Como Evitar se Sentir Desconfortável Socialmente

Sentir-se desconfortável socialmente é algo que vem da sensação de não parecer "normal" ou "incluído " sob os olhos dos outros. Em parte gerada pelos nossos próprios medos e preocupações em relação ao que pensam de nós, em parte por conta das expectativas sociais e de como nós as interpretamos, essa sensação pode nos impedir de interagir direito com os outros por medo de sermos ridicularizados ou mesmo condenados ao ostracismos por nossos colegas. Assim que perceber que todo mundo tem medo de se sentir desconfortável socialmente e que sempre há maneiras de seguir em frente com graça e confiança após passar por situações constrangedoras, você estará no caminho para abraçar as interações sociais em vez de temê-las. Se quiser evitar se sentir dessa maneira, veja o Passo 1 para começar.

Ajustando sua mentalidade

  1. Perceba que você não está só. Você pode achar que todo mundo ao seu redor é tão legal quanto o George Clooney, mas, na verdade, a maioria das pessoas se preocupa com se sentir desconfortável em público. Elas se preocupam se alguém vai ou não gostar delas, se estão causando uma boa impressão ou entediando os outros. Eventualmente, todos passam por momentos em que sofrem com a timidez, com deslizes vergonhosos com a língua, com sons corporais estranhos, momentos em que estragam uma conversa ou em que têm dificuldades de se conectar com outra pessoa. Assim que perceber que não é o único se preocupando com estragar tudo, você vai se sentir mais calmo e confortável.
    • No entanto, se estiver se sentindo incomodado com suas interações sociais o tempo todo, pode ser que esteja analisando demais a situação, que pode parecer bem pior do que realmente é.
    • Talvez você ache que algumas pessoas ao seu redor exsudem confiança e nunca precisem se preocupar com como são vistas, mas quase todo mundo é inseguro em relação a algum aspecto das interações sociais, quer seja se suas piadas são engraçadas ou a maneira como são vistos por gente nova.
  2. Pergunte-se de onde essa sensação de desconforto vem. Para muitos que sofrem demais com isso, ela vem da ansiedade, do medo, da insegurança e da pouca autoconfiança. É possível lidar com cada um desses sentimentos se você estiver disposto a sair da sua zona de conforto momentaneamente e a encontrar maneiras de aumentar a própria confiança. Em cada caso, tente identificar a fonte do desconforto para lidar com ela de forma direta. Quanto mais cedo encontrar o problema real, mais você cedo poderá fazer isso.
    • Há muitas outras razões para se sentir assim em meio a outras pessoas, como: alguma experiência ruim no passado; achar que não está perto de gente parecida o bastante com você ou que pode entendê-lo; ser introvertido (que é diferente de sentir vergonha); sentir-se obrigado a interagir em certas situações às quais não se submeteria por escolha própria por conta da pressão do trabalho, dos colegas ou da família, etc.; ou sentir-se confuso em relação às motivações e ações das pessoas ao redor.
  3. Esforce-se para superar a timidez. Ser tímido pode inibir significativamente as interações sociais. É importante procurar maneiras comprovadas de superar isso, seja aprendendo sozinho ou através da ajuda de terceiros. A timidez é algo com que se pode trabalhar. Você não precisa alterar sua personalidade ou passar a ser extrovertido, mas você pode se esforçar para ficar mais relaxado durante uma interação e para sair mais da zona de conforto.
    • Ser introvertido é considerado diferente de ser tímido, embora ambos os traços possam ser encontrados na mesma pessoa. Os introvertidos preferem evitar os holofotes e ficar longe de situações sociais porque isso os deixa esgotados e porque alguém com esse traço de personalidade se satisfaz mais com interações internas que uma pessoa extrovertida.
    • Gente tímida, por outro lado, quer participar de muitos eventos sociais, porém tem medo de ser envergonhada ou desprezada.
  4. Saiba se você tem ansiedade social. Este é um distúrbio bastante limitador ou derivado do distúrbio de ansiedade, no qual a pessoa fica incapaz de ser funcional na vida diária, incluindo na escola, no trabalho ou em eventos sociais. Alguém que sofre disso tende a manter a família e alguns amigos de confiança próximos e a evitar todo tipo de relacionamentos interpessoais públicos. A ansiedade social vem do medo constante de que as outras pessoas o examinem de perto a fim de humilhá-lo e envergonhá-lo.
    • Se sofrer desse distúrbio, é importante procurar ajuda profissional adequada, uma vez que é improvável que você seja capaz de superá-lo sozinho. Assim como a timidez, a ansiedade social tem um prognóstico de tratamento excelente.
  5. Supere a ansiedade social. Após identificar os sentimentos que levam ao desconforto, comece a tentar reconhecê-los sempre que aparecerem. Ao se atentar mais às sensações corporais que tem nesses momentos, você reconhecerá conscientemente que sua adrenalina o está sufocando e fazendo com que queira fugir ou se esconder.
    • Quando isso acontecer, aprenda a dizer a si mesmo: "Estou reagindo de forma ansiosa. Ficarei bem. Agirei com calma". Quanto mais fizer esses diálogos internos, melhor conseguirá se controlar.
    • Se sofrer de algum tipo de ansiedade social maior e mais intensa que o frio na barriga que quase todo mundo sente quando faz algo pela primeira vez, perceba que sua composição biológica exerce um pouco de influência sobre sua reação exagerada, mas também que você pode aprender a controlar este aspecto. Não se rotule simplesmente como uma pessoa ruim ou insociável!
    • Embora a ansiedade seja irracional, as reações do corpo são reais, e é preciso aprender a separar as duas coisas quando estiver tentando se acalmar, de modo que você não se culpe, mas seja capaz de mudar o comportamento desencadeado.
  6. Aumente a confiança. Mesmo que você não se sinta confiante, finja até que isso se torne real ou lembre-se de ser tão amigável quanto possível. É muito difícil ser confiante em situações que desencadeiam medo, ansiedade, pânico e o desejo de se esconder ou fugir.
    • No entanto, perguntar-se "Qual é a pior coisa que pode acontecer?" e tentar fazer pelo menos uma delas para conseguir se relacionar com as pessoas ao seu redor já é um bom começo.
    • Não apresse nada; desenvolver autoconfiança leva tempo e envolve tanto dar alguns passos para trás quanto para frente à medida que você encontra um nicho social confortável. Vá com calma.
  7. Acalme os nervos em situações sociais. Essa é uma maneira útil de evitar se sentir desconfortável socialmente antes de interagir com outras pessoas. Essa atitude é importante porque o nervosismo afeta nosso comportamento (a linguagem corporal) e, mesmo que não abramos a boca, os outros perceberão nosso incômodo.
    • Pode ser muito trabalhoso lidar com alguém visto como "desconfortável socialmente". Enviar esse tipo de vibração pode desencorajar outras pessoas a ficarem por perto para descobrir se isso é mesmo verdade.
    • É importante não interpretar essa atitude como aversão; os outros ficam tão desconfortáveis quanto você ao notarem seu comportamento. Porém, é possível usar suas habilidades com linguagem corporal para acalmá-los.
    • Ter uma postura convidativa e parecer aberto a conversas em vez de ficar na defensiva e nervoso pode ajudá-lo a ser menos visto como alguém incomodado por estar perto dos outros.
    • Perceba que muitas pessoas estão tão nervosas quanto você; algumas simplesmente aprenderam maneiras melhores de disfarçar isso — o que significa que você pode fazer o mesmo!

Mudando de comportamento

  1. Foque-se nas partes positivas. Embora esses momentos de desconforto tendam a nos fazer fixar nossa atenção em tudo que está dando errado, obrigue-se a se focar nas partes positivas. Qual o lado bom das coisas ao redor, embora você esteja louco para o chão se abrir de repente e o engolir? Localizá-lo pode ajudar a mudar sua perspectiva, de modo que você enxergue o incômodo como algo ínfimo em relação à grandiosidade do mundo à sua volta. Dificilmente a interação social que teve foi desconfortável do começo ao fim. Deve ter havido um momento bom.
    • Por exemplo: a Jéssica tropeça na ponta do carpete da pista de dança depois de dançar com o Bruno e cai de cara no chão. Ela poderia decidir se derramar em lágrimas por seu momento perfeito ter tido um final tão horrível. Em vez disso, percebe que nem dá para alguém ver a ponta do carpete e que, pelo menos, agora todo mundo sabe do perigo. Além do mais, ela acabou dançar uma música maravilhosa com o Bruno e ele já está se ajoelhando ao seu lado para oferecer-lhe ajuda para se levantar.
    • Jéssica aceita a mão dele graciosamente (ele é tão cavalheiro!), abre um largo sorriso para os espectadores preocupados e diz com um olhar irônico, "Nossa, que final desastrado para uma música tão boa... Cuidado com o carpete, galera!". Todo mundo respira aliviado porque não sabia se ria ou se desviava o olhar, e ela deixa que escolham aliviar a tensão. Jéssica percebe que vão esquecer o acontecido em cinco minutos e segue com a própria noite.
  2. Use diálogos internos para superar o desconforto em situações sociais. Isso o ajuda a desviar o foco de se preocupar com o que estão pensando sobre você e a utilizá-lo para se acalmar, de modo que você possa projetar uma postura mais relaxada. Algumas coisas que podem ajudar nesses momentos incluem:
    • "A ansiedade está distorcendo meus pensamentos."
    • "Estou prestando atenção demais às sensações ruins que sinto."
    • "São só meus hormônios me deixando assim; na verdade, está tudo bem."
    • "Posso superar minha ansiedade."
    • Palavras positivas também podem ajudar bastante. Diga coisas positivas a si mesmo, como:
      • "Essas pessoas são legais e estou me divertindo ficando com elas."
      • "Essas pessoas parecem gostar do que eu estou dizendo ou fazendo", "Vim aqui para me divertir".
  3. Aprenda a relaxar. Isso não é algo para se fazer só uma vez, mas a vida toda. Sendo assim, essa prática deve começar em casa, onde você se sente mais confortável. Relaxar antes de adentrar uma situação social pode ajudá-lo a se abrir mais, a ser honesto com as pessoas e a abaixar a guarda. Se não estiver tenso, você ficará mais inclinado a abraçar esse tipo de situação em vez de temê-la.
    • Pratique respirar fundo (com o diafragma) para superar os momentos de ansiedade e faça exercícios para relaxar, alongamentos e até meditação diária para fortalecer sua habilidade de entrar um estado relaxado sempre que precisar.
    • Pegue seu conhecimento sobre o assunto e aplique-o também à vida pública. Quando estiver só, respirar profunda e lentamente pode ajudá-lo a se manter calmo sempre que se sentir atacado por muitas investidas sociais e pela sociedade. Ficar consciente desse tipo de situação eventualmente o ajudará a se sentir mais confortável em meios sociais.
  4. Dê a si mesmo espaço para se recuperar. Nem todas as situações estranhas serão resolvidas com uma risada e inspirações profundas. Às vezes, a verdade, a dor ou as emoções angustiantes são demais para se aguentar em público e, para seu próprio bem e, talvez, dos outros, é melhor simplesmente ir embora. Ao se dar espaço para se recuperar, você pode se acalmar e superar a sensação de se afundar em ansiedade.
    • Tente de verdade se impedir de simplesmente sair correndo e chorando ou gritando. Desculpe-se rapidamente e diga que precisa de um tempo/ir ao banheiro/ar fresco, etc. e saia no seu ritmo normal.
    • Se puder, é uma boa dizer que volta logo para terminar qualquer conversa ou discussão incompleta. Caso se sinta sufocado e precise inventar uma desculpa rápida como ter que sair para fazer uma ligação, faça isso.
    • Se o momento desconfortável tiver envolvido uma discussão calorosa, é perfeitamente aceitável cortá-la e dizer que vai sair brevemente para se acalmar. Prometa à pessoa que vai retomar a discussão de forma amigável quando se sentir menos aborrecido. Isso não é covardia; na verdade, é preciso bastante coragem para reconhecer que é melhor recuar temporariamente para reunir seus pensamentos e para controlar a raiva e a ansiedade.
    • Pode levar uma hora inteira até que você se acalme depois de se sufocar com a própria ansiedade. Não tenha pressa. Se isso significar ter que sair mais cedo de um evento para se sentir melhor, peça a um amigo para enviar uma mensagem pedindo desculpas em seu nome por não voltar.
  5. Seja legal consigo mesmo. Sentir-se desconfortável socialmente não é um estado, mas uma sensação temporária. Você conseguirá superar qualquer incidente em particular e terá muitas experiências positivas para se lembrar no lugar dele. Todo mundo passa por essas coisas e tem pelo menos uma experiência aterrorizante para contar. É um sinal de apreço e bondade para consigo mesmo ser capaz de relembrar tais ocasiões com um sorriso irônico e perceber que elas não o destruíram e que, agora, servem como uma história divertida para contar à mesa.
    • Cuidado para não aumentar a importância de um acontecimento ruim e para não aplicá-lo à sua impressão geral das interações sociais; foque-se o máximo que puder em todas as ocasiões em que se divertiu e/ou que acabaram bem, independentemente do quão comuns e sem graça tenham sido. Para ser legal consigo mesmo, perceba que socializar envolve aprender novas habilidades; não seja duro mais com si próprio se, por qualquer motivo, acabar não aprendendo essas habilidades durante o processo.
  6. Seja amigável. Presumir que outra pessoa quer se conectar com você e assumir o melhor dela desde o começo permite que você seja mais aberto e amigável com ela. Embora seja verdade que, independentemente do quão legal você for, algumas pessoas ainda vão responder como se tivessem acabado de chupar um limão, isso não é motivo para fugir delas ou se culpar. Ao ser amigável, você deixará os outros confortáveis, encontrará maneiras de quebrará o gelo e dará aos mais hostis a liberdade de se abrirem e de serem mais vulneráveis na sua companhia.
    • Se você não tiver o costume de agir assim, esforce-se. Você vai acabar gostando quando perceber que isso é mais fácil que manter uma expressão desconfiada, cautelosa e cuidadosa no rosto o tempo todo.
    • Quando conhecer alguém pela primeira vez, seja legal e prefira fazer perguntas mais gerais. Evite qualquer coisa muito pessoal para não parecer intrometido ou incentivar a outra pessoa a ser. Pergunte como está indo o dia dela, se ela tem planos divertidos para o fim de semana ou se foi a algum show legal nos últimos tempos. Deixe a conversa leve e agradável.
    • Ser amigável não significa ser ingênuo. Mantenha-se ciente de que há pessoas que exibem um comportamento preocupante, como, por exemplo, agressivo, indecente ou opressor, e cuide de si mesmo acima de tudo.
  7. Pare de se preocupar com o que os outros pensam de você. Embora seja mais fácil falar do que fazer, uma ótima maneira de evitar o desconforto em situações sociais é parar de ligar para como as pessoas o veem. A maioria de nós se preocupa com isso, o que é algo legal para lembrar quando você se pegar fazendo o mesmo. Se ficar ocupado demais se preocupando com o que a pessoa com que está falando realmente pensa a seu respeito, nunca conseguirá relaxar ou aproveitar a interação de vocês. Uma vez que abandonar essa agonia, será mais fácil ser você mesmo e falar de forma calma e natural.
    • Além disso, algumas pessoas serão desagradáveis, mesquinhas e sarcásticas mesmo, não importa quem você seja ou o que tenha alcançado na vida; para elas, tal comportamento é, muitas vezes, um mecanismo de defesa que usam para superar os próprios sentimentos de insegurança, desconforto e a sensação de estarem deslocadas. Se forem rudes com você, saiba que é por causa de problemas que elas têm, não você.
    • Algumas pessoas cultivam pensamentos negativos sobre outras para nunca terem que questionar os próprios defeitos. Você nunca mudará esse tipo de pensamento; em vez disso, perceba que essa gente está viciada demais em culpar os outros para ver como os comentários negativos que fazem revelam boa parte das próprias fraquezas.
  8. Anime-se. Coisas desagradáveis aleatórias e totalmente vergonhosas acontecem. No nosso mundo imperfeito, as chances de algo nos fazer parecer ou nos sentir bobos são tão grandes quanto as de acontecer algo que consideramos nos deixar sob uma perspectiva mais digna, graciosa e adequada. Uma das melhores coisas que você pode fazer para parar de se sentir desconfortável socialmente é parar de se levar tão a sério. Isso diminuirá a pressão e o ajudará a relaxar.
    • Muitas vezes, não temos controle sobre situações desconfortáveis, como um longo silêncio no meio de uma conversa que simplesmente continua para sempre, o som barulhento e pouco elegante do vento passando quando menos esperamos e aquele tropeção que damos no tapete ao aceitar um prêmio dos nossos colegas.
    • Essas coisas podem acontecer, mas não são uma razão para nos deixar chateados; elas servem para aceitarmos que somos humanos e que a vida é aleatória e, às vezes, imperfeita.
    • Para lidar com esse fato, anime-se e veja o lado engraçado nos momentos mais desconfortáveis. Fazer isso não só o ajudará a colocar tais acontecimentos sob uma perspectiva melhor, mas também o humor costuma acabar com a tensão entre os presentes, fazendo com que as pessoas riam com, não de, você e com que deixem o momento desconfortável passar sem maiores constrangimentos.
    • Rir do seu próprio comportamento quando algo bobo acontece mostra às pessoas que a situação não é realmente séria e apela para o bom senso. E observe aqueles que de fato sabem como fazer piada dos reveses da vida, basicamente, os comediantes. Pessoas como Rowan Atkinson, Charlie Chaplin e seu comediante local favorito o ajudarão a perceber que se sentir desconfortável pode se tornar um recurso engraçado.

Melhorando suas habilidades sociais

  1. Bata papo. Esse tipo de conversa é o mais movimentado e, se você acabar não indo mais longe que isso com a maioria das pessoas que conhecer, não tem problema, pois, muitas vezes, é só um papo que elas esperam mesmo. Fazer isso pode ajudá-lo a construir um relacionamento mais profundo com quem acabou de conhecer ou com alguém que ainda está conhecendo. Aqui vão algumas coisas básicas para se manter em mente quando estiver batendo papo:
    • Pergunte às pessoas como elas estão. Não se aprofunde muito na vida pessoal delas; foque-se no que andaram fazendo e em como estão se sentindo.
    • Faça perguntas que requeiram mais que um "sim" ou "não" como resposta para continuar a conversa.
    • Procure interesses em comum. Encontre maneiras casuais de descobrir se vocês dois não torcem para o mesmo time, veem as mesmas séries ou têm os mesmos animais de estimação.
    • Não se preocupe se não houver nada. É possível ter uma ótima conversa com alguém com quem você não tem muita coisa em comum.
    • Encontre um equilíbrio. Fazer perguntas é legal, mas se certifique de que tanto você quanto a pessoa estejam falando e perguntando na mesma frequência. Não é legal parecer estar dominando a conversa.
    • Use o ambiente. Se encontrar alguém em uma cafeteria, pergunte se ele já experimentou as guloseimas maravilhosas do lugar. Se estiver ao ar livre e for um dia lindo, pergunte à pessoa se ela vai aproveitar o ótimo clima para fazer algo divertido do lado de fora de casa.
  2. Tenha uma ótima conversa com qualquer um. Não se preocupe com ser muito direto com alguém que conhece ou que acabou de conhecer. Encontrar assuntos para uma conversa pode ser tão simples quanto listar alguns, guardá-los na memória e utilizá-los quando necessário. Se estiver travado sem saber o que dizer, este simples ato pode poupá-lo de muita aflição. Embora nenhuma conversa seja igual à outra, algumas ideias-chave podem ajudá-lo a ter um ótimo papo com qualquer um.
    • Aprenda a ler a expressão e a linguagem corporal da pessoa para ver se ele está aberta a discutir um assunto. Se perguntar como anda o namorado de uma garota e o corpo dela travar, talvez seja melhor falar sobre outra coisa.
    • Fique interessado na pessoa, não seja simplesmente "interessante". Foque-se mais em aprender sobre ela que em impressioná-la. Adoramos falar sobre nós mesmos e, muitas vezes, a melhor maneira de agradar a alguém é mostrar se importar.
    • Dê à pessoa toda sua atenção. Não fique impaciente, olhando o telefone, para os lados ou fazendo com que ela se sinta desvalorizada. Mesmo se estiver agindo assim por conta do nervosismo, você pode acabar passando a impressão errada.
  3. Aprenda a contar uma piada. Fazer isso na hora errada pode acabar com seu crédito na frente dos outros e deixá-los achando que você é esquisito. Mesmo assim, contar na hora certa, com o tom certo, pode aliviar até o mais tenso dos momentos. Embora não haja necessidade de ir guardando piadas para essas ocasiões e para impressionar os outros, a piada certa pode deixar as pessoas morrendo de rir e adorando o fato de você se arriscar dessa forma.
    • O mais importante quando o assunto é piada é não se levar muito a sério. Se ela não for engraçada, não aja como se isso fosse o fim do mundo. Em vez disso, sacuda a poeira, mostre um sorriso bobo, diga "Vocês são difíceis de agradar" e siga em frente.
    • Perceba o clima da situação. Se as coisas estiverem meio tensas, uma piada perfeita pode amenizar os ares. Porém, se estiverem discutindo assuntos realmente sérios, como a morte dos avós de alguém, é melhor guardar o humor para quando o tom da conversa mudar um pouco.
  4. Faça elogios significativos. Quando o assunto é elogiar os outros, a coisa mais importante é ser sincero e falar na hora certa. Se não for verdade, não diga nada. Se não souber se é o momento certo, deixe para lá. No entanto, se você for um principiante na arte de elogiar alguém, observe a hora em que outras pessoas fazem isso e aja de acordo. Dá para falar das joias, do suéter ou do novo corte de cabelo de alguém e avançar para elogios mais profundos à medida que você o conhecer melhor.
    • Enaltecer um aspecto da personalidade da pessoa, como dizer a um amigo que ele tem um ótimo senso de humor ou que tem habilidade para falar com gente nova, pode fazer com que ela se sinta mais especial que um comentário sobre a aparência dela.
    • Se for falar de algo físico, tome cuidado para não ser mal interpretado. Se estiver elogiando a aparência de uma mulher, foque-se no rosto e no cabelo e evite falar do corpo dela, ou você parecerá mais atrevido do que pretendia.
    • Esta também é outra habilidade social ótima. Você pode enaltecer o saque incrível que alguém tem no tênis ou dizer a uma garota na sua aula de artes que as pinturas dela são muito comoventes.
  5. Saiba o que evitar. Embora cada situação social seja diferente, há algumas coisas importantes que você deve evitar quando o assunto é ser "espertinho" perto dos outros. Há certos comentários ou ações que tendem a parecer estranhos e que valem a pena evitar se você quiser se sentir confortável perto de outras pessoas. Aqui vão algumas coisas com que se ter cuidado:
    • Abstenha-se de dizer que é muito esquisito, que está agindo estranho ou que seu comentário foi estranho. Isso só deixará os outros desconfortáveis, a não ser que você seja bom em fazer esses comentários parecerem engraçados.
    • Evite fazer perguntas muito pessoais se não conhecer bem o interlocutor — se ele não está namorando alguém ou se não engordou, por exemplo.
    • Tente não falar muito sobre os perfis da pessoa se estiverem frente a frente. Se alguém lhe contar que ela foi a Las Vegas no último fim de semana, não precisa dizer, "Ah, é, eu estava fuçando seu Facebook esse fim de semana. Adorei o vestido roxo que você usou!" ou o clima vai ficar estranho.
    • Evite invadir o espaço pessoal dos outros. Não fale perto demais, a ponto de ficar terrivelmente próximo da outra pessoa, sem dar espaço para ela respirar ou se mover durante a conversa. Embora não haja necessidade de ficar a quilômetros de distância dela, é melhor se afastar um pouco para haver menos desconforto.
    • Se estiverem conversando sobre alguém ou algo sobre o qual você não faça ideia do que se trata, deixe o papo se desenrolar em ver de fazer mil perguntas que irritariam os presentes e que interromperiam a fluidez da conversa.
  6. Saia. Ficar em casa atrás da tela do computador, atrás das paredes do seu cubículo, ou evitar almoçar com alguém não o ajudará a ter menos momentos desconfortáveis em situações sociais. Muito pelo contrário, você estará criando um, uma vez que estará se permitindo ficar eternamente sem praticar suas habilidades. Se passar a maior parte do tempo em casa ou na frente do computador com medo de interagir com os outros, você nunca conseguirá trabalhar nelas e melhorá-las.
    • Em vez de se esconder, tenha coragem, saia de casa e socialize com mais frequência. Você não precisa ir a todos os lugares ou falar com todo mundo, mas ao menos comece a comparecer em compromissos que o interessem e tenha conversas curtas, mas interessantes, com gente cuja companhia lhe agrada. Comece com as pessoas em que você confia e de que gosta e, lentamente, expanda seu círculo social, incluindo aqueles que não conhece bem.
    • Socialize-se aos poucos. Isso não é uma maratona, uma competição ou um teste; o objetivo é se conectar, se divertir e viver ao máximo. Se gostar de socializar apenas um pouco, não tem problema, desde que você de fato faça isso.
    • Perceba que algumas pessoas são esnobes e hostis. Nem todo mundo é assim, e elas não representam um motivo para você se esconder. Quando tiver que lidar com elas, aprenda uma maneira simples de ir embora com dignidade, como acenando rápido com a cabeça e dizendo "Foi um prazer conhecer você" antes de dar as costas e sair. Não deixe que encontros desse tipo arruínem todas as suas experiência sociais — sempre há alguém que vale a pena encontrar em uma situação social.
    • Aprenda a terminar uma conversa, além de a iniciar uma. Para muitas pessoas, é essa parte que deixa a sensação de desconforto, mesmo quando o papo não estava indo a lugar algum ou estava terrivelmente chato, pois elas têm medo de parecer rudes ou indiferentes.

Dicas

  • As pessoas com ansiedade social podem parecer esnobes, difíceis, estranhas ou obstrutivas. Caso sinta que alguém está agindo assim com você, talvez o problema real seja o desconforto que ele sente. Isso pode servir para refletir seu próprio desconforto em situações sociais, dando-lhe um insight de como você fica aos olhos dos outros, além de lhe fornecer uma forma de se conectar melhor com a pessoa usando sua própria experiência.
  • Melhore seus modos. Se não conhecer as normais sociais do grupo com que está saindo, faça um esforço para conhecê-las. Não saber isso pode deixá-lo incomodado. Esses "modos" são uma série de regras sociais simples que criam limites, uma rotina e sinais que qualquer um pode implementar após aprendê-los; além disso, ser cortês sempre facilitará sua vida nessas ocasiões, mesmo que você não tenha certeza de qual é, no fundo, o significado complexo do que acabou de fazer. Normalmente, perdoamos qualquer coisa vinda de alguém educado.
  • Muitas pessoas superam esse sentimento de desconforto. Na verdade, este traço é comumente associado a adolescentes e jovens adultos e, à medida que envelhecemos, tendemos a encontrar maneiras de superar essa sensação que antes aparecia com frequência em nossas vidas. Tornar-se pai, muitas vezes, o deixa sem escolha quanto a isso!
  • Verifique sua pressão sanguínea. Cientistas descobriram que algumas pessoas se sentem assim por terem pressão alta, por conta de um fenômeno conhecido como "amortecimento emocional".
  • Evite fofocar ou falar mal dos outros; dessa forma, você não terá que se preocupar com o tiro saindo pela culatra.
  • Exercícios regulares podem ajudá-lo a manter seu corpo "em harmonia" em situações sociais. Ao liberar a energia reprimida e endorfinas, você se ajudará a se acalmar e a superar a ansiedade.
  • Se já não for assertivo, pratique por um tempo e implemente um comportamento assertivo. Esse estilo de comunicação pode ajudá-lo a superar a ansiedade que vem com interações sociais. Ele permitirá que você expresse suas próprias necessidades e que diga o que quer sem ferir os sentimentos alheios e, ao mesmo tempo, aumentando sua confiança nessas ocasiões. Quando surgir um momento desconfortável (o que é inevitável), você sentirá mais confiança em agir sem agressividade, medo ou sem se distanciar dos outros.

Avisos

  • Se pegar alguém encarando-o, perceba que as outras pessoas são tão curiosas quanto você! Em vez de agir na defensiva, tente sorrir para que pensem que você é legal.
  • Evite se gabar para tentar se conectar ou impressionar alguém. Caso note que está tagarelando sobre suas experiências ou seus pertences, pare e desculpe-se, ou simplesmente siga em frente perguntando algo à outra pessoa.
  • Não se preocupe e, especialmente, não analise tudo demais. Quanto mais simples tornar o propósito das interações sociais, melhor.
  • Se o tiverem ferido no passado, seja física, sexual ou verbalmente, pode ser que as interações sociais pareçam insuportáveis caso tenha perdido a confiança nas pessoas. Procure ajuda profissional para superar seus medos.
Information
Users of Guests are not allowed to comment this publication.