Como Se Livrar Naturalmente da Ansiedade Usando Ervas

Todo mundo sente algum tipo de ansiedade ao longo da vida. No entanto, as pessoas com um transtorno de ansiedade se preocupam em demasia e sentem medos exagerados e persistentes em situações cotidianas. Esses sentimentos podem ir da infância até a vida adulta, interferindo severamente nas atividades diárias. Usar ervas naturais, mudar o estilo de vida, buscar ajuda e usar técnicas de relaxamento podem melhorar esses sintomas.

Fazendo o diagnóstico

  1. Reconheça os sintomas. Esse é o primeiro passo para controlar a ansiedade e ajudar o médico a descobrir se você sofre desse distúrbio. Alguns grupos de pessoas são mais predispostos do que outros, como mulheres, pessoas que passaram por traumas, pessoas com distúrbios mentais ou sob estresse extremo e indivíduos com histórico de alcoolismo e uso de drogas. Os sintomas mais comuns são:
    • Nervosismo;
    • Sensação de perigo iminente, de que algo ruim está prestes a acontecer;
    • Aceleração dos batimentos cardíacos;
    • Hiperventilação, suor e tremedeira;
    • Cansaço ou fraqueza sem razão aparente;
    • Dificuldades em se concentrar ou em parar de pensar nos fatores que estão causando a crise.
  2. Entenda os tipos de ansiedade. Existem vários tipos de distúrbios que causam ansiedade. Apesar da maioria deles apresentar os mesmos sintomas, eles podem resultar de acontecimentos diferentes. Em geral, as sensações mais comuns são preocupações e medos exacerbados sobre atividades ou acontecimentos corriqueiros, podendo perturbar a concentração e levar a outros problemas graves, como a depressão.
    • É possível que a pessoa sofra de agorafobia (medo irracional de lugares e acontecimentos), resultando em sentimentos de ansiedade, vergonha ou desespero.
    • Outro tipo comum é o distúrbio de ansiedade social, que leva a sintomas extremos. Pessoas com esse problema evitam as ocasiões sociais ao máximo por sentirem vergonha, timidez e medo de serem mal vistas.
    • O mutismo seletivo também é um sintoma do distúrbio de ansiedade. Ele se caracteriza por uma dificuldade extrema em falar em certas ocasiões como escola, trabalho, eventos e até em situações comuns. Esse transtorno pode interferir nas vidas escolar, profissional e social.
    • A síndrome do pânico também é um problema comum e costuma gerar medo extremo, pavor e ansiedade — ou seja, ataques de pânico. Sensação de morte iminente, problemas para respirar, palpitação e dor no peito são todos sinais de ataque de pânico.
    • A ansiedade da separação é outro tipo, mais comum durante a infância. Ela acontece quando a criança é separada dos pais ou responsáveis e se manifesta através de medo gratuito.
    • Usuários de drogas podem sofrer de distúrbio de ansiedade causado por substâncias, o que também acarreta a ataques de pânico. Ele também pode ser causado por remédios, substâncias tóxicas e abstinência de álcool.
    • Algumas fobias podem gerar crises de ansiedade extremas quando o indivíduo é exposto ao objeto ou situação que lhe causa pavor.
  3. Descubra a causa. Eventos traumáticos, mudanças súbitas, fatores hereditários ou estresse demais podem levar à ansiedade. Ela também pode ocorrer como um sintoma ou resultado de outros problemas de saúde. Essa hipótese é mais provável em indivíduos que não tenham predisposição genética nem histórico de crise durante a infância e a experimentam repentinamente na vida adulta.
    • A ansiedade é um efeito colateral de alguns medicamentos.
    • O médico poderá pedir exames se ele suspeitar que sua ansiedade seja resultado de causas físicas.
    • Problemas relacionados são doenças cardíacas, diabetes, problemas na tireoide, asma, abuso ou abstinência de álcool e drogas, síndrome do intestino irritável, TPM e, em casos mais raros, tumores.
  4. Marque uma consulta. Talvez a ansiedade não desapareça por conta própria e pode até piorar com o tempo sem a ajuda de um médico. Como qualquer doença, tratá-la será mais fácil se for descoberta já nos primeiros sinais. Faça um exame para descobrir se seu caso é temporário ou se é mesmo um distúrbio.
    • Nunca use ervas, suplementos ou medicamentos para ansiedade sem o conhecimento do médico, pois podem haver efeitos colaterais. Procure ajuda profissional se suas crises de ansiedade atrapalharem a vida cotidiana, se tiver crises de pânico, depressão, problemas com álcool ou drogas, se estiver preocupado com sua saúde mental ou desconfiar que o problema seja resultado de uma doença física.
    • Ligue 141 (Centro de Valorização à Vida) se tiver pensamentos e comportamentos suicidas.

Usando ervas medicinais

  1. Gengibre. O gengibre é uma raiz que ajuda a minimizar sintomas de ansiedade e náusea. Você pode consumir a própria raiz, em cápsulas ou em óleo, disponíveis em farmácias de manipulação. A recomendação de consumo diário é de 4 g, seja em óleo, suplementos ou in natura.
    • As mulheres grávidas não devem consumir mais de 1 g diário. Não use gengibre se tiver problemas de sangramento ou se estiver em tratamento médico com anticoagulantes, inclusive aspirina.
    • É possível usar gengibre no preparo de alimentos como refogados, marinados e outras receitas para aumentar o consumo, mas sempre respeitando a recomendação diária.
  2. Camomila. A camomila pode aliviar sintomas de ansiedade, estresse e insônia. Ela é particularmente útil para pessoas com transtornos de leve a moderado. Para fazer o chá, misture de 2 a 3 colheres de flores de camomila a 1 xícara de água fervente. Deixe apurar por 10 a 15 minutos e beba duas ou três vezes por dia — principalmente antes de dormir.
    • Não dê camomila para crianças sem consultar o pediatra.
    • Evite usar a camomila se estiver em tratamento com sedativos, anticoagulantes, anticoncepcionais, estatina, remédios para a pressão arterial ou diabetes.
  3. Erva-cidreira. A erva-cidreira é usada para reduzir o estresse e a ansiedade, ajudar a dormir e melhorar o apetite. Ela costuma ser misturada a outras ervas calmantes, como a valeriana e a camomila, para potencializar o relaxamento. Além disso, ela contém fitoquímicos como o tanino, que ajuda nas funções antifúngicas e antivirais, e também o óleo de cravo, que controla espasmos musculares e é antibacteriano. Os óleos essenciais da folha da erva-cidreira têm uma substância chamada terpenos, que ajuda a relaxar e combater diversos vírus.
    • Você poderá encontrá-la em forma de suplementos. A recomendação é tomar de 300 a 500 mg até três vezes ao dia.
    • Gestantes e lactantes devem falar com o obstetra antes de tomar chá de erva-cidreira.
  4. Erva de São João. A erva de São João é usada para tratar ansiedade de leve a moderada e também depressão. Ela pode ser encontrada em extrato líquido, cápsulas e chá — pergunte a seu médico qual é a mais indicada para você. Esses suplementos têm concentração de 0,3% de hipericina, um dos princípios ativos da erva. Recomenda-se tomar doses de 300 mg, três vezes ao dia. Podem ser necessárias entre três e quatro semanas para que os resultados sejam significativos. Não interrompa o uso da erva de São João de uma vez, sob o risco de sofrer efeitos indesejáveis. Diminua a dosagem gradualmente.
    • Caso tenha dor de cabeça depois de usá-la, interrompa o uso.
    • Pessoas com Transtorno de Déficit de Atenção (TDA) e transtorno bipolar não devem consumi-la.
    • Pessoas em tratamento com antidepressivos, sedativos, anticoncepcionais e antialérgicos não devem usar a erva de São João.
    • Gestantes e lactantes também não devem usá-la.
  5. Lavanda. A lavanda é uma erva poderosa e muito aromática, conhecida por suas propriedades calmantes. Ela é amplamente usada na aromaterapia como relaxante. Pesquisas demonstraram que o cheiro da lavanda produz um efeito calmante, reduzindo a insônia, ansiedade e depressão. Ela pode ser encontrada em forma de essência, gel de banho, extrato, loções, sabonetes, chás, tinturas e a flor também pode ser desidratada.
    • Misture de 2 a 4 quatro gotas de essência de lavanda a 2 ou 3 xícaras de água fervente para fazer uma inalação, melhorando sintomas como dor de cabeça, insônia, ansiedade e depressão. Vá ao médico antes de fazer a inalação se tiver problemas respiratórios ou se ocorrerem irritações nos olhos ou pulmões.
    • Para fazer chá, adicione 1/2 colher de sopa de flores secas a 1 xícara de água fervente. Coe e beba duas vezes ao dia ou de acordo com instruções médicas. Não use óleo de lavanda para fazer chá ou outros alimentos, pois é tóxico se ingerido.
    • Não dê lavanda para meninos que ainda não passaram pela puberdade; ela pode causar desequilíbrios hormonais. Em caso de dúvidas, converse com um médico antes de usar produtos à base de lavanda em crianças.
  6. Valeriana. Uma pesquisa revelou que a valeriana pode ajudar a acalmar a ansiedade, a insônia e o nervosismo. Ela pode ser encontrada em forma de tinturas e extratos líquidos e em pó em farmácias de manipulação. Faça um chá de valeriana uma ou duas horas antes de dormir adicionando 1 colher de sopa da raiz seca a 1 xícara de água fervente. Isso o ajudará a dormir melhor e reduzirá a ansiedade. Podem demorar algumas semanas para ela surtir o efeito desejado.
    • Não use essa raiz por mais de um mês sem o conhecimento de seu médico.
    • Ela tem um aroma bastante forte, por isso pode ser misturada a outras ervas calmantes como flor de maracujá, erva-cidreira e lúpulo para disfarçar o cheiro.
    • Não tome chá de valeriana durante o dia, antes de dirigir ou operar maquinário e outras coisas que precisem de atenção. Não dê valeriana para crianças sem falar com o pediatra.
    • Evite usá-la antes de cirurgias, ou se estiver em tratamento com sedativos, anti-histamínicos ou estatinas.
  7. Flor de maracujá. A flor de maracujá é um sedativo natural, que pode acalmar e ajudar a dormir melhor. Além disso, ela tem propriedades que acalmam a náusea e os incômodos estomacais por causa do nervosismo. Ela é indicada também para tratar casos mais severos de ansiedade.
    • Não use a flor de maracujá se estiver grávida. Pode não ser seguro, pois ela contém propriedades que induzem as contrações.
  8. L-teanina. A L-teanina é um aminoácido facilmente encontrado no chá verde e em outros suplementos. Ela tem se provado útil no tratamento de doenças mentais e estresse físico, além de induzir o relaxamento sem causar tontura.
    • Converse com o médico antes de usar a L-teanina ou antes de dá-la para uma criança, principalmente se outros remédios e suplementos estiverem sendo usados para tratar a ansiedade.
  9. Evite a cava-cava. Antigamente acreditava-se que a cava-cava era um bom tratamento para a ansiedade, mas novas pesquisas esclareceram que ela pode causar sérios danos ao fígado, mesmo que em pequenas doses. Apesar disso, a ANVISA não restringiu sua comercialização.
    • Não use cava-cava principalmente se tiver problemas hepáticos ou se estiver tomando remédios que causem danos ao fígado.

Descansando bastante

  1. Durma bem. Dormir bem pode ajudar com a ansiedade. Pesquisas comprovaram que a falta de sono aumenta a liberação de hormônios do estresse, o que piora a ansiedade e pode enfraquecer o sistema imunológico. Evite cafeína, nicotina, álcool e bebidas com muito açúcar entre quatro e seis horas antes de dormir, já que são estimulantes e o manterão acordado. A dependência de álcool também é associada ao desenvolvimento de ansiedade, o que por sua vez incentiva o abuso do álcool. Por causa desse efeito bola de neve, limite o consumo a um copo durante o dia.
    • Evite trabalhar e se exercitar três a quatro horas antes de ir dormir. Atividades estressantes para o corpo e para a mente podem fazer com que o organismo libere cortisol, um hormônio associado à sensação de alerta.
  2. Crie uma rotina de sono. Uma rotina sólida ajuda a garantir um sono mais consistente e de melhor qualidade. Estabeleça horários para ir dormir cedo e acordar cedo para acostumar seu relógio biológico. Por exemplo, acorde diariamente às 8:00 e vá para a cama às 23:00 todas as noites.
    • Cumpra esses horários todos os dias da semana para seu corpo se acostumar a ficar acordado durante um determinado período e dormir em outro.
  3. Diminua as luzes. Antes de ir para a cama, apague as luzes para o quarto ficar agradável para dormir. Crie um ambiente que o ajude a pegar no sono. Reduza as luzes e os barulhos ao máximo. Feche as cortinas para o quarto ficar ainda mais escuro. Outra opção é usar uma máscara para dormir, se apagar as luzes não for possível. É no escuro que o corpo produz a melatonina, o hormônio que regula o sono.
    • A temperatura também deve ser confortável, em torno de 20 e 25 °C. Tente manter a circulação do ar para que o quarto não fique abafado.
  4. Tente relaxar. Quando não conseguir dormir, técnicas de relaxamento podem ajudar a aliviar os estresses físico e psicológico. Atividades estressantes podem fazer com que o corpo produza cortisol, o hormônio do estresse associado ao estado de alerta e ansiedade. Descubra o que o relaxa e use isso como um ritual na hora de dormir. Ler um livro, escutar músicas calmas ou praticar exercícios de respiração são ótimas formas de relaxar.
    • Ficar se debatendo na cama pode ser muito frustrante. Quando isso acontecer, saia e vá fazer algo relaxante em outro lugar. Só depois de estar relaxado você deverá voltar para a cama.
  5. Evite os eletrônicos antes de dormir. A luz que eles emanam podem reduzir a produção de melatonina no cérebro. Essa falta de melatonina pode dificultar adormecer.
    • Exemplos a serem evitados incluem celular, tablet, smartphone, TV e computador.

Praticando técnicas de relaxamento

  1. Evite se estressar. A inabilidade de lidar com situações estressantes pode causar ansiedade, depressão e muitas outras doenças. À medida em que envelhecem, as pessoas sentem cada vez mais dificuldade para relaxar depois de uma ocasião estressante. Para evitar isso, tenha tempo para se divertir, respire devagar em um lugar tranquilo, concentre-se em resultados positivos, reestruture suas prioridades e elimine as tarefas desnecessárias.
    • Tente rir como forma de relaxar. Pesquisas concluíram que o humor é muito eficaz para combater o estresse.
  2. Pratique ioga. Ela promove o relaxamento e reduz o estresse e a ansiedade, além de deixar o corpo em forma, a saúde em alta e a autoconfiança em dia! Pessoas que praticam ioga tendem a ter uma boa postura, flexibilidade, concentração, hábitos de sono e digestão melhores. É possível aprender ioga por meio de DVDs ou participando de aulas presenciais com um instrutor. Essas aulas costumam durar entre 45 e 90 minutos.
    • Quando tiver aprendido os movimentos na aula, pratique-os em casa também. Tente fazer Ioga por 10 ou 15 minutos diariamente, para que os efeitos sejam ainda maiores.
    • Escolha um instrutor certificado.
  3. Pratique tai chi. Tai chi é uma arte marcial utilizada como um exercício disciplinador. A maioria dos movimentos é lenta e precisa, o que ajuda a meditar. Deve-se respirar profundamente durante a prática para produzir tranquilidade. O tai chi também é ótimo para a saúde, deixa o corpo em forma e promove bem-estar. Qualquer um pode aprender, seja em aula ou sozinho em casa; se preferir fazer aulas, provavelmente serão duas vezes por semana. Preste atenção aos movimentos para poder repeti-los em casa. Tente fazer isso por 15 a 20 minutos por dia.
    • Os exercícios musculares o ajudarão a sentir mais calma. A respiração não só ajuda nesse relaxamento, mas também aumenta a oxigenação e melhora a circulação sanguínea.

Buscando ajuda médica

  1. Fale com o médico sobre remédios. Ele pode recomendar alguns para ajudá-lo a lidar com a ansiedade. Fale com ele sobre alimentação, suplementos e outros tratamentos que esteja fazendo. Eles podem causar efeitos colaterais se associados ao uso de medicamentos para a ansiedade. Se perceber que os sintomas estejam piorando ou sentir reações adversas por causa dos remédios, informe o médico imediatamente. Esses medicamentos podem incluir:
    • Antidepressivos, como a fluoxetina, imipramina, paroxetina, sertralina e venlafaxina. Eles influenciam as atividades químicas do cérebro, chamados neurotransmissores, ajudando a controlar a ansiedade e depressão. Alguns antidepressivos, como o citalopram ou escitalopram, não devem ser tomados acima de 20 mg por dia.
    • A buspirona, um remédio ansiolítico, funciona mais ou menos como um antidepressivo, mas pode demorar várias semanas para fazer efeito totalmente.
    • Em circunstâncias raras, seu médico pode prescrever benzodiazepínicos. Eles são sedativos que ajudam a aliviar a ansiedade em curto prazo. Pessoas com histórico de abuso de substâncias devem evitar usá-los, pois eles causam dependência.
  2. Procure um terapeuta. Seu médico pode recomendar um psicólogo para você fazer terapia. Esse pode ser um dos melhores tratamentos para a ansiedade. A terapia cognitiva-comportamental é uma das formas mais eficazes de psicoterapia para tratar distúrbios como esse. Psicólogos e psiquiatras a usam frequentemente, pois ela ensina habilidades específicas para retomar as atividades cotidianas que você talvez tenha evitado. Assim, os sintomas melhorarão à medida em que você notar o progresso.
    • Caso não consiga encontrar um psicólogo ou psiquiatra, procure uma universidade que ofereça esse serviço gratuitamente.
  3. Faça exercícios regularmente. Um instrutor poderá desenvolver uma série direcionada para a ansiedade. Pesquisas descobriram que exercícios regulares ajudam a reduzir os sintomas de ansiedade ou depressão com o tempo e as pessoas que o fazem raramente sofrem desses problemas. Uma boa sessão de malhação pode reduzi-los drasticamente. Tente fazer duas horas e meia de atividades moderadas semanalmente, como caminhada ou corrida; se preferir, faça uma hora e meia de exercícios mais intensos, como praticar um esporte ou malhar.
    • Faça ao menos 30 minutos de exercícios moderados cinco vezes por semana. Correr, caminhar, nadar, andar de bicicleta etc. Qualquer atividade de baixo impacto para acelerar o coração. Divida em sessões menores ao longo do dia se for difícil fazer tudo de uma vez só.
    • Estabeleça objetivos diários e tente ser consistente. Andar um pouco todos os dias é melhor do que fazer tudo no final de semana, não importa a duração do treino.
    • Encontre um parceiro para treinar. É muito mais fácil ser fiel à rotina com alguém para motivá-lo, além de ser mais divertido.
    • Ouça música, audiolivros ou podcasts enquanto malha. Isso o ajudará a se distrair do esforço.
  4. Saia de casa. Há evidências cada vez mais gritantes de que viver perto da natureza é mais saudável. Um estudo demonstrou que viver em um ambiente verde ajuda a se manter em forma, reduz o estresse e ajuda a lidar com os sintomas de ansiedade. Além disso, a poluição em ambientes internos é maior do que em ambientes externos. Atividades como jardinagem, trilha e esportes ao ar livre podem ajudar a reduzir o estresse e promover o bem-estar.
    • Tente separar ao menos duas horas por semana para se divertir na rua.
  5. Faça biofeedback. Essa técnica consiste em ensinar a si mesmo a regular as funções normais do corpo. Isso inclui controlar a própria frequência cardíaca, rigidez muscular, temperatura e até a pressão sanguínea. Usam-se eletrodos conectados ao corpo para registrar esses processos e monitorar se você está conseguindo regular essas funções direito. Para isso, recomenda-se um terapeuta em biofeedback, que o ensinará a controlar essas áreas. Essa técnica é comprovadamente útil para lidar com ansiedade, depressão, dor de cabeça e dores crônicas.
    • Psiquiatras, psicólogos e médicos são qualificados para isso.
  6. Tente acupuntura. Ela ajuda a estimular determinados pontos do corpo através da inserção de agulhas na pele. Estudos demonstraram que a acupuntura pode ajudar a reduzir a ansiedade e aliviar dores de cabeça e estresse. Ela não tem efeitos colaterais quando feita por um profissional qualificado e experiente, mas o uso inadequado da técnica pode ter consequências perigosas.
    • Vá atrás de um acupunturista certificado.
    • É melhor evitar atividades físicas intensas, refeições pesadas, consumo de álcool ou ter relações sexuais por até oito horas depois do tratamento.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.