Como Realizar RCP em um Gato

Se seu gato de estimação vier a sofrer uma parada respiratória como resultado de acidente, asfixia ou outro tipo de lesão semelhante, será preciso intervir rapidamente para desobstruir as vias aéreas do animal e fazê-lo voltar a respirar normalmente. A reanimação cardiopulmonar (RCP) é um conjunto de manobras de emergência que são executadas na seguinte sequência: via aérea, respiração e compressões torácicas. Siga os passos abaixo e aprenda como realizar corretamente a reanimação cardiopulmonar em gatos.

Passos

  1. Deixe o gato longe do perigo. Se o animal que você está prestes a dar assistência se encontra numa situação de risco (por exemplo, no meio de uma estrada movimentada), a primeira coisa a fazer antes de iniciar o atendimento é colocá-lo em segurança.
  2. Deite o gato inconsciente ou semiconsciente numa posição adequada. Deite o gato sobre um casaco ou um cobertor para mantê-lo aquecido e confortável durante o atendimento. Logo em seguida, inicie os procedimentos de reanimação.
  3. Verifique as vias aéreas do gato. Abra a boca do animal com cuidado. Puxe a língua dele para frente e retire qualquer material que possa estar obstruindo sua respiração, como sangue, vômito ou objeto estranho. Remova também qualquer excesso de saliva ou sangue.
    • A língua do gato poderá ter adquirido uma cor azul-escura. Além disso, a pele, os olhos e as garras do animal podem também estar azuladas; isso se deve à falta de oxigênio no organismo do bicho.
    • Se houver algum objeto perfurante preso na garganta do felino, tente não deslocá-lo já que isso pode causar danos ainda maiores. Siga com o animal para o veterinário imediatamente.
  4. Verifique se o gato está respirando. Para isso, basta observar o peito e o rosto do gato. No peito, veja se ocorre um movimento do tórax para cima e para baixo. No rosto, faça o teste colocando um espelho próximo da boca e do nariz do animal; se houver uma formação de gotículas na superfície espelho que logo em seguida desaparece, é sinal de que ele está respirando. Outra forma de saber se o gato respira é colocar um pedaço de lenço de papel próximo ao seu nariz e observar se ele se move.
  5. Se não houver sinal de respiração normal, inicie o processo de respiração artificial:
    • Mantenha a boca do gato fechada. Para isso, use as duas mãos ao redor da boca do animal, segurando de forma que o ar não possa escapar por ela. Cubra o nariz do gato com a sua boca.
    • Sopre levemente pelas narinas do gato. Dê de dez a trinta sopros por minuto. Retire sua boca do nariz do animal a cada sopro para que ele possa expirar.
  6. Verifique se há batimentos cardíacos. Coloque sua orelha sobre o lado esquerdo do peito do gato. Use o ouvido para verificar se o coração do animal está batendo.
    • Verifique se há sinal de pulsação. Coloque dois dedos sobre a região do coração do felino ou por dentro da sua coxa (na área da virilha) e veja se há algum sinal de pulsação.
  7. Se não houver sinal de batimento cardíaco, inicie o processo de compressão torácica:
    • Coloque uma mão sobre o peito do gato, um pouco abaixo de onde ficam os cotovelos.
    • Pressione o peito do animal delicadamente. Faça duas compressões por segundo com a mão esticada, sem usar os seus dedos. Tome cuidado para não aplicar uma força exagerada, pois as costelas de um gato são frágeis.
  8. Alterne entre a respiração artificial e a compressão torácica. Dê dois sopros para cada quatro compressões. Continue até que o coração volte a bater normalmente ou que o veterinário se encarregue continuar o procedimento.
    • É uma bom ideia ter alguém para lhe ajudar durante esse processo. Reveze a cada dois minutos; dessa maneira, você e seu ajudante não vão se cansar tão rapidamente.
  9. Verifique repetidamente a respiração e o batimento cardíaco (ou pulsação) do seu gato. Assim que o felino voltar a respirar sozinho, mantenha-o sob observação constante. Leve-o ao veterinário para realizar um check-up completo e tratar de qualquer lesão ou sangramento.
    • Uma visita ao veterinário é vital. Seu gato precisa ser examinado em busca de lesões, fraturas internas ou mesmo ossos quebrados. Dependendo do caso, logo após a condição do animal ter sido estabilizada, uma cirurgia de emergência pode ser necessária.
    • Seu bicho de estimação pode estar ainda em estado de choque. Um gato nessa situação precisa ser tratado por um veterinário.

Dicas

  • Mantenha o gato aquecido.
  • Se você tem gatos em casa, procure fazer um curso de primeiros socorros para animais de estimação. Isso se torna ainda mais importante no caso de não haver um veterinário onde você mora ou cujo acesso seja difícil. Mantenha na sua casa um kit de primeiros socorros sempre em mãos.
  • Ao carregar ou transportar seu gato, mantenha-o enrolado num cobertor para garantir o conforto e a segurança do animal (e também a sua).
  • Utilize bandagens para cuidar de qualquer sangramento ou ferimento que o gato venha a sofrer durante o procedimento.
  • As causas mais comuns de obstrução de vias aéreas são objetos alojados na garganta, asma e reações alérgicas. Fluído, sangue, muco ou algum material estranho alojado nos pulmões também podem dificultar a respiração.

Avisos

  • O comportamento de um gato que está sofrendo dor é totalmente imprevisível; ele pode vir a morder ou arranhar como uma forma de reflexo de autodefesa ou uma reação à dor.
  • Gatos semiconscientes também podem morder. Tenha alguém para lhe ajudar a manter a boca do animal aberta enquanto você a examina.

Materiais Necessários

  • Cobertor, casaco, etc (qualquer superfície confortável para deitar o gato).
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.