fazer qualquer coisa para você. Se você estiver em uma situação em que esse parente tenha feito promessas de qualquer tipo para você, trate-as como palavras vazias. Não fique à espera de um milagre; consiga fazer tudo o que você pretendia e encontre outras pessoas mais confiáveis para lhe dar toda a ajuda necessária.

Dicas

  • Se não houver outro parente capaz de manter o parente passivo-agressivo "na linha", às vezes pode ser útil ir até ele e expressar as suas preocupações. Pode ser o suficiente para fazê-lo parar de agir dessa maneira com você.
  • Se abra. Ao compartilhar e explicar os seus sentimentos de forma aberta, você provavelmente não será rejeitado. Isso irá mostrar a seus parentes que você confia neles o suficiente para ter esse tipo conversa com eles, e pode encorajá-los a confiar em você o suficiente para fazer o mesmo.

Avisos

  • Se uma pessoa insiste que o problema é você, não dele ou dela, e continuar a ferir seus sentimentos, estabeleça limites. Explique-se e conte a esse parente o porquê de você não se sentir confortável em sua presença, ou que estar perto dele ou dela faz você se sentir inferior. Limite sua interação para somente o que você se sente confortável, mas esteja aberto para uma reconciliação.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.